A subalternidade feminina em Desmundo

Autores

  • Rodrigo Mazer Etto Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR
  • Valeska Gracioso Carlos Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR

Palavras-chave:

Literatura, feminino, subalternidade.

Resumo

Por permitir uma desestabilização do discurso oficial, o discurso ficcional possibilita que as histórias sejam narradas a partir de um ponto de vista descentralizado, como acontece na obra Desmundo (MIRANDA, 2003), em que ao contrário da história tradicionalmente narrada por cronistas portugueses, a colonização brasileira é contada a partir do olhar de uma mulher, na sociedade do século XVI. Há uma relação intertextual do livro com a história oficial, pois no discurso de Oribela é possível vislumbrar o papel das mulheres em uma sociedade que procurava silenciá-la, tanto no meio social como no familiar, impedindo-a de qualquer movimento em direção à sua liberdade e emancipação.

O objetivo desse trabalho é apresentar uma singela interpretação do livro pela ótica da mulher subalterna e silenciada, em que a relação entre realidade e ficção está baseada em Aristóteles (1984) e Hutcheon (1991); para apresentar o surgimento dos Estudos Culturais recorreu-se à Hall (2003), Bhabha (1998) e Pryston (2003); e para a abordagem do gênero feminino foi utilizado referencial teórico de Sullerot (1988), Beauvoir (2009) e Spivak (2010).  

Biografia do Autor

Rodrigo Mazer Etto, Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Linguagem, Identidade e Subjetividade da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Valeska Gracioso Carlos, Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR

Professora Dra. do Programa de Pós-Graduação em Linguagem, Identidade e Subjetividade da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. In: Coleção “Os Pensadores. Tradução de Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

BEAUVOIR, S. D. O segundo sexo. 2ᵃ ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 2009.

BERND, Z. O maravilhoso como discurso alternativo. In: JATAHI, S., LEENHARDT, J. (Orgs.). Pesavento. Campinas: UNICAMP, 1998.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Tradução de Myrian Ávila, Eliana Lourenço Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BOURDIEU, P. O que falar quer dizer: a economia das trocas simbólicas. Algés: Difel, 1998.

BURKE, P. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In: BURKE, P. A escrita da história: novas perspectivas. (Org.). Tradução de Magda Lopes. São Paulo: UNESP, 1992.

GOMES, C. E. Discurso Poético e Discurso Histórico: uma relação intertextual. In: Cazarin, E. A. Revista Linguagem em (Dis)curso, V. 1, N. 1, jul./dez. 2001.

HALL, S. Quem precisa de identidade. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000, p. 103-133.

________. Estudos Culturais: dois paradigmas. In: HALL, S. Da Diáspora, 2003, p. 131-159.

HUTCHEON, L. Descentralizando o pós-moderno: o ex-cêntrico. Poéticas do pós-modernismo, 1991.

LAURETIS, T. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, B.H. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

MIRANDA, A. Desmundo. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

PRYSTON, A. Estudos Culturais: uma (In) Disciplina? In: Comunicação e Espaço Público. V. 1, 2003.

RAMOS, F. (06 de outubro de 2016). Desmundo (Ana Miranda), o lado das mulheres na colonização do Brasil. Acesso em 04 de dezembro de 2016, disponível em Livro & Café: http://livroecafe.com/2016/10/06/desmundo-ana-miranda/

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? 1. ed. Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

SUÁREZ, M. Gênero: uma palavra para desconstruir ideias e um conceito empírico e analítico. In: Encontro de intercâmbio de experiências do Fundo de Gênero no Brasil. Gênero no mundo do trabalho. Brasília: 2000.

SULEROT, E. Historia y Sociologia del Trabajo femenino. Barcelona: Península, 1988.

Downloads

Publicado

2017-09-05

Como Citar

Etto, R. M., & Carlos, V. G. (2017). A subalternidade feminina em Desmundo. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(16), 201–218. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1538