Amor leve: sobre a necessidade de vínculos humanos

Autores

Palavras-chave:

Amor, Relacionamento, Relações afetivas, Solidão

Resumo

O título deste artigo faz alusão ao livro Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos, do sociólogo polonês Zygmunt Bauman (1925-2017). Nesta obra, Bauman faz análises sobre as fragilidades de vínculos nas relações sociais, discorrendo também sobre as influências das redes sociais e as instabilidades nas relações amorosas. É a partir deste último aspecto que este artigo objetiva refletir as certezas e incertezas existentes nas relações afetivas, considerando duas importantes questões: o amor e a solidão. Visa também analisar demais peculiaridades que constituem os relacionamentos. Por isso, o uso da arte, em especial, composições e poesias, se torna, aqui, elemento sublime e importante para se compreender a complexidade subjetiva das relações em nossa atual “modernidade líquida”. Percebe-se que a liquidez das relações tem clamado por um outro modo de amar, de se envolver, de se viver. Isto é, por meio do Amor Leve.

 

Biografia do Autor

Daniel Péricles Arruda, PUC-SP

Pós-doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; formando em psicanálise pelo Instituto Langage; Doutor em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Mestre em Serviço Social pela mesma instituição como bolsista do Ford Foundation International Fellowships Program (2010-2012) e possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2008).

Pesquisador vinculado ao vinculado ao Núcleo de Pesquisas em Lógicas Institucionais e Coletivas (Nuplic), do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, da PUC-SP.

É membro do conselho editorial da International Journal of Quality in Health Care (IJQH).

É supervisor institucional e docente em cursos de graduação em Serviço Social.

Referências

ARRUDA, Daniel Péricles (Vulgo Elemento). Constelação de Ideias. São Paulo: Scortecci, 2011.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos vínculos humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

DJAVAN. (1976). Flor de Lis. CD A voz, o violão, a música de Djavan. Som livre. Rio de Janeiro, RJ: 1976.

DJAVAN. (1989). Oceano. CD Djavan. CBS. Rio de Janeiro, RJ: 1989.

GIL. Gilberto. (1982). Drão. CD Um banda um. Warner Music. Rio de Janeiro, RJ: 1982.

JUNQUEIRA, Cássio. Só a pessoa sabe o que tem por dentro. São Paulo: Edicon, 2007.

MARX, Karl. Manuscritos econômicos-filosóficos. In: Os Pensadores. São Paulo, Abril Cultural, 1978.

MORIN, Edgar. Amor, Poesia, Sabedoria. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 2010.

RILKE, Rainer Maria. Cartas a um jovem poeta. Porto Alegre: L&PM, 2009.

TATIT, Isabel e ROSA, Miriam Debieux. Pra não dizer que Freud e Lacan não falaram da solidão. Rev. Psicol. Saúde [online]. 2013, vol.5, n.2, pp. 136-146. ISSN 2177-093X. In http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpsaude/v5n2/v5n2a09.pdf

SANT’ANNA, Afonso Romano. Separação. In: STRAUSZ, Rosa Amanda. Três homens falam de amor. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

MORAES, Vinícius de. Livro de Sonetos. 14. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1983.

Downloads

Publicado

17/01/2020

Como Citar

Arruda, D. P. (2020). Amor leve: sobre a necessidade de vínculos humanos. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(22/2), 90–106. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3376

Edição

Seção

Tema Livre