A escre(vivência) presente em Maria Firmina dos Reis e Conceição Evaristo: Uma análise dos contos “A escrava” e “Maria”.

Michelly Cristina Alves Lopes, Nelson Martinelli Filho

Resumo


A representação da personagem feminina negra na literatura brasileira possui diferentes abordagens no decorrer da história literária, principalmente quando comparamos a forma como os escritores homens, tanto brancos quanto negros, as apresentam com a representação das escritoras negras, a chamada escre(vivência) por Conceição Evaristo. Dessa forma, faz-se importante pesquisar e discutir a trajetória da mulher negra, tanto como personagem como também escritora, pois a literatura, até certo ponto, acaba sendo uma representação da vida social da comunidade em que está inserida. Por consequência disso, é de extrema importância entender como as personagens eram e são representadas e quais os caminhos percorridos por esse grupo levando em consideração os estudos pós-coloniais. O texto é dividido em duas partes: a primeira consiste em desvelar não só a forma como a personagem feminina negra é representada por escritores, mas também a importância da escritora negra na literatura brasileira; a segunda pretende analisar os contos “A escrava”, de Maria Firmina dos Reis, e “Maria”, de Conceição Evaristo, dando ênfase à maternidade e à violência sofrida pelas personagens negras. Os resultados dessa discussão serão relevantes para futuros estudos que pretendam tratar desse tema.

Palavras-chave


Literatura afro-brasileira; Pós-colonial; Protagonismo feminino negro; Escrita feminina.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. Porto Alegre: L&PM, 2015.

BRUGGER, Maria Teresa Caballero (Org.). O estudo da cultura e da presença negra no Brasil. Cadernos de estudos e pesquisa. Brasília: CETEB - Centro de Ensino Tecnológico de Brasília, 2011.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. 8.ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, p. 13-71, julho-dezembro de 2005.

EVARISTO, Conceição. Ana Davenga. In: QUILOMBHOJE (Org.). Cadernos negros: os melhores contos. São Paulo: Quilombhoje, p. 31-41, 1998.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2016.

EVARISTO, Conceição. Da representação a auto-representação da mulher negra da mulher negra na literatura brasileira. Revista Palmares: Cultura Afro-brasileira, ano I,n. 1, agosto 2005.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 17-31, 2º sem. 2009. Disponívelem:. Acesso em: 29 Jul. 2018.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. BRASIL. Ministério da Educação (Org.). Educação anti-racista: caminhos abertos pela lei Federal nº 10.639/03. Brasília: SECAD, 2005 Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2018.

GUIMARÃES, Bernardo. A Escrava Isaura. 5. ed. São Paulo: Editora, Melhoramentos, 1963.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LOBATO, Monteiro. Reinações de Narizinho. 48. ed. São Paulo: Brasiliense, 2005.

MATA, Inocência. Estudos pós-coloniais: Desconstruindo genealogias eurocêntricas. Civitas, Porto Alegre, v. 14, n. 1, p. 27-42, jan.-abr. 2014.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adelia M.Pós-colonialismo. In: MARTINS, Carlos Benedito & SELL, Carlos Eduardo (Org.). Teoria sociológica contemporânea: Autores e perspectivas. São Paulo: Annablume, 2017. p. 449-474.

NASCIMENTO, Denise Aparecida. Espaço e heterotopias nas obras de Conceição Evaristo e Geni Guimarães. Tese de doutorado – Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Letras. Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários, 2014.

MONCORVO, Maria Cecília Ribeiro. Família brasileira: do patriarcalismo colonial ao crescente poder feminino na contemporaneidade. In: ______.Criando os filhos sozinha:a perspectiva feminina da família monoparental. 2008. p. 13-24. 102 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2008.

PEREIRA, Rodrigo da Rosa. A periferia em Conceição Evaristo e Esmeralda Ribeiro: questões de gênero, raça e classe. Revista estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 49, p. 33-50, set./dez. 2016.

REIS, Maria Firmina dos. Úrsula; A Escrava. Florianópolis: Ed. Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas, 2004.

RIBEIRO, Djalma. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

RISÉRIO, Antônio. A utopia brasileira e os movimentos negros. São Paulo: Editora 34, 2007.

SOUZA, Claudenir de. Mulheres negras contam sua história. Brasília: Presidência da República, Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte Editora UFMG, 2010.




Direitos autorais 2019 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456