ANÁLISE DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CANTAGALO, TRÊS RIOS, RJ - BRASIL

Visualizações: 35

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/geofronter.v10.8317

Palavras-chave:

Planejamento ambiental, Análise multicritério, sustentabilidade, Conservação

Resumo

A apropriação desordenada dos recursos naturais torna necessária a adoção de processos continuados de planejamento e gestão, destinados ao ordenamento da exploração dos territórios, equilibrando conservação ambiental e relações socioeconômicas de forma que nenhum destes aspectos seja negligenciado. Os estudos de fragilidade ambiental são úteis para subsidiar o planejamento e conciliar tais aspectos. O presente trabalho tem por objetivo realizar o mapeamento da fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do córrego Cantagalo como subsídio ao poder público para a elaboração de políticas públicas que promovam o desenvolvimento sustentável em seu território. Informações a respeito dos componentes ambientais da bacia foram sobrepostas em um processo de análise multicritério. Os mapas foram gerados no ArcGis 10.2.1 a partir de cartas topográficas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística na escala de 1:25.000. Áreas com fragilidade ambiental Muito Alta cobrem 32% da área total da bacia. A segunda classe mais abrangente é a de Média fragilidade ambiental, cobrindo 23%, seguida pelas classes Alta (22%), Baixa (20%) e Muito Baixa (3%). O mapeamento da fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do córrego Cantagalo foi eficaz para determinar as áreas mais sujeitas a fenômenos naturais perigosos e degradação ambiental. A predominância de áreas de muito alta fragilidade é reflexo da urbanização desordenada, ocupação irregular de Áreas de Preservação Permanente e redução da cobertura vegetal. Conclui-se que estudos complementares de viabilidade e de adequação ao cenário socioeconômico da bacia podem contribuir na deliberação sobre técnicas e políticas que promovam a sustentabilidade em seu território.

Biografia do Autor

Luan Carlos Octaviano Ferreira Leite, Universidade Federal de Juiz de Fora

Bacharel em Gestão Ambiental pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Mestrando no programa de pós-graduação em Ambiente Construído da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Erika Cortines, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutora em Ciências Ambientais e Florestais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Professora Associada I da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto Três Rios, UFRRJ, lotada no Departamento de Ciências do Meio Ambiente.

Referências

ALMEIDA, C. R. D. O papel do plano diretor na organização espacial das cidades: O caso do município de Três Rios. Dissertação (Mestrado em Ambiente Construído). Juiz de Fora: UFJF, 2012.

ATTANASIO, C. M. Manual técnico: Restauração e Monitoramento da Mata Ciliar e da

Reserva Legal para a Certificação Agrícola – Conservação da biodiversidade na cafeicutura. Piracicaba: IMMAFLORA, 2008. Disponível em: <http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/municipioverdeazul/2011/11/Manual.pdf>. Acesso em: 31 de julho de 2019.

BACANI, V. M.; SAKAMOTO, A. Y.; LUCHIARI, A.; QUÉNOL, H. Sensoriamento Remoto e SIG Aplicados à Avaliação Da Fragilidade Ambiental de Bacia Hidrográfica. Mercator, v. 14, p. 119-135, 2015. DOI: https://doi.org/10.4215/RM2015.1402.0008

BRASIL. Lei Federal n° 12.651 de 12 de março de 2012. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2012/lei-12651-25-maio-2012-613076-normaatualizada-pl.pdf>. Acesso em: 31 de julho de 2019.

CORTINES, E.; MATOS, A. A. S.; PINTO, N. P.; FERRAZ, R. N. F. (2016) Avaliação de leitos fluviais: dados preliminares da sub-bacia do Córrego Cantagalo, Três Rios-RJ. Anais do 5° Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade, p. 596–601. Disponível em: <http://itr.ufrrj.br/sigabi/anais/5osigabi/>. Acesso em: 02 de novembro de 2018.

CORVALÁN, S. B.; GACIA, G. J. Avaliação Ambiental da APA Corumbataí segundo critérios de erodibilidade do solo e cobertura vegetal. Geociências, vol. 30, p. 269–283, 2011.

COSTA, C. W.; PIGA, F. G.; MORAES, M. C. P.; DORICI, M.; SANGUINETTO, E.C.; LOLLO, J. A.; MOSCHINI, L. E.; LORANDI, R.; OLIVEIRA, L. J. Fragilidade ambiental e escassez hídrica em bacias hidrográficas : Manancial do Rio das Araras – Araras, SP. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, vol. 20, p. 946–958, 2015. DOI: https://doi.org/10.21168/rbrh.v20n4.p946-958

CPRM-Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. GeoSGB – Dados, Informações e Produtos do Serviço Geológico Brasileiro. Disponível em: <http://geosgb.cprm.gov.br/>. Acessado em 17 de agosto de 2018.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J. S.; HERNANDEZ, F. P.; FLORENZANO, T. G.; DUARTE, V.; BARBOSA, C. C. F. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico econômico e ao ordenamento territorial. INPE. São José dos Campos, 2001. Disponível em: <http://sap.ccst.inpe.br/artigos/CrepaneEtAl.pdf> . Acesso em: 31 de julho de 2019.

DOBSON, A.; BRADSHAW, A.; BAKER, A. Hopes for the Future: Restoration Ecology and

Conservation Biology. Science, vol. 277 p. 515–52, 1997. DOI: https://doi.org/10.1126/science.277.5325.515

FARIA, D. C. Análise da arborização urbana e da percepção de seus benefícios pela população do município de Três Rios-RJ. Monografia (Bacharel em Gestão Ambiental). Três Rios: UFRRJ, 2014.

EMBRAPA-Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Mapa de Solos do Brasil. Escala de 1:5.000,000. 2001. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/Ambdata/mapa_solos.php> . Acesso em: 17 de agosto de 2018.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. BC25_RJ - Base Cartográfica Vetorial Contínua do Estado do Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: <ftp://geoftp.ibge.gov.br/cartas_e_mapas/bases_cartograficas_continuas/>. Acesso em: 17 de agosto de 2018.

INMET – Instituto Nacional de Meteorologia. Dados em gráficos. Estações Automáticas. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/> . Acesso em: 10 de setembro de 2018.

JACOMINE, P. A. Nova Classificação Brasileira de Solos. Anais da Academia

Pernanbucana de Ciências Agronômicas. Vol. 8-9. p. 161-179, 2009.

KAWAKUBO, F. S.; MORATO, R. G.; CAMPOS, K. C.; LUCHIARI, A.; ROSS, J. L. S. Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando geoprocessamento. Anais do XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Goiânia, 2005. Disponível em: <http://marte.sid.inpe.br/col/ltid.inpe.br/sbsr/2004/11.19.16.10/doc/2203.pdf>. Acesso em: 6 de agosto de 2018.

LEAL, G. C. S. G.; FARIAS, M. S. S.; ARAUJO, A. F. O processo de industrialização e seus

impactos no meio ambiente urbano. Qualitas, vol. 7, p. 1–11, 2008.

LIMA, E. C.; SILVA, E. V. Estudos geossistêmicos aplicados à bacias hidrográficas. Revista Equador, vol. 4, p. 3–20, 2015. DOI: https://doi.org/10.26694/equador.v4i4.4367

LIMA, W. P. Hidrologia florestal aplicada ao manejo de bacias hidrográficas. Departamento de Ciências Florestais Escola Superior de Agricultura “Luiz Queiroz”. Piracicaba: USP, 2008. Disponível em: <https://www.ipef.br/hidrologia/hidrologia.pdf>. Acesso em: 31 de julho de 2019.

LOURENÇO, R. M. Diagnóstico físico-conservacionista como aporte para a análise da degradação no médio curso da bacia hidrográfica do rio Aracatiaçu (CE) – Brasil. Dissertação (Mestrado em Geografia). Fortaleza, CE: UFCE, 2013.

LOURO, C. A. L.; MENEZES, J. O planejamento na gestão ambiental urbana dos municípios brasileiros. Caderno de Estudos Geoambientais, vol. 3, p. 62-75, 2012.

MACIEL, S. A. Análise da relação chuva-vazão na bacia hidrográfica do rio Paranaíba, Brasil. Dissertação (Mestrado em Geografia), Uberlândia: UFU, 2017.

OLIVEIRA, O. J. S. Impacto ambiental decorrente da atividade agropecuária na bacia do

Córrego do Macuco, Capitão Andrade – Minas Gerais. Instituto Federal de

Educação, Ciências e Tecnolofgia de Minas Gerais, 2017. .Disponível em: <http://www3.ifmg.edu.br/site_campi/v/images/arquivos_governador_valadares/TC68C_Ozeias.pdf>. Acesso em: 5 de maio de 2018.

OLIVEIRA, T. J. F. Técnicas para recuperação de mata ciliar do rio Paraíba do Sul, na região Noroeste Fluminense. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal). Campos dos Goytacazes: UENF, 2014.

PAZ, A. R. Hidrologia Aplicada. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. 138 p, 2007. Disponível em: <http://www.ct.ufpb.br/~adrianorpaz/artigos/apostila_HIDROLOGIA_APLICADA_UERGS.pdf> . Acesso em: 17 de outubro de 2018.

PEREIRA, R. V. Análise da fragilidade ambiental a processos erosivos no municipio de Campos Gerais-MG. Dissertação (Mestrado em Geografia), Juiz de Fora: UFJF, 2014.

PIRES, J. S. R.; SANTOS, J. E.; DEL PRETE, M. E. A Utilização do conceito de bacia hidrográfica para a conservação dos recusos naturais. In: SCHIAVETTI, A; CAMARGO, A. F. M.; Editores. Conceitos de bacias hidrográficas: teorias e aplicações. Editus.Ilhéus, BA. 293 p, 2002.

RIENTE, L. A. Efeitos do antrópicos na qualidade da água do Córrego Cantagalo – Três Rios/RJ. Monografia (Bacharel em Gestão Ambiental) Três Rios: UFRRJ, 2017.

ROSS, J. L. S. Análise Empírica Da Fragilidade Dos Ambientes Naturais Antropizados. Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. Vol. 8, p. 63–74, 1994. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47327/51063>. Acesso em 4 de abril de 2018. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.1994.0008.0006

ROSS, J. L. S. Landforms and environmental planning: potentialities and fragilities. Revista do Departamento de Geografia – USP, Vol. Especial 30 Anos p. 38-51, 2012. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2012.0112.0003

SANTOS, J.O.; ROSS, J. L. S. Fragilidade Ambiental Urbana. Revista Da ANPEGE vol. 10, p. 127–144, 2012. DOI: https://doi.org/10.5418/RA2012.0810.0009

SANTOS, R. F. Planejamento Ambiental: Teoria e Prática. São Paulo: Oficinas de Texto. 170 p., 2004.

SANTOS, W. L. O processo de urbanização e impactos ambientais em bacias hidrográficas: o caso do Igarapé Judia-Acre-Brasil. Dissertação (Mestrado em Ecologia) Rio Branco: UFAC, 2005.

SILVA, G. A. B.; DAVID, P. L. D. A utilização do SIG para o planejamento urbano. ANAP Brasil. Vol. 12, p.79–89, 2017. DOI: https://doi.org/10.17271/19843240102120171675

SILVA, L. A. As Áreas de Preservação Permanente (APP´s) dos corpos d água urbanos: um espaço híbrido. 5° Encontro da ANPPAS, 2010. Disponpivel em: <http://www.anppas.org.br/encontro5/cd/artigos/GT12-823-933-20100903192602.pdf> Acesso em: 12 de agosto de 2018.

SILVA, N. Plano Municipal de Saneamento Básico e Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Três Rios- RJ. Vol. 1, 2016 Disponível em: <https://saaetri.com.br/noticia/44:plano-municipal-de-saneamento-basico-eapresentado-aos-trirrienses> . Acesso em: 10 de outubro de 2018 DOI: https://doi.org/10.17271/2318847242520161337

SISTEMA NACIONAL DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL – Consulta Pública. Disponpivel em: <http://www.car.gov.br/publico/imoveis/index> . Acesso em: 05 de novembro de 2018.

SPÖRL, C. Metodologia para elaboração de modelos de fragilidade ambiental utilizando redes neurais. Tese (Doutorado em Geografia). São Paulo: USP, 2007.

SPÖRL, C. Análise da fragilidade ambiental relevo-solo com aplicação de três modelos alternativos nas altas bacias do Rio Jaguari-Mirim, Ribeirão do Quartel e Ribeirão da Prata. Dissertação (Mestrado em Geografía). São Paulo: USP, 2001.

TARGA, M. S.; BATISTA, G. T.; DINIZ, H. N.; DIAS, N. W.; MATOS, F. C. Urbanização e escoamento superficial na bacia hidrográfica do Igarapé Tucunduba, Belém, PA, Brasil. Ambiente & Água, vol. 7, p. 120–142, 2012. DOI: https://doi.org/10.4136/ambi-agua.905

TEIXEIRA, G. M. Serviços ambientais hidrológicos das Áreas de Preservação

Permanente em topo de morros. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais). Seropédica: UFRRJ, 2015.

TUCCI, C. E. M. Águas Urbanas. Estudos Avançados, vol. 22, p. 97–112, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142008000200007

TUCCI, C. E. M. Hidrologia: Ciência e Aplicação. 2° ed. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 943 p. 2001.

USGS – United States Geological Service. Earth Explorer. SRTM. Disponível em:<https://earthexplorer.usgs.gov/>. Acesso em: 15 de junho de 2018.

Downloads

Publicado

2024-02-08

Como Citar

Ferreira Leite, L. C. O., & Cortines, E. (2024). ANÁLISE DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CANTAGALO, TRÊS RIOS, RJ - BRASIL. GEOFRONTER, 10, e8317. https://doi.org/10.61389/geofronter.v10.8317

Edição

Seção

Artigos