O dispositivo do armário gay nos contos "O estivador" e "O segredo de Brokeback mountain": a crise de um ideal hegemônico de masculinidade

Autores

  • Frédéric Grieco Universidade Federal de Goiás

Palavras-chave:

"O estivador", "O segredo de Brokeback mountain", homofobia, dispositivo do armário gay, masculinidade.

Resumo

Os protagonistas dos contos O estivador, do escritor brasileiro Harry Laus (LAUS, 1989), publicado pela primeira vez em 1989, e O segredo de Brokeback mountain, da escritora estadunidense Annie Proulx (PROULX, 2006), publicado originalmente, em inglês, com o título de Brokeback mountain, em 1997, possuem uma identidade masculina cindida/tensionada entre um ideal heterossexista socioculturalmente hegemônico e desejos e comportamentos homoeróticos/homoafetivos/homossexuais. Para driblarem o imperativo heterossexual socialmente vigente, eles dissimulam/ocultam a própria sexualidade desviante, a fim de não sofrerem opressões homófobas. A atitude de velamento dos protagonistas das narrativas sobre a própria homossexualidade pode ser interpretada como um dispositivo, um mecanismo sociocultural de articulação de relações de poder-saber (FOUCAULT, 2016), do armário gay (SEDGWICK, 2007). Assim sendo, este artigo visa a analisar comparativamenteas configurações do dispositivo do armário gay e da tensão entre o homoerotismo masculino e o ideal hegemônico de masculinidade nos contos O estivador (LAUS, 1989) e O segredo de Brokeback mountain (PROULX, 2006). Para isso, este trabalho conta principalmente com contribuições teóricas de Michel Foucault (FOUCAULT, 1996, 2016), João Silvério Trevisan (TREVISAN, 1998), Judith Butler (BUTLER, 2003, 2016), Eve Kosofsky Sedgwick (SEDGWICK, 2007), José Gatti (GATTI, 2011), Tomaz Tadeu da Silva (SILVA, 2012), Stuart Hall (HALL, 2012) e Kathryn Woodward (WOODWARD, 2012).

Biografia do Autor

Frédéric Grieco, Universidade Federal de Goiás

Sou mestre, na área de estudos literários, pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (2016-2018), tendo sido bolsista de mestrado do CNPq. A minha Dissertação de mestrado, intitulada O heteroerotismo em Uma aprendizagem ou O livro dos prazeres de Clarice Lispector: das performatividades de gênero às paródias narrativas, se coaduna com estudos sobre as relações entre Literatura, História e Sociedade, que compõem a Linha de Pesquisa 3 desse Programa de Pós-Graduação. A partir desse viés, estudo e analiso principalmente as representações literárias dos gêneros sexuais e do (hetero/homo)erotismo. Sou graduado em licenciatura de Letras-Português (2011-2014) pela Universidade Federal de Goiás e, atualmente, sou graduando em licenciatura de Filosofia nessa mesma instituição de ensino superior.

Referências

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (organização). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2003.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. 11. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Tradução de Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. 2. ed. São Paulo: Editora Perpectiva, 1999.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

FOUCAULT, Michel. Sobre a história da sexualidade. Tradução de Angela Loureiro de Souza. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização de Roberto Machado. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016. p. 363-406.

GATTI, José. Notas sobre masculinidades. In: PENTEADO, Fernando Marques; GATTI, José (org.). Masculinidades: teoria, crítica e artes. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2011. p. 9-23.

GRUNDMANN, Roy. Retorno a Brokeback mountain. Tradução de José Gatti. In: PENTEADO, Fernando Marques; GATTI, José (org.). Masculinidades: teoria, crítica e artes. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2011. p. 27-40.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 103-133.

JUNKES, Lauro. Ambíguas ressonâncias de Caixa d’aço. In: MUZART, ZahidéLupinacci (org.). Tempo e andanças de Harry Laus. Florianópolis: Editora da UFSC, Fundação PrometheusLibertus, 1993. p. 49-52.

PROULX, Annie. Brokeback Mountain. In: PROULX, Annie. Close range: wyoming stories. New York: Scribner, 2003. p. 253-285.

PROULX, Annie. O segredo de Brokeback Mountain. Tradução de Adalgisa Campos da Silva. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2006.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo. Tradução de Christine Rufino Dabat, Edileusa Oliveira da Rocha, Sonia Corrêa. Recife: S.O.S. corpo, 1993. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/1919>. Acesso em: 20 jan. 2018.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 73-102.

TREVISAN, João Silvério. Seis balas num buraco só: a crise do masculino. Rio de Janeiro: Record, 1998.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 7-72.

Downloads

Publicado

22/10/2018

Como Citar

Grieco, F. (2018). O dispositivo do armário gay nos contos "O estivador" e "O segredo de Brokeback mountain": a crise de um ideal hegemônico de masculinidade. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(19), 267–293. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/2841