UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DA MOBILIDADE NO ÂMBITO DA GEOGRAFIA URBANA

Visualizações: 169

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/geofronter.v9i1.8271

Palavras-chave:

mobilidade

Resumo

Para além da lógica centro-periférica que caracterizou a estruturação dos centros urbanos no Brasil sobretudo a partir de meados do século XX, identificam-se outras lógicas que complexificam a estruturação dos seus espaços, marcadas pelo aprofundamento das desigualdades socioespaciais. Nesse contexto, buscando compreender a passagem da lógica socioespacial predominantemente centro-periférica para a lógica socioespacial fragmentária, tendo como dimensão empírica a mobilidade socioespacial dos sujeitos nas cidades de Campo Grande e Dourados no Mato Grosso do Sul, apresentamos uma metodologia utilizando recursos audiovisuais por meio de câmera de ação articulado aos percursos acompanhados realizados com os sujeitos com foco na captação do movimento e de seus conteúdos em suas mobilidades socioespaciais. Detalhamos essa metodologia apresentando as etapas, os procedimentos e os materiais produzidos. Consideramos que os resultados obtidos por meio dela são substancialmente diferentes daqueles alcançados por procedimentos estáticos, pois estar em movimento com o sujeito da pesquisa é essencialmente diferente de capturar o seu movimento a partir de mecanismos remotos, visto que a experiência transitória do movimento no espaço urbano exposto aos seus múltiplos eventos marcados espaço-temporalmente, aliada a ativação dos sentidos humanos, possibilita uma leitura mais apurada das inúmeras condições nas quais o movimento ocorre.

Biografia do Autor

Rafael Bastazini, Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP. Professor efetivo da Prefeitura de Campo Grande/MS.

Márcio José Catelan, Unesp

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP.  Professor assistente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Referências

BALBIM, R. Mobilidade: uma abordagem sistêmica. In: Cidade e movimento: mobilidades e interações no desenvolvimento urbano / organizadores: Renato Balbim, Cleandro Krause, Clarisse Cunha Linke. – Brasília : Ipea : ITDP, 2016.

BÜSCHER, M.; URRY, J. Mobile Methods and the Empirical. European Journal of Social Theory. (2009) 12(1): 99–116. DOI: https://doi.org/10.1177/1368431008099642

CRESSWELL, T. Mobilities II: Still. Progress in Human Geography. 36(5) 645–653. 2012. DOI: https://doi.org/10.1177/0309132511423349

CRESSWELL, T. Mobilities I: Catching up. Progress in Human Geography. 35(4) 550 -558. 2011. DOI: https://doi.org/10.1177/0309132510383348

CRESSWELL, T. Towards a politics of mobility. Environment and Planning D: Society and Space. 2010, volume 28, pages 17 – 31. DOI: https://doi.org/10.1068/d11407

GARRETT, B. L. Videographic geographies: Using digital video for geographic research. Progress in Human Geography. 2011 35: 521 originally published online 6 December 2010. DOI: https://doi.org/10.1177/0309132510388337

GOMIDE, A. Á. Transporte urbano e inclusão social: elementos para políticas públicas. TEXTO PARA DISCUSSÃO No 960. IPEA. Brasília, julho de 2003.

JESUS, P. M. ; CATELAN, M. J. ; CALIXTO, M. J. M. S.. Percursos acompanhados Casa-Trabalho-Casa. Perspectivas e construção metodológica. In: Metodologia de pesquisa em estudos urbanos. Procedimentos, instrumentos e operacionalização. 1ed.Rio de Janeiro: Consequência, 2022, v. , p. 149-172.

PRÉVÔT-SCHAPIRA, M. Fragmentación espacial y social: conceptos e realidades. Perfiles

Latinoamericanos, n.19, p. 33-56, dez. 2001.

PRÉVÔT-SCHAPIRA, M.F.; PINEDA, R. C. Buenos Aires: la fragmentación em los interstícios de uma sociedade polarizada. Eure, Santiago do Chile, v.XXXIV, n. 103, p.73-92, dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.4067/S0250-71612008000300004

SHELLER, M.; URRY, J. Mobilizing the new mobilities paradigma. Applied Mobilities, 2016. DOI: https://doi.org/10.1080/23800127.2016.1151216

SHELLER, M.; URRY, J. The New Mobilities Paradigm. Environment and Planning A. 2006, volume 38, pages 207-226. DOI: https://doi.org/10.1068/a37268

SHELLER, M. The new mobilities paradigm for a live sociology. Current Sociology Review 2014, Vol. 62. DOI: https://doi.org/10.1177/0011392114533211

SPINNEY, J. A Chance to Catch a Breath: Using Mobile Video Ethnography in Cycling. Research, Mobilities, 6:2, 161-182, 2011. DOI: https://doi.org/10.1080/17450101.2011.552771

SPOSITO, E. S.; SPOSITO, M. E. B. Fragmentação socioespacial. Mercator, Fortaleza, v.19,

Downloads

Publicado

2023-10-31

Como Citar

Bastazini, R., & José Catelan, M. (2023). UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DA MOBILIDADE NO ÂMBITO DA GEOGRAFIA URBANA. GEOFRONTER, 9(1). https://doi.org/10.61389/geofronter.v9i1.8271

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.