Humberto de Campos e a tradução de ideias francesas na coluna “Vida literária”, do Correio da Manhã

Daniel Castello Branco Ciarlini

Resumo


: Analisam-se aqui o ponto de vista crítico de Humberto de Campos como parte da história do contato de autores brasileiros com a literatura mundial e a repercussão dessas leituras em seus julgamentos – uma “tomada de consciência” acerca das letras brasileiras. Como objeto de análise, trabalha-se o conjunto dos dez primeiros textos de “Vida literária”, coluna assinada pelo autor no jornal Correio da Manhã, do Rio de Janeiro, entre os dias 30 de agosto e 25 de outubro de 1928, em que se depreende a importância da tradução de ideias francesas em seus discursos, contribuição esta para a formação do gosto e da estética no Brasil daquele ano. Dialogam com o objeto as bases teóricas dos seguintes autores: Candido, Casanova, Even-Zohar, Fischer, Moretti, Mukarovsky e Schwartz, que de alguma maneira discutem a formação de uma literatura universal a partir da inter-relação das literaturas nacionais, e cujo enfoque é a atuação do crítico e das traduções (o tradutor) como agentes de câmbio no mercado dos bens literários, segundo tese de Paul Valéry.


Palavras-chave


Literatura Mundial; Humberto de Campos; Tradução; França.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. Campo do poder, campo intelectual e habitus de classe. In: BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. Vários tradutores. São Paulo: Perspectiva, 2009, p. 183-202.

BRAUDEL, Fernand. História e ciências sociais: a longa duração. In: NOVAIS, Fernando; SILVA, Rogério F. da (Orgs.). Nova história em perspectiva. São Paulo: Cosacnaify, 2011, p. 86-121.

CAMPOS, Humberto de. Vida literária. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 30 ago. 1928a, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. Coelho Neto: Contos da vida e da morte. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 6 set. 1928b, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. Rui Barbosa: Coletânea literária. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 13 set. 1928c, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. Viriato Correia: Histórias ásperas; Novelas doidas. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 20 set. 1928d, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. Afonso Costa: galicismos e não galicismos. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 27 set. 1928e, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. Menotti del Picchia: República dos Estados Unidos do Brasil. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 4 out. 1928f, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. Catulo Cearense: Alma do sertão. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 11 out. 1928g, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. Martins de Oliveira: Pátria morena. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 18 out. 1928h, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. José Américo de Almeida: A bagaceira. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 25 out. 1928i, p. 2.

CAMPOS, Humberto de. Diário secreto. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, v. 1, 1954.

CANDIDO, Antonio. Literatura e subdesenvolvimento. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela noite. São Paulo: Ática, 1987, p. 140-162.

CASANOVA, Pasquale. A república mundial das letras. Tradução de Marina Appenzeller. São Paulo: Estação Liberdade, 2002 [1999].

EVEN-ZOHAR, Itamar. Teoría de los polisistemas. Tradução do inglês: Ricardo Bermudez Otero. Poetics today, v. 11-1, p. 9-26, 1990 [1979].

FISCHER, Luís Augusto. Das ideias fora do lugar ao perspectivismo ameríndio: um modelo para uma nova história da literatura brasileira. Paris: Sorbonne Nouvelle-Paris 3, s/d (texto inédito).

GAY, Peter. Modernismo: o fascínio da heresia: de Baudelaire a Beckett e mais um pouco. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MORETTI, Franco. Conjecturas sobre a literatura mundial. Tradução do inglês José Marcos Macedo. In: SADER, Emir (Org.). Contracorrente: o melhor da New Left Review em 2000. Rio de Janeiro: Record, 2001, p. 173-181.

MUKAROVSKY, Jan. Obrigações da ciência literária em relação à literatura mundial contemporânea. In: TOLEDO, Dionísio (Org.). Círculo linguístico de Praga: Estruturalismo e semiologia. Tradução de Zênia de Faria et al. Porto Alegre: Editora Globo, 1978, p. 310-314.

SCHWARTZ, Roberto. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades, 1977.




Direitos autorais 2019 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456