A AVALIAÇÃO EM GEOGRAFIA

o raciocínio geográfico como objetivo do ensino

Visualizações: 216

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/geofronter.v10.8281

Palavras-chave:

Raciocínio Geográfico, Ensino, Geografia, Avaliação

Resumo

O presente artigo busca elaborar uma discussão associada à avaliação em Geografia a partir do contexto atual do ensino básico nacional e paranaense. Evidencia-se a importância de práticas avaliativas formativas e mediadas em contraposição a práticas tradicionais, visto seus benefícios na construção do raciocínio geográfico. Justifica-se sua produção na necessidade de se reformular a avaliação em Geografia, situando a carência de produções quanto ao tema. Objetiva-se identificar características gerais que regem a avaliação e munir o professor com metodologias que aproximem a avaliação de propostas formativas e mediadas, destacando a importância de se repensar o sistema avaliativo para adicionar ao ensino-aprendizagem na disciplina. A metodologia desenvolveu-se segundo uma análise bibliográfica voltada ao ensino de Geografia, focando na avaliação, influências curriculares e históricas e perspectivas futuras de modo a traçar uma conjuntura e possibilidades. Apesar de conceituado junto às regulamentações nacionais e estaduais no ensino de Geografia, o raciocínio geográfico é tomado de forma secundária em um processo de ensino com foco na formação do aluno para o mercado de trabalho. A partir das percepções de Pierre Monbeig voltadas ao ensino de Geografia e definições associadas ao ensino formativo e mediado, identifica-se a necessidade de repensar a avaliação, aproximando esta do processo de aprendizagem. Argumenta-se, finalmente, que a avaliação formativa é um caminho proveitoso ao ensino de Geografia, apesar de enfrentar desafios devido às políticas educacionais. Propõe-se uma abordagem de avaliação dinâmica mediada para uma aprendizagem mais eficaz.

Biografia do Autor

Gabriel Igor Teodoro Moser Contreras, Universidade Estadual de Maringá

Mestrando em Geografia na Universidade Estadual de Maringá.

Maria das Graças de Lima, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo (2001),  Estágio Pós-doutoral pela Universidade de São Paulo. Professora Associada B do Departamento de Geografia da Universidade Estadual de Maringá. 

Referências

AB’SÁBER, A. Pierre Monbeig: a herança intelectual de um geógrafo. Estudos Avançados, São Paulo, v. 8, n. 22, p. 221-232, dez, 1994. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0103-40141994000300024>. Acesso em: 20 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40141994000300024

BIN, A. C. Como explicar a ‘falta de interesse’ dos alunos?. Encontro: Revista de Psicologia, Valinhos, v. 14, n. 20, p. 117-133, 2011. Disponível em: <https://revista.pgsskroton.com/renc/article/view/2510>. Acesso em: 17 jul. 2023.

CAMPOS, G. et al. Tecnicismo e a prática pedagógica na escola contemporânea. Revista Científica Eletrônica de Pedagogia, Garça, v. 9, n. 18, online, jul., 2011. Disponível em: < http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/XdNUnukCctbM9ZA_2013-7-10-15-6-55.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2023.

DEFFUNE, G. A aula deve ter sempre como meta o aluno. In: DEFFUNE, G.; LIMA, M. das. G. de (org.). Da Geografia que se faz à Geografia que se quer: Muitos caminhos a percorrer. Maringá: EDUEM, 2013. cap. 2, p. 63-78.

FEUERSTEIN, Reuven; FEUERSTEIN, Rafael S.; FALIK, Lois H. Além da inteligência: Aprendizagem mediada e a capacidade de mudança do cérebro. Petrópolis: Vozes, 2014.

GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010. Disponível em: <https://www.cedes.unicamp.br/publicacoes/edicao/77>. Acesso em: 19 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000400016

HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

LIMA, M. das G. de. Projetos Pedagógicos de Geografia do Paraná. In: DEFFUNE, G.; LIMA, M. das G. de (org.). Da Geografia que se faz à Geografia que se quer: muitos caminhos a percorrer. Maringá: EDUEM, 2013. cap. 1, p. 31-62.

LOPES, A. C. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 59-75, jan./mai., 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.963>. Acesso em: 17 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.963

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 01 jun. 2023.

MIRANDA, M. E. A atualidade de Pierre Monbeig e o direito de aprender Geografia. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, Volume Especial 30 anos, p. 52-67, 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.7154/RDG.2012.0112.0004>. Acesso em: 20 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2012.0112.0004

MONBEIG, Pierre. Novos Estudos de Geografia Humana. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1957.

OLIVEIRA JUNIOR, R. J. de. O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e suas repercussões na avaliação da aprendizagem de Geografia. Orientador: Prof. Dr. Celso Donizete Locatel. 2017. 218 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Caicó, 2017.

PERONI, V. M. V.; CAETANO, M. R.; ARELARO, L. R. G. BNCC: disputa pela qualidade ou submissão da educação? RBPAE, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 35-56, jan./abr., 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.21573/vol1n12019.93094>. Acesso em: 18 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.21573/vol1n12019.93094

RIBEIRO, D. de F.; ANDRADE, A. dos S. A assimetria na relação entre família e escola pública. Pesquisas Empíricas, Paidéia, v. 16, n. 35, dez. 2006. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0103-863X2006000300009>. Acesso em: 19 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-863X2006000300009

SÁ, J. dos S.; WERLE, F. O. C. Infraestrutura Escolar e Espaço Físico em Educação: O estado da arte. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.47, n.164, p.386- 413, abr./jun. 2017. Disponível em: <https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/3735>. Acesso em: 19 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/198053143735

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ. Referencial Curricular do Paraná. Curitiba: Secretaria da Educação do Paraná, 2018. Disponível em: <http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/bncc/2018/referencial_curricular_parana_cee.pdf>. Acesso em: 05 ago. 2023.

SILVA, A. V. M. da. A pedagogia tecnicista e a organização do sistema de ensino brasileiro. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 70, p. 197-209, dez., 2016. Disponível em: <https://doi.org/10.20396/rho.v16i70.8644737>. Acesso em: 19 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v16i70.8644737

Downloads

Publicado

2024-03-06

Como Citar

Moser Contreras, G. I. T., & Lima, M. das G. de. (2024). A AVALIAÇÃO EM GEOGRAFIA: o raciocínio geográfico como objetivo do ensino. GEOFRONTER, 10, e34001. https://doi.org/10.61389/geofronter.v10.8281

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)