A maçã envenenada: o paradoxo do sujeito civilizado

Visualizações: 666

Autores

  • Leila Aparecida Cardoso Freitas Lima Universidade Estadual Paulista "Julio Mesquita Filho" - UNESP, campus de São José do Rio Preto.
  • Rosana Cristina Zanelatto Santos UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave:

Letras, Literatura, Teoria Literária

Resumo

Apresenta-se, neste artigo, uma proposta de reflexão acerca da postura do narrador do romance A maçã envenenada de Michel Laub (2013). Objetiva-se, portanto, verificar quais foram os mecanismos psíquicos responsáveis em solidificar o caráter do eu narrado, em sua relação com o outro, até o momento da enunciação. Os métodos empregados restringem-se ao recurso da pesquisa na área da Teoria e Crítica Literária, bem como da psicanálise. Para tanto, partindo da narratologia de Gérard Genette, outros estudiosos como Sigmund Freud, Theodor Adorno, Ronaldo Lima Lins, Georgy Luckacs e Jeanne Marie Gagnebin também serão conduzidos à discussão em momentos oportunos. Mediante essa temática, à luz dos estudos literários, espera-se alcançar a compreensão de que os conceitos de civilização e modernidade parecem paradoxais, visto que os benefícios que trouxeram ao indivíduo, nem sempre foram capazes de atenuar os reflexos destrutivos gerados por uma sociedade racional, porém cada vez mais degradada.

Palavras-chave: Narrador; eu/outro; A maçã envenenada; Michel Laub.

Biografia do Autor

Leila Aparecida Cardoso Freitas Lima, Universidade Estadual Paulista "Julio Mesquita Filho" - UNESP, campus de São José do Rio Preto.

Possuo graduação em Letras na Universidade Estadual de Mato Grosso do SUL - UEMS, campus de Cassilandia, no ano de 2008. Mestrado em Letras na Uneversidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Três Lagoas/ 2016. Atualmente sou aluna regular do curso de Doutorado em Letras da UNESP, campus de São José do Rio Preto. Sou professora do curso de Letras da UEMS/ Cassilandia.

Rosana Cristina Zanelatto Santos, UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professsora dos cursos de graduação e pós-graduação em Letras da UFMS, Câmpus de Campo Grande e de Três Lagoas.

Referências

ADORNO, Theodor W. Posição do Narrador no Romance Contemporâneo. Trad: Jorge de Almeida. In: Notas de Literatura I. São Paulo: Duas Cidades/ Editora 34, 2003, p.55-63. Disponível em: letrasorientais.ffch.usp.br/...Adorno,%20theodor%20Posição%. Acesso em: 14/10/2015.

FREUD, Sigmund. Moisés e o monoteísmo. Trad. José Octávio de Aguiar Abreu. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

______. O mal-estar na civilização. Texto copiado integralmente da edição eletrônica das obras de Freud, versão 2.0 por Tupykurumin. Disponível em Acesso em: 20 abr. 2015.

______. Totem e Tabu e Outros Trabalhos. 1912-1913. Disponível em: www.planonacionaldeleitura.gov.pt/clubedeleituras/.../e.../clle000164.pdf.../ Acesso em: 12/10/2015.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Memória, História, Testemunho. In: ______. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GENETTE, Gérard. O discurso da narrativa. Trad. Fernando Cabral Martins. Lisboa: Arcadia, [s.d.].

LAUB, Michel. A maçã envenenada. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

LINS, Ronaldo Lima. Violência e Literatura. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as

formas da grande épica. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2009.

MARIN, Isabel da Silva Rhan. Violências. São Paulo: Escuta/Fapesp, 2002.

Downloads

Publicado

2018-05-25

Como Citar

FREITAS LIMA, Leila Aparecida Cardoso; SANTOS, Rosana Cristina Zanelatto. A maçã envenenada: o paradoxo do sujeito civilizado. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 1, n. 18, p. 221–239, 2018. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1908. Acesso em: 17 abr. 2024.