Junius Villeneuve e a circulação de estratégias de edição francesas no Brasil do século XIX: romances-folhetim e o Museo Universal

Odair Dutra Santana Júnior

Resumo


Durante parte do século XIX, notadamente na década de 1840, Junius Villeneuve se estabeleceu como o maior impressor do Rio de Janeiro, além de estar à frente do mais importante jornal diário do período, o Jornal do Commercio. Seja pelos prelos de sua tipografia, seja nas páginas de seu jornal, o editor e empresário contribuiu para a circulação de ideias, modos de publicação, autores e textos franceses. Este artigo explora a atividade de impressão e publicação realizada por Villeneuve à frente da tipografia do Jornal do Commercio, tendo esse agente utilizado estratégias de edição próprias à imprensa francesa. Uma delas era o aproveitamento máximo das publicações literárias, sendo o romance-folhetim (que alimentava o rodapé dos jornais) reimpresso em livro; outra era a criação de um periódico semanal, a ser recolhido em anuário, o Museo Universal, ambiciosa revista ilustrada de variedades que circulou por sete anos. Por meio desses exemplos, destacaremos a atuação desse francês à frente da mais importante oficina de impressão da corte (a tipografia do Jornal do Commercio), tendo essa produção brasileira participado da centralidade que a França exercia no século XIX na República Mundial das Letras.

Palavras-chave


Junius Villeneuve; romance-folhetim; Museo Universal; circulação de modos de publicação; edição

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Márcia. Os caminhos dos livros. Campinas, SP: Mercado de Letras, Associação de Leitura no Brasil (ALB); São Paulo: Fapesp, 2003.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. 6 ed. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1981 [1959]. 2 vols.

CASANOVA, Pascale. A República Mundial das Letras. Tradução de Marina Appenzeller. São Paulo: Estação Liberdade, 2002 [1999].

COSTA, Carlos Roberto da. A Revista no Brasil, o século XIX. 2007. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2007.

FERREIRA, Orlando da Costa. Imagem e letra. Introdução à bibliografia brasileira. A imagem gravada. São Paulo: EDUSP, 1994.

GRANJA, Lúcia; SANTANA JR., Odair Dutra. Aquém e além-mar: agentes, textos e estratégias na publicação de romances-folhetim do Jornal do Commercio (1827-1863). Revista Interfaces, Rio de Janeiro, v. 1, n. 28, jan./jun. 2018, p. 31-46.

HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil. Trad. Maria da Penha Villalobos; Lolio Lourenço de Oliveira. 2ª ed. revista e ampliada. São Paulo: T. A. Queiroz; EDUSP, 2005 [1985].

HEINEBERG, Ilana. La suite au prochain numéro: formation du roman-feuilleton brésilien à partir des quotidiens Jornal do Commercio, Diário do Rio de Janeiro et Correio mercantil (1839-1870). 2 v. 2004. Tese (Doutorado) - Université de la Sorbonne Nouvelle.

MEYER, Marlyse. Folhetim: Uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MOLINA, Matías. História dos jornais no Brasil: Da era colonial à Regência (1500-1840). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SANDRONI, Cícero. 180 anos do Jornal do Commercio 1827-2007: de D. Pedro I a Luiz Inácio Lula da Silva. Rio de Janeiro: Quorum Editora Ltda., 2007.

SANTANA JR., Odair Dutra. Bastidores da literatura nas horas ociosas da tipografia do Jornal do Commercio (1827-1865). 2017. Dissertação (Mestrado em Letras) – UNESP, São José do Rio Preto.

SILVA, Hebe Cristina da. Prelúdio do romance brasileiro: Teixeira e Sousa e as primeiras narrativas ficcionais. 2009. 2v. Tese (Doutorado em Teoria e História Literária) – UNICAMP, Campinas.

WITKOWSKI, Claude. Le supplément littéraire détachable. Revue de la Bibliothèque Nationale, n° 9, sept. 1983, 3e année, p. 3-10.




Direitos autorais 2019 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456