Rabelais e a imaginação licenciosa no Brasil oitocentista

Leonardo Mendes, Aline Moreira

Resumo


A partir de 1870, com a expansão do mercado editorial e o aumento da oferta de livros no Brasil, um grupo de escritores luso-brasileiros se aventurou na escrita de literatura licenciosa, com muito sucesso. Eles tomavam a obra do escritor renascentista francês François Rabelais como ponto de partida para escrever literatura picante para o novo mercado. Os escritores apoiavam-se numa tradição erudita e valorizada nos circuitos de maior prestígio social, o que facilitava sua aceitação e circulação. Em Portugal, Alfredo Gallis ganhou fama escrevendo contos licenciosos com o pseudônimo de Rabelais. No Brasil, um grupo de escritores, entre os quais se destacavam Olavo Bilac e Coelho Neto, publicaram em periódicos escritos rabelaisianos que foram reeditados em formato de livro entre 1897 e 1905. Esses livros foram esquecidos porque escapavam a definições nacionalistas de subjetividade e pertenciam a um local transnacional: a França como capital da cultura letrada no século XIX. 


Palavras-chave


François Rabelais; Século XIX; Literatura pornográfica.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Márcia. Sob o olhar de Priapo: narrativas e imagens em romances licenciosos setecentistas. In: RAMOS, Alcides; PATRIOTA, Rosângela; PESAVENTO, Sandra (Orgs.). Imagens na história. São Paulo: Hucitec, 2008, p. 344-373.

ALEXANDRIAN. História da literatura erótica. Tradução de Ana Maria Scherer e José Laurêncio de Mello. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

AZEVEDO, Natanael Duarte de. Pelo buraco da fechadura: autores e obras da literatura pornográfica luso-brasileiros (1890-1912). Soletras, São Gonçalo, n. 34, 2017, p. 354-377.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1987.

BAROLINI, Teodolinda. The Wheel of the Decameron. Romance Philology, v. 36, n. 4, 1983, p. 521-538.

BOB [pseud. Olavo Bilac]. Contos para velhos. Rio de Janeiro: Casa Mont’Alverne, 1897.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Cia das Letras, 1996.

CALIBAN [pseud. Coelho Neto]. Álbum de Caliban. Rio de Janeiro: Laemmert, 1897.

CARERI, Giovanni. Bernini: flights of love, the art of devotion. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

CASANOVA, Pascale. A república mundial das Letras. Tradução de Marina Appenzeller. São Paulo: Estação Liberdade, 2002 [1999].

DUARTE, Aline Moreira. Alfredo Gallis, o pornógrafo esquecido. Graphos, João Pessoa, v. 19, n. 2, dez. 2017, p. 7-20.

EL FAR, Alessandra. Páginas de sensação: literatura popular e pornográfica no Rio de Janeiro (1870-1924). São Paulo: Cia. das Letras, 2004.

FRANTZ, David O. Festum Voluptatis: a study of Renaissance erotica. Columbus: Ohio State University, 1989.

GOULEMOT, Jean-Marie. Esses livros que se leem com uma só mão. Leitura e leitores de livros pornográficos no século XVIII. Tradução de Maria Aparecida Corrêa. São Paulo: Discurso Editorial, 2000.

HUNT, Lynn. Obscenidade e as origens da modernidade, 1500-1800. In: ___ (Org.). A invenção da pornografia: obscenidade e as origens da modernidade. São Paulo: Hedra, 1999, p. 9-46.

KEARNY, Patrick. A history of erotic literature. Hong Kong: Paragon, 1982.

KENDRICK, Walter. The secret museum: pornography in modern culture. New York: Viking, 1987.

LADENSON, Elisabeth. Literature and sex. In: LYONS, John D. (Ed.). The Cambridge Companion to French Literature. Cambridge: Cambridge University Press, 2016, p. 222-240.

MARCUS, Stephen. The Other Victorians: A Study of Sexuality and Pornography in Mid-Nineteenth-Century England. Nova York: Routledge, 2008.

MENDES, Leonardo. Livros para homens: sucessos pornográficos no Brasil no final do século XIX. Cadernos do IL, Porto Alegre, n. 53, 2016, p. 173-191.

MENDES, Leonardo. Álbum de Caliban: Coelho Neto e a literatura pornográfica na Primeira República. O eixo e a roda, Belo Horizonte, v. 26, n. 3, 2017, p. 205-228.

MENDES, Leonardo. Zola as pornographic point of reference in late nineteenth-century Brazil. Excavatio, Alberta (Canada), n. XXX, 2018, s.p.

MORAES, Eliane Robert. Francesas nos trópicos: a prostituta como tópica literária. Teresa – Revista de Literatura Brasileira, n. 15, 2014, p. 165-178.

PEAKMAN, Julie. Mighty lewd books: the development of pornography in eighteenth-century England. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2003.

PIERROT [pseud. Pedro Rabelo]. Casos alegres: histórias para sorumbáticos. Rio de Janeiro: Laemmert, 1905.

RABELAIS [pseud. Alfredo Gallis]. Volúpias: 14 contos galantes. São Paulo: Livraria Teixeira, 1893.

RABELAIS [pseud. Alfredo Gallis]. Aventuras galantes. Lisboa: Edições Tinta da China, 2011.

RABELAIS, François. Gargantua. Tradução de Aristides Lobo. Rio de Janeiro: Edições de ouro, 1966.

SANTANA, Maria Helena. Pornografia no fim do século: os romances de Alfredo Gallis. Portuguese Literary and Cultural Studies, n. 12, 2004, p. 235-248.

SIGEL, Lisa. Issues and Problems in the History of Pornography. In: ___ (ed.). International exposure: perspectives on modern European pornography, 1800-2000. New Brunswick: Rutgers University Press, 2005, p. 1-26.

SIMÕES JR, Álvaro. A sátira no parnaso: estudo da poesia satírica de Olavo Bilac em periódicos de 1894 a 1904. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

THÉRENTY, Marie-Ève. La littérature au quotidien: poétiques journalistiques au XIXe siècle. Paris: Seuil, 2007.

TROUSSON, Raymond. Romance e libertinagem no século XVIII na França. In: NOVAES, Adauto (ed.). Libertinos libertários. São Paulo: Cia das Letras, 1996, p. 163-183.

VENTURA, Antônio. “Rabelais”, isto é, Alfredo Gallis, o pornógrafo. In: GALLIS, Alfredo. Aventuras galantes. Lisboa: Edições Tinta da China, 2011, p. 167-174.




Direitos autorais 2019 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456