LEPROSY IN MATO GROSSO DO SUL:

A SPATIAL, SOCIOECONOMIC AND IMPACT VIEW OF THE COVID-19 PANDEMIC

Visualizações: 59

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/geofronter.v10.8297

Palavras-chave:

Hanseníase, Saúde e Desenvolvimento, Geografia da Saúde

Resumo

This paper analyzes leprosy indicators in the state of Mato Grosso do Sul (MS), Brazil, emphasizing the socioeconomic and spatial elements, and compare the pre and post-Covid-19 pandemic periods. This study hypothesizes that leprosy substantially influences the socioeconomic aspects and that the pandemic period has impacted the notifications of the disease. The analyses demonstrated an overall decline in leprosy notifications in the comparison before and after the Covid-19 pandemic. The proportion of new cases of leprosy classified as stage II of physical disability at the time of diagnosis got worse. The disease presents a strong socioeconomic relationship, given both the disease’s biological favoring in vulnerable environments and the negative impact that it can cause on the economic scope of the affected ones, such as labor limitations, prejudice, and disabilities, resulting in negative socioeconomic feedback.

Biografia do Autor

Ana Paula Caserta Tencatt-Abrita, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste (UFMS). Campo Grande – MS. Docente no Programa de Residência Multiprofissional em Cuidados Continuados Integrados (PREMUS-CCI) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS/SES/HSJ).

Mateus Boldrine Abrita, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Doutorado em Economia do Desenvolvimento pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Campo Grande-MS. Docente dos cursos de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Unidade de Campo Grande - MS.

Referências

ALIEVI, Alan Alves; PINESE, José Paulo P. A geografia da saúde no Brasil: precedentes históricos e contribuições teóricas. Disponível em: http://www.observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal14/Geografiasocioeconomica/Geografiamedica/01.pdf. Acesso em: 23 ago. 2022.

BAIALARDI, KS. O estigma da hanseníase: relato de experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansen Int. 2007;32(1): 27-36. DOI: https://doi.org/10.47878/hi.2007.v32.35191

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. Resolução 196 de 16/10/1996. Dispõe sobre a aprovação das diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase e Direitos Humanos: Direitos e Deveres dos usuários do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de HIV/AIDS, Tuberculose, Hepatites Virais e Infecções Sexualmente Transmissíveis – DATHI. Indicadores Hanseníase - DCCI [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde: 2022a. Available from: http://indicadoreshanseniase.aids.gov.br/

BRASIL. Maria Andréia Parente Lameiras. Ipea Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac). Carta de Conjuntura Mercado de Trabalho: desempenho recente do mercado de trabalho e perspectivas. 54. ed. Brasília: Ipea, 2022b. 16 p. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/conjuntura/220328_cc_54_nota_32_mercado_de_trabalho_novo.pdf. Acesso em: 23 ago. 2022.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde | Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico de Hanseníase [Internet], Brasília: Ministério da Saúde, 2023. Available from: file:///D:/Paula/Downloads/boletim_Hansen%C3%ADase%202023_internet_completo.pdf

DA FONSECA AZEVEDO ARAÚJO, Kleane Maria; LANA, Francisco Carlos Félix. Relação da hanseníase com a cobertura da estratégia saúde da família e condições socioeconómicas. Ciencia y Enfermeria, p. 1-1, 2020. DOI: https://doi.org/10.4067/S0717-95532020000100201

EIDT, L. M. Breve história da hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Trajectory in the Brazilian Public Health. Saúde soc. vol.13 no.2 São Paulo May/Aug. 2004. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000200008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000200008

FARIA, Rivaldo Mauro; BORTOLOZZI, Arlêude. Espaço, território e saúde: contribuições de Milton Santos para o tema da geografia da saúde no Brasil. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, v. 17, 2009. DOI: https://doi.org/10.5380/raega.v17i0.11995

GOULART, I. M. B.; ARBEX, G. L.; CARNEIRO, M. H.; RODRIGUES, M. S.; GADIA, R. Adverse effects of multidrug therapy in leprosy patients: a five-year survey at a Health Center of the Federal University of Uberlândia. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 35, n. 5, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822002000500005

HANASHIRO R, CORREIA VD, SUGAWARA AT. Inclusão social no mercado de trabalho de pacientes amputados em processo de reabilitação. Acta Fisiátrica. 25(3):138-44. Acesso em: 13 de out. 2022. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/162671 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v25i3a162671

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA, IBGE. IBGE Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/panorama .Acesso em: 25 ago. 2022.

LEANO, Heloisy Alves de Medeiros et al. Fatores socioeconômicos relacionados à hanseníase: revisão integrativa da literatura. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 72, p. 1405-1415, 2019.

MARAHATTA, Sujan Babu et al. Perceived stigma of leprosy among community members and health care providers in Lalitpur district of Nepal: A qualitative study. PLoS One, v. 13, n. 12, p. e0209676, 2018. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0209676

MELO, K. C.; et al. A percepção do paciente amputado diante da mudança na imagem corporal. Revista Enfermagem Atual In Derme, [S. l.], v. 93, n. 31, p. e–020025, 2020. DOI: 10.31011/reaid-2020-v.93-n.31-art.701. Disponível em: http://revistaenfermagematual.com.br/index.php/revista/article/view/701. Acesso em: 13 out. 2022. DOI: https://doi.org/10.31011/reaid-2020-v.93-n.31-art.701

OLIVEIRA, Anderson Silva; ROSSI, Elaine Cristina. Envelhecimento populacional, segmento mais idoso e as atividades básicas da vida diária como indicador de velhice autônoma e ativa. Geosul, v. 34, n. 73, p. 358-377, 2019. DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2019v34n73p358

OLIVEIRA, Mariana Souza Santos et al. Caracterização epidemiológica das internações por dengue durante a pandemia de Covid-19 nas capitais brasileiras. The Brazilian Journal of Infectious Diseases, v. 26, p. 102268, 2022. DOI: https://doi.org/10.1016/j.bjid.2021.102268

OPROMOLLA, D.V.A. Terapêutica da hanseníase. Medicina, Ribeirão Preto, 30: 345-350, jul./set. 1997 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v30i3p345-350

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). “Leprosy Elimination Project: status report 2003-04”. Genebra: OMS; 2004.

PEITER, Paulo Cesar. A geografia da saúde na faixa de fronteira continental do Brasil na passagem do milênio. Rio de Janeiro: Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

PLOEMACHER, T., Faber, W. R., Menke, H., Rutten, V., & Pieters, T. Reservoirs and transmission routes of leprosy; A systematic review. PLoS neglected tropical diseases, v. 14, n. 4, p. e0008276, 2020. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0008276

SANTOS, Cecília Dionísio Bernardes Sales Henrique et al. Perfil epidemiológico do Zika vírus no estado de Alagoas e no Nordeste brasileiro durante período pandêmico da Covid-19 Epidemiological profile of Zika virus in Alagoas state and Northeastern region of Brazil during the Covid-19 pandemic period. Brazilian Journal of Development, v. 8, n. 6, p. 45918-45934, 2022. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-216

SANTOS, T., CAMPELO, C., COSTA I., ROCHA S., VELOSO L. Hanseníase: implicações na sexualidade do portador. Hansen Int. 2010; 35(2), p. 27-32. DOI: https://doi.org/10.47878/hi.2010.v35.36222

SOUSA, P. M. L. de; CARTAXO, H. B.; COELHO, C. I. H. M.; GALVÃO, J. G. F; BRITO, S. A. Impactos do perfil epidemiológico da dengue durante a pandemia da C3OVID–19. E-Acadêmica, [S. l.], v. 3, n. 2, p. e3332198, 2022. DOI: 10.52076/eacad-v3i2.198. Disponível em: https://www.eacademica.org/eacademica/article/view/198. Acesso em: 28 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.52076/eacad-v3i2.198

TENCATT ABRITA, Ana Paula Caserta; ABRITA, Mateus Boldrine. Hanseníase: aspectos psicológicos e socioeconômicos. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 9, n. 1, p. 81-92, 2018. DOI: https://doi.org/10.6008/CBPC2179-684X.2018.001.0006

Downloads

Publicado

2024-01-23

Como Citar

Caserta Tencatt-Abrita, A. P., & Boldrine Abrita, M. (2024). LEPROSY IN MATO GROSSO DO SUL: : A SPATIAL, SOCIOECONOMIC AND IMPACT VIEW OF THE COVID-19 PANDEMIC . GEOFRONTER, 10, e8297. https://doi.org/10.61389/geofronter.v10.8297

Edição

Seção

Artigos