Um Carandiru – memórias através do rap de cárcere

Autores

  • Carla Cristiane Mello Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

rap, performance, estética da sobrevivência.

Resumo

Este artigo apresenta um recorte sobre a história do famoso Complexo Carcerário do Carandiru entrelaçado com o rap produzido por dois grupos neste espaço, entre os períodos de 1998 a 2002. Os grupos de rap 509-E e Detentos do Rap trazem os temas da superpopulação carcerária, da violência policial e entre detentos, além de memórias do Massacre do Carandiru ocorrido em 1992. Suas poéticas servem como um lenitivo a todos aqueles que já estiveram ou estão privados de liberdade. Suas vozes e performances reproduzem uma estética de sobrevivência através da palavra poética que reverbera as condições degradantes dos presidiários.

Biografia do Autor

Carla Cristiane Mello, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Literatura no Programa de Pós-Graduação em Literatura da Univesridade Federal de Santa Catarina

Downloads

Publicado

2017-09-05

Como Citar

Mello, C. C. (2017). Um Carandiru – memórias através do rap de cárcere. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(16), 161–185. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1547