A oralidade representada: um estudo da peça O Juiz de Paz da Roça, de Martins Pena

Visualizações: 1783

Autores

  • Katiuscia Cristina Santana Universidade de São Paulo

Resumo

RESUMO: Com foco na comédia O Juiz de Paz da roça, de Martins Pena, escrita durante o período romântico da Literatura, objetivamos mostrar a relação entre a representação da linguagem falada e a caracterização das personagens roceiras na peça. A fundamentação teórica constitui-se da Análise da Conversação, da Pragmática e da Sociolinguística Interacional. Partimos da hipótese de que, assim como a ação de modo geral das personagens na peça teatral, a linguagem falada exerce fundamental importância para a caracterização das personagens roceiras. A construção das personagens é possível graças à atenção que o autor atribui à representação da modalidade falada da época somada ao ambiente, em que vários tipos sociais interagem. Assim, as variantes fonéticas e fonológicas entre outros elementos linguísticos caracterizam as personagens na peça teatral, levando em consideração a significação das palavras e as várias relações entre locutores e interlocutores, tais como gênero, idade, grau de formalidade, respeito e intimidade no contexto da obra.

 

PALAVRAS-CHAVE: Martins Pena; Romantismo; teatro; representação da oralidade.

Biografia do Autor

Katiuscia Cristina Santana, Universidade de São Paulo

Mestra em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). Doutoranda em Letras pela FFLCH/USP.

Referências

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Formas de tratamento e estruturas sociais. ALFA. Volume 18/19, p. 339-382, 1972/1973.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994.

COSTA, Amália. (Org.); PENA, Martins. O Juiz de Paz da roça e O Judas no sábado de aleluia. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1951.

DAMASCENO, Darcy. Teatro de Martins Pena: comédias-dramas. Rio de Janeiro: Instituo Nacional do Livro, 1956.

__________. Comédias de Martins Pena. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1971.

FREYRE, Gilberto. Vida social no Brasil em meados do século XIX. São Paulo: Global, (2008).

HELIODORA, Bárbara. Martins Pena, uma introdução. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2000.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, M.S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

KOCH, Peter; OESTERREICHER, Wulf (1985). Sprache der Nähe-Sprache der Distanz.Mündlichkeit und Schriftlichkeit im Spannungsfeld von Sprachtheorie und Sprachgeschichte.In: Romanistisches Jahrbuch, vol.36. Berlin/Nova Iorque: Walter de Gruyter, p.15-43, 1985. Linguagem da imediatez – Linguagem da distância: Oralidade e Escrituralidade entre a teoria da linguagem e a história da língua.Trad. Raoni Caldas e Hudinilson Urbano. Linha D’Água: ensino de língua e literatura em debate. São Paulo: FFLCH/USP, vol.26, p. 153-174, 1º semestre 2013.

MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. São Paulo: Global, 1997.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2004.

NASCENTES, Antenor. O linguajar carioca. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953.

OESTERREICHER, Wulf. Lo hablado en lo escrito. Reflexiones metodológicas y aproximáción a uma tipologia.In: KOTSCHI, Thomas; Oesterreicher, Wulf y ZIMMERANN, Klaus (eds.). El español hablado y la cultura oral en Espana y Hispanoamérica.Madrid: Vervuert, p.317-340, 1996.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva, 2008.

PENA, Luis Carlos Martins. O Juiz de Paz da roça. Rio de Janeiro: Cruz Coutinho, 1871.

___________ Comédias. Rio de Janeiro: Garnier, s.d.

PRADO, Décio de Almeida. História concisa do teatro brasileiro. São Paulo: Edusp, 1999.

ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943.

URBANO, Hudinilson. A frase na boca do povo. São Paulo: Contexto, 2011.

Downloads

Publicado

2017-09-05

Como Citar

SANTANA, Katiuscia Cristina. A oralidade representada: um estudo da peça O Juiz de Paz da Roça, de Martins Pena. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 2, n. 16, p. 10–37, 2017. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1552. Acesso em: 25 abr. 2024.