A construção do espaço em As coisas que perdemos no fogo: narrativa, medo e ficção

Autores

  • Gabriela Chiva de Sá e Santos Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Espaço, narrativa, ficcionalidade, As coisas que perdemos no fogo.

Resumo

A fim de compreender a construção ficcional do espaço e a função do imaginário nas narrativas femininas latino-americanas, o artigo busca analisar a narrativa de As coisas que perdemos no fogo (2016), coletânea de contos da escritora argentina Mariana Enriquez. Para tal, investiga-se como o espaço é descrito e apresentado nos contos, de acordo com as definições de “espaço” e “lugar” elaboradas por Tuan (1987) e alguns conceitos de ficcionalidade. Desta forma, o espaço é estudado desde a casa até o seu entorno, organizado em três instâncias: micro, meso e macro. Ainda, ele é analisado sob a perspectiva da experiência e das vozes narrativas, além de como a retórica utilizada irá conduzir a leitura.

Referências

CENTENERA, Mar. Crise econômica na Argentina faz pobreza atingir 27,3% da população. O Globo, setembro 2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/mundo/crise-economica-na-argentina-faz-pobreza-atingir-273-da-populacao-23109724. Acessado em 08/11/2018.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE (CEPAL); ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Indicadores de feminicídio da América Latina, Caribe e Espanha. Disponível em: https://oig.cepal.org/pt/indicadores/femicidio-ou-feminicidio. Acessado em 10/11/2018.

DESDE la muerte de Wanda Taddei, hubo 132 mujeres quemadas. El Tribuno, fevereiro 2013. Disponível em: https://www.eltribuno.com/salta/nota/2013-2-16-1-4-0-desde-la-muerte-de-wanda-taddei-hubo-132-mujeres-quemadas. Acessado em 10/11/2018.

ENRIQUEZ, Mariana. As coisas que perdemos no fogo. Trad. José Geraldo Couto. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2017.

FRIEDMAN, Norman. O ponto de vista na ficção: o desenvolvimento de um conceito crítico. Trad. Fábio Fonseca de Melo. Revista USP, São Paulo, n. 53, p. 175-7, março/maio 2002.

KING, Stephen. Dança macabra: o terror no cinema e na literatura dissecado pelo mestre do gênero [eBook]. Trad. Louisa Ibañez. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012. Paginação irregular.

LIMA, Luiz Costa. A aguarrás do tempo. Rio de Janeiro: Rocco, 1989. p. 102.

MENDILOW, A. A. O tempo e o romance. Trad. Flávio Wolf. Porto Alegre: Globo, 1972. p. 56-7.

MINISTERIO PÚBLICO FISCAL (Buenos Aires). Noveno informe de conflictividad. Disponível em: https://www.fiscalias.gob.ar/wp-content/uploads/2017/10/NovenoInformeConflictividadR.pdf. Acessado em: 07/11/2018.

PARDO, Carlos. Mucho más que terror. El País, março 2016. Disponível: https://elpais.com/cultura/2016/03/07/babelia/1457366111_091327.html. Acessado em 02/11/2018.

RODRIGUES, Susana Cristina Caleiro. O fogo como centro e símbolo da casa. arq.urb, n. 15, 2016. Disponível em: https://www.usjt.br/arq.urb/numero-15/1-susana-rodrigues.pdf. Acessado em 15/11/2018.

SANCHEZ, Mariana. O terror para refletir a cidade e o presente: Mariana Enriquez e os fantasmas do horror pelas esquinas de Buenos Aires. Pernambuco, n. 139, p. 4-7, setembro 2017. Disponível: http://www.suplementopernambuco.com.br/images/pdf/PE_139_web.pdf?fbclid=IwAR3ic5ugQVnwykaoLgtMzH6ednx2p2CH6jDeb4i2hnE6pNlOxDHWixFMyr4. Acessado em 02/11/2018.

TUAN, Yu-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Trad. Lívia de Oliveira. São Paulo: DIFEL, 1983.

Downloads

Publicado

2019-02-15

Como Citar

Chiva de Sá e Santos, G. (2019). A construção do espaço em As coisas que perdemos no fogo: narrativa, medo e ficção. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 3(20), 196–220. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3166