Masculinidades em Seis vezes Lucas, de Lygia Bojunga

Autores

  • Rosânia Alves Magalhães UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA/UFU

Palavras-chave:

Gênero, masculinidades, contexto sociocultural

Resumo

Este trabalho reflete sobre Seis vezes Lucas, de Lygia Bojunga tomando por base os estudos sobre gênero. A narrativa apresenta questões relacionadas à traição, o medo e as relações familiares das personagens. Para tanto, recorremos a teorias que definem gênero. Segundo Pierre Bourdieu (2011), a sociedade funciona como uma máquina simbólica que confirma a dominação masculina torna-a dispensável de justificativas diante de posturas machistas. O autor expõe que, a divisão social do trabalho é a responsável pela delimitação entre atividades e espaços que cabe a cada um dos dois sexos. Neste contexto, Lygia Bojunga apresenta formas de representação das masculinidades, como o pai do garoto Lucas que o proíbe de chorar ou sentir medo; ou a mãe do garoto, mulher omissa e submissa às atitudes arbitrarias do pai. Neste trabalho procurou-se compreender a ideia da construção das masculinidades, investigando a relação dos personagens em suas ações, que relevam o papel assumido por ambos os sexos no contexto sociocultural. 

Referências

ARILHA, MARGARETH. UNBEHAUM, Sandra G. MEDRADO, Benedito (Organizadores). Homens e Masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS. Edição 34, 1998. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=76nON3lhdzIC&oi=fnd&pg=PA9&dq=masculinidades&ots=87YFBWPKUG&sig=QMln22te0DBElxJOc2M3TCUkzRc#v=onepage&q=masculinidades&f=false. Acesso: 05/09/17.

BONJUNGA, Lygia. Seis vezes Lucas. 4. Ed. – Rio de Janeiro: Casa Lygia Bojunga, 2014.

BOURDIEU, P. Conferência do prêmio Goffman: a dominação masculina revisitada. In: LINS, Daniel (org.). A dominação masculina revisitada. Campinas: Papirus, 1998. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/219443198/A-dominacao-masculina-revisitada-Pierre-Bourdieu. Acesso: 21/09/17.

BORDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena. 10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

CONNELL, Robert W; James W. Messerschmidt. Masculinidade Hegemônica: Repensando o Conceito. Estudos Feministas, Florianópolis, 21(1): 424, janeiro-abril/2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v21n1/14.pdf. Acesso: 19/09/2017.

GARCIA, Sandra Maria. Conhecer os homens a partir do gênero e para além do gênero. In: ARILHA, MARGARETH. UNBEHAUM, Sandra G. MEDRADO, Benedito (Organizadores). Homens e Masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS. Edição 34, 1998.

GODOY, Arnaldo. Outro Olhar: Revista de Debates. Ano V. Nº6. Belo Horizonte. Novembro de 2007. Disponível em: http://files.cacoifbavca.webnode.com/200000606- 18aaf19a42/kehl_juv%20sintoma.pdf#page=43

GROSSI, Miriam Pillar. Masculinidades - uma revisão teórica, 2004. Disponível em: http://minhateca.com.br/LynnaGabriella/Documentos/Geral_Estudos+de+G*c3*aanero/GROSSI*2c+Miriam+Pillar.+Masculinidades+-+uma+revis*c3*a3o+te*c3*b3rica,217594326.pdf. Acesso: 05/09/17.

SANDRONI, Laura. De Lobato a Bojunga: as reinações renovadas. Rio de Janeiro: Agir, 1987.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995.

SILVA, José Remon Tavares da. Masculinidade e violência: formação da identidade masculina e compreensão da violência praticada pelo homem. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife – PE. Perspectivas Feministas de Gênero: Desafios no Campo da Militância e das Práticas. 18º REDOR. Novembro 2014.

OLIVEIRA, Pedro Paulo de. A construção Social da Masculinidade. Editora UFMG: Belo Horizonte; IUPERJ: Rio de Janeiro, 2004.

Downloads

Publicado

2019-02-15

Como Citar

Magalhães, R. A. (2019). Masculinidades em Seis vezes Lucas, de Lygia Bojunga. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 3(20), 335–356. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3023