Representações da modernidade em A Falência, Cruel Amor e A Isca, de Júlia Lopes De Almeida

Autores

  • Rossana Rossigali Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Palavras-chave:

Modernidade, Júlia Lopes de Almeida, História e Literatura.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo estudar aspectos da modernidade em quatro textos da autora carioca Júlia Lopes de Almeida (1862-1934): os romances A falência (1901) e Cruel amor (1908/1911) e as novelas A isca e O dedo do velho, pertencentes à obra A isca (1923). Tal análise é conduzida na perspectiva do entrecruzamento entre história e literatura, debruçando-se, majoritariamente, sobre a presença do cinema e do automóvel nos aludidos trabalhos, bem como sobre os fatores históricos que ensejaram as reformas urbanas na capital federal brasileira do início do século XX.

 

Biografia do Autor

Rossana Rossigali, Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Mestranda em Letras, Cultura e Regionalidade na Universidade de Caxias do Sul/Bolsista CAPES.

Downloads

Publicado

04/04/2017

Como Citar

Rossigali, R. (2017). Representações da modernidade em A Falência, Cruel Amor e A Isca, de Júlia Lopes De Almeida. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 1(15), 164–188. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1518