O [fazer do] Cururu sul-mato-grossense: um recorte sob a perspectiva dos conceitos de tempo e resistência

Autores

  • José Gilberto Garcia Rozisca Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave:

Cururu, Tempo, Resistência

Resumo

Nosso estudo versa sobre a narrativa do cururueiro e a poética do Cururu, que é, por sua origem, uma prática relacionada a valores religiosos, éticos e de companheirismo, ao mesmo tempo em que é vivenciada como uma brincadeira entre seus praticantes. O objetivo é tratar do Cururu discutindo os conceitos de tempo e de resistência na narrativa, reconhecendo que resistir tem a ver com a capacidade de opor-se a um sistema de força contrária, além de ser a capacidade de lutar em defesa de algo, em face do peso dos princípios e dos valores de dada cultura. Utilizamos o método de pesquisa bibliográfica, tomando por base as cantigas de Cururu executadas em Mato Grosso do Sul dispostas em obras como o Dossiê de Registro do Modo de Fazer Viola-de-Cocho, do IPHAN; a dissertação de mestrado de Eunice Ajala Rocha; e a entrevista do mestre cururueiro Agripino Soares Magalhães, para a série audiovisual A História da Nossa Gente do site Diário Corumbaense. O diálogo com referenciais teóricos passou por estudiosos como Alfredo Bosi, Benedito Nunes e Ecléa Bosi. A pesquisa mostrou a pertinência de tratar tanto a narrativa do cururueiro quanto da poética das cantigas sob a perspectiva dos conceitos propostos.

 

Biografia do Autor

José Gilberto Garcia Rozisca, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestrando em Estudos de Linguagens na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

BOSI, Alfredo. Narrativa e Resistência. In: Itinerários, Araraquara: 1996, p. 11-27. Disponível em: <http://piwik.seer.fclar.unesp.br/itinerarios/article/viewFile/2577/2207>. Acesso em: 11 nov. 2015, 22:45.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: lembranças dos velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 3 ed. Rio de Janeiro: Ed. Ediouro, 1972.

DIÁRIO CORUMBAENSE. A História da Nossa Gente – Agripino Magalhães, cururueiro. Reportagem de Lívia Gaertner. Imagens de Ricardo Albertoni e Luiz Fernando. Edição de Lívia Gaertner e Ricardo Albertoni. Corumbá: Diarionline, 2013. Disponível em: <http://diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=59242>. Acesso em: 04 dez. 2015, 00:11:31.

IPHAN. Modo de Fazer Viola-de-Cocho. Brasília, IPHAN: 2009

NUNES, Benedito. O Tempo na Narrativa. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1995.

ROCHA, Eunice Ajala. Uma expressão do folclore mato-grossense: cururu em Corumbá. Dissertação de Mestrado (PG em História da Cultura), PUC-RS. Porto Alegre, 1981.

SOUZA, João Carlos de. O caráter religioso e profano das festas populares: Corumbá, passagem do século XIX para o XX. Revista Brasileira de História, v. 24, nº 48, p. 332-351. São Paulo, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882004000200014>. Acesso em 10 mar. 2015.

Downloads

Publicado

04/04/2017

Como Citar

Rozisca, J. G. G. (2017). O [fazer do] Cururu sul-mato-grossense: um recorte sob a perspectiva dos conceitos de tempo e resistência. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 1(15), 284–300. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1515