Culinária, erotismo e literatura na obra de Jorge Amado

Autores

Palavras-chave:

literatura, culinária, erotismo, Jorge amado.

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar as passagens culinárias, especialmente os fragmentos textuais nos quais a comida e o sentido erótico aparecem nas obras Dona Flor e seus dois maridos (1995) e Gabriela, cravo e canela (1978), de Jorge Amado. A metodologia está baseada nos estudos da intertextualidade e do dialogismo, nos quais os temas da culinária e os sentidos carnais podem estar conciliados. Também são utilizadas as considerações textuais levantadas por Barthes (1987) e Bataille (2014). A partir desses pressupostos, a pesquisa utilizou conceitos que auxiliaram na associação da teoria e dos resultados esperados. Os resultados encontrados foram que as passagens das obras, nas quais a comida e o sentido libidinoso aparecem, foram construídas com enorme intencionalidade autoral, pois esses dois fatores acabaram demonstrando resultados que, dentro das obras, sugerem alimentos de propriedades afrodisíacas. Portanto, o estudo em questão apresentou a relação da literatura, da culinária e dos sentidos e interpretações que esses temas podem produzir.

Biografia do Autor

Ricardo André Ferreira Martins, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), campus de Jacarezinho.

Professor Doutor em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor Adjunto do Colegiado de Letras da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Campus de Jacarezinho.

Luciana Brito, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), campus de Jacarezinho.

Professora Doutora Associada do Colegiado de Letras do Centro de Letras, Comunicação e Artes, Campus de Jacarezinho – Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP).

Pedro Palma de Souza, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), campus de Jacarezinho.

Graduado em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Campus de Jacarezinho.

Referências

ADERALDO, M. S. Velhas receitas da cozinha nordestina. 2. ed. Fortaleza: Edições UFC, 1981.

ALLENDE, I. Afrodite – Contos, receitas e outros afrodisíacos. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil. 2002.

AMADO, J. Dona Flor e seus dois maridos. Rio de Janeiro: Record/Altaya, 1995.

AMADO, J. Gabriela, cravo e canela. Rio de Janeiro: Record; Livraria Martins Editora, 1975.

AMADO, P. A comida baiana de Jorge Amado. São Paulo: Panelinha, 2014.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. São Paulo: Editora Perspectiva, 1987.

BATAILLE, G. O erotismo. São Paulo: Autêntica, 2014.

BONA, F. D. Comer e ser comida: corpo, gastronomia e erotismo. In: Revista Interfaces (UFRJ). Número 19, Vol. 2, jul./dez. 2013, p. 189-198. Disponível em: https://www.cla.ufrj.br/images/docs/interfaces/split/19/11.%20comer%20e%20ser%20comida.pdf. Acesso em 29 de junho de 2019.

CARNEIRO, H. Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

CARVALHAL, T. F. Literatura Comparada. São Paulo: Editora Ática, 1986.

CORRÊA, Myrna Freitas. Dicionário de gastronomia. São Paulo: Matrix, 2018.

DIMAS, Antonio. Um manifesto guloso. In: FREYRE, Gilberto. Manifesto regionalista. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Editora Massangana, 1996, p. 23-44.

DÓRIA, C. A. A formação da culinária brasileira. São Paulo: Publifolha, 2009.

FIGUEIREDO, E. Prazeres da mesa, prazeres do corpo. In: CUNHA, Betina R. R. da; REIS, Carlos. Amado Jorge: um retrato de muitas faces. Rio de Janeiro: Bonecker, 2018, p. 61-68.

FREYRE, G. Manifesto regionalista. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Editora Massangana, 1996.

GOLDSTEIN, S. N. [org.]. Vários Autores. Caderno de Leituras. A literatura de Jorge Amado. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss de língua portuguesa. 1. ed. São Paulo: Objetiva, 2009.

JUNQUEIRA, L. C. U; CARNEIRO, J. Histologia básica. 11a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Mitológicas I - O cru e o cozido. Rio de Janeiro: Cosac e Naify, 2004.

MARTINO, A. Português esquematizado – Gramática, interpretação de texto, redação oficial, redação discursiva. São Paulo: Saraiva, 2014.

MARTINS, S. T. A. Culinária sul-baiana: mulher e diversidade cultural. In: Revista Urutágua (Online), v. 13, ago/set/out/nov, 2007. Disponível em: http://www.urutagua.uem.br/013/13santana.htm. Acesso em 29 de junho de 2019.

OVÍDIO. A arte de amar. Porto Alegre: L&PM, 2001.

PINHEIRO-MARIZ, J.; OLIVEIRA, M. A. A gastronomia na literatura: lugar de memória, sedução e poder. In: Todas as Musas: Revista de Literatura e das Múltiplas Linguagens da Arte (Online), v. 02, 2012, pp. 39-55. Disponível em: https://www.todasasmusas.com.br/07Josilene_Maria.pdf. Acesso em 29 de junho de 2019.

QUEIROZ, M. J. A comida e cozinha, ou, Iniciação à arte de comer. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1988.

QUEIROZ, M. J. A literatura e o gozo impuro da comida. Rio de Janeiro: Topbooks, 1994.

QUERINO, M. A arte culinária na Bahia. Salvador: Livraria Progresso Editora, 1957.

____. A arte culinária na Bahia. São Paulo: WMF; Martins Fontes, 2011.

ROLAND, B. O prazer do texto. São Paulo: Editora Perspectiva, 1987.

SCHWARCZ, M. L.; GOLDSTEIN, I. L. [org.]. Vários Autores. Caderno de Leituras. O Universo de Jorge Amado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SILVA, M. R. P. Leitura, texto, intertextualidade, paródia. Acta Scientiarum (UEM), Maringá, v. 25, n.2, p. 211-220, 2003. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/2172/1354. Acesso em 29 de junho de 2019.

Downloads

Publicado

17/01/2020

Como Citar

Ferreira Martins, R. A., Brito, L., & Palma de Souza, P. (2020). Culinária, erotismo e literatura na obra de Jorge Amado. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(22/2), 223–250. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3693

Edição

Seção

Tema Livre