GEOTURISMO E GEOCONSERVAÇÃO

uma análise das potencialidades e fragilidades das paisagens cársticas do município de Bonito – MS

Visualizações: 197

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/geofronter.v10.8569

Palavras-chave:

Cavidades naturais, Conservação, Geoturismo, Paisagem

Resumo

A vegetação e hidrografia são essenciais para manter o equilíbrio do ambiente, entretanto, a paisagem vem sendo antropizada, com desafios para a conservação. O presente trabalho tem como objetivo analisar a mudança do uso e cobertura da terra e a atividade de geoturismo no município de Bonito/MS, buscando correlacionar as informações obtidas e apresentar recomendações de geoconservação para área em estudo. Por meio de uma análise sistêmica, a metodologia emprega a elaboração de mapas de uso e cobertura da terra, potencialidade de ocorrência de cavernas e cavernas de atração turística, elaborados no software Qgis. De forma complementar, buscou-se o levantamento de dados das atividades de turismo e geoturismo no município em sites oficiais, com posterior análise e discussão. Os resultados apontam o avanço expressivo de lavouras, com a substituição da vegetação nativa e pastagem para áreas agrícolas e potencialidade da atividade turística, enfatizando a necessidade de proteção geológica, monitoramento ambiental e revisão no sistema legislativo.

Biografia do Autor

Ana Flávia Gomes Fernandes Fontes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestranda em Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus de Aquidauana/MS.

Lucy Ribeiro Ayach, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professora Associada da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus de Aquidauana-MS, atua nos cursos de graduação de Licenciatura e Bacharelado em Geografia e no Programa de Pós-Graduação Mestrado em Geografia do Campus de Aquidauana-MS. 

Ivânia Mineiro de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestranda em Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus de Aquidauana/MS. Graduada em Turismo e Geografia pela mesma instituição.

Referências

ANA. Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico. Base Hidrográfica Ottocodificada Multiescalas 2017 (BHO 2017). Catálogo de Metadados da ANA. Disponível em: https://metadados.snirh.gov.br/geonetwork/srv/por/catalog.search#/metadata/0c698205-6b59-48dc-8b5e-a58a5dfcc989. Acesso em: 11 jun. de 2023.

AB’SABER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BRASIL. Decreto nº 10.935, de 12 de janeiro de 2022. Dispõe sobre a proteção das cavidades naturais subterrâneas existentes no território nacional. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/decreto-n-10.935-de-12-de-janeiro-de-2022-373591582. Acesso em: 28 fev. 2023.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL Folha SF 21 Campo Grande; geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982.

BRASIL. Decreto de 21 de setembro de 2000. Cria o Parque Nacional da Serra da Bodoquena, no Estado de Mato Grosso do Sul, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/dnn/2000/Dnn9037.htm. Acesso em: 11 abr. 2024.

BOGGIANI, Paulo César; COIMBRA, Armando Márcio. Quaternary limestone of the pantanal area, Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 67, n.3, p.343 – 349, 1995.

BOGGIANI, Paulo César; COIMBRA, Armando Márcio; GESICKI, Ana Lúcia Desenzi; et al. Tufas Calcárias da Serra da Bodoquena. In: SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS, D. A.; QUEIROZ, E. T.; WINGE, M.; BERBERT-BORN, M. (Edit.). Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. 1999, p. 249-259.

BOGGIANI, Paulo Cesar; SALLUN FILHO, William; KARMANN, Ivo; GESICKI, Ana Lúcia; PHILADELPHI, Nicoletta Moracchioli; PHILADELPHI, Marcos. Gruta do Lago Azul, Bonito, MS: onde a luz do sol se torna azul. Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil. v. 2. 2009. p. 57-68.

BONITO. Secretaria de Turismo, Indústria e Comércio de Bonito/MS (SECTUR). Disponível em: https://www.turismo.bonito.ms.gov.br/passeios-em-bonito-ms. Acesso em: 09 set. 2023.

CORDEIRO, Lívia Medeiros; BORGHEZAN, Rodrigo; TRAJANO, Eleonora. Subterraneanbiodiversity in the Serra da Bdoquenakarst área, Paraguayriverbasin, Mato Grosso do Sul, Southwest Brazil. Biota Neotropica, v. 14, n. 13, 2014. p.1-28.

CREPANI, Edison; MEDEIROS, José Simeão de; AZEVEDO, Luis Guimarães de; HERNANDEZ FILHO, Pedro; FLORENZANO, Teresa Gallotti; DUARTE, Valdete. Curso de sensoriamento remoto aplicado ao zoneamento ecológico-econômico. São José dos Campos: INPE, 1996.

CRUZ, Rita de Cassia Ariza da. Introdução à Geografia do Turismo. 2ª edição. São Paulo: Roca, 2003.

DIAS, Jailton. A região cárstica de Bonito, MS: uma proposta de zoneamento geoecológico a partir de unidades da paisagem. Ensaios e Ciência, Campo Grande, v. 4, n. 1, p.09-43, abr. 2000.

FORD, Derek; WILLIAMS, Paul. Karst hydrogeology and geomorphology. John Wiley & Sons Ltd, 2 ed. 2007. 579p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Produção Agrícola Municipal (PAM). Rio de Janeiro: IBGE. 2021.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Manejo do Parque Nacional da Serra da Bodoquena. Encarte I. Brasília – DF. 2013.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Parna da Serra da Bodoquena. Disponível em: https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-da-serra-da-bodoquena. Acesso em: 09 set. De 2023.

JANSEN, Débora Campos. Análise ambiental da Área de Proteção Ambiental do Morro da Pedreira e do Parque Nacional da Serra do Cipó para a Proteção do Patrimônio Espeleológico. 2013. 149f. Dissertação (Mestrado em Geografia – Tratamento da Informação Espacial) - PUC Minas. Belo Horizonte, 2013.

JANSEN, Débora Campos; CAVALCANTI, Lindalva Ferreira; LAMBLÉM, Hortência Sousa. Mapa de Potencialidade de Ocorrência de Cavernas no Brasil, na Escala 1:2.500.000. Revista Brasileira de Espeleologia, Brasília: CECAV, v. 2, n.1, p.42-57, 2012.

LEONEL, Waldir; MERCANTE, Mercedes Abid; SABINO, José; SILVA, Mauro Henrique Soares da; MARIANO, Milton Augusto Pasquotto. Relação entre turismo e dinâmica da paisagem em Bonito (MS) na perspectiva do modelo GTP (Geossistema-Território-Paisagem). Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v.10, n.2, p.411-43, mai/jul. 2017.

LOBO, Heros Augusto Santos; MORETTI, Edvaldo Cesar. Sustentabilidade Ecológica do Espeleoturismo na Serra da Bodoquena, Mato Grosso do Sul. Turismo em Análise, v. 20, n.1, p.151-167, abr. 2009.

MAPBIOMAS. MapBiomas General “Handbook”. Algorithm Theoretical Basis Document (ATBD). Collection 7, Version 1.0. 2022. Disponível em: https://mapbiomas.org/. Acesso em: 01 mar. 2023.

MATO GROSSO DO SUL. Decreto nº 10.394, de 11 de junho de 2001. Institui o Monumento Natural da Gruta do Lago Azul. Disponível em: https://www.imasul.ms.gov.br/legislacao-ambiental/. Acesso em: 17 abr. 2023.

MEDEIROS, Rafael Brugnolli. Zoneamento ambiental para o sistema cárstico da bacia hidrográfica do Rio Formoso, Mato Grosso do Sul. 2020. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2020.

MOREIRA, Jasmine Cardozo. Geoturismo: uma abordagem histórico-conceitual. Revista Pesquisas em Turismo e Paisagens Cársticas, Campinas-SP, v. 3, n. 1, p.5-10, 2010.

OTEB. Observatório do Turismo e Eventos de Bonito-MS – OTEB. Anuário Estatístico do Turismo de Bonito-MS, ano base 2022. Disponível em: https://otbonito.com.br/?page_id=268. Acesso em: 03 fev. 2023.

Downloads

Publicado

2024-05-03

Como Citar

Fontes, A. F. G. F., Ayach, L. R., & Souza, I. M. de. (2024). GEOTURISMO E GEOCONSERVAÇÃO : uma análise das potencialidades e fragilidades das paisagens cársticas do município de Bonito – MS. GEOFRONTER, 10, e8569. https://doi.org/10.61389/geofronter.v10.8569

Edição

Seção

Artigos