SANGUE LATINO NO PALCO: NUANCES DE DECOLONIALIDADE NA ARTE DE NEY MATOGROSSO

Autores

Palavras-chave:

Música Popular Brasileira, Teoria Decolonial, Performance Artístico-musical

Resumo

No presente manuscrito, propomos discutir a performance artístico-musical do cantor Ney Matogrosso, ao longo de seus 45 anos de carreira no cenário da música popular brasileira, em que foram lançados 35 discos com vendagem superior a 25 milhões de cópias. Analisamos o compromisso estético decolonial do artista ao perceber seu discurso em defesa da cultura latino-americana, dos povos nativos e de sua performance inovadora nos palcos, quando lida com questões ligadas à liberdade sexual, androgenia e quebra de tabus. Para isso, apresentamos uma crítica da performance do artista à luz das teorias decoloniais e o seu posicionamento contrário ou, pelo menos, alheio às culturas europeias e norte-americanas. Como material de verificação, buscamos desenvolver uma análise crítico-descritiva utilizando a obra Sangue Latino, considerada pela crítica especializada o maior sucesso da carreira do artista (CUNHA, 2013) e por tematizar os principais elementos decolonizadores da Epistemologia do Sul (QUINJANO, 2005). Por fim, apontamos nuances como elementos comprobatórios da ideologia interpretativa e do posicionamento crítico do artista em relação ao fazer-se artista brasileiro, sul-americano, tupiniquim, pós-moderno e liberto de rótulos e classificações genéricas e redundantes da imposição globalizante, da modernidade, do tradicionalismo e do hegemônico.

Biografia do Autor

Roberto Remígio Florêncio, Universidade Federal da Bahia - UFBA / IF Sertão- PE

Doutorando em Educaçao, pela Universidade Federal da Bahia (UFBA); Mestre em Educaçao e Cultura, pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Licenciado em Letras pela Universidade de Pernambuco (UPE); Profesor de Língua Portuguesa no Instituto Federal de Educaáo - IF Sertão Pernambucano.

Pedro Rodolpho Jungers Abib, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Pós-doutor em Estudos Lusófonos (Nova Lisboa - Portugal); Pós-doutor em Ciencias Sociais (Paris - França); Doutor em Educação (UFBA); Professor-orientador do Programa de Pós-graduação em Educação da UFBA.

Referências

ABIB, Pedro Rodolpho Jungers. Culturas Populares, Educação e Descolonização; no prelo. 2019.

BATISTA, Mércia R. R. O Desencantamento da Aldeia: exercício antropológico a partir do relatório circunstanciado de identificação e delimitação da terra indígena Truká. Revista de Estudos e Pesquisas, Brasília, v. 1, n. 2, p. 157-247, 2004.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas Híbridas. São Paulo: EDUSP, 2008.

CANDAU, Vera M.F. e OLIVEIRA, Luiz Fernandes. Pedagogia Decolonial e Educação Antirracista e Intercultural no Brasil. Educação em revista vol.26 n 1. Belo Horizonte, 2010.

CARNEIRO, Alfredo. Netmundi.org. 2010. Disponível em: http://www.netmundi.org/home/2015/desconstruindo-o-sangue-latino/, acessado em: 19 de nov. de 2018.

CUNHA, Aline Ferreira. Sangue Latino: questões musicais e interpretativas comparadas na performance de Ney Matogrosso em dois momentos. Monografia Curso de Graduação da Escola Superior de Música da Faculdade Cantareira. São Paulo: ESMFC, Outubro/2013.

HALL, Stuart. Identidades culturais na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em Análise do Discurso. Campinas: Pontes Editores, 1997.

MAINGUENEAU, Dominique. Org. Sírio Possenti. Doze Conceitos em Análise do Discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la Colonialidad del Ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.) El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167.

MIGNOLO, Walter. Histórias Globais/projetos Locais. Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MIGNOLO, Walter. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 71-103.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. En libro: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Colección Sur Sur-CLACSO, 2005.

SANTOS, Boaventura de Souza. Epistemologias do sul. Org. Maria Paulo. Coimbra: Ediçoes Almedina, 2009.

Downloads

Publicado

27/01/2020

Como Citar

Florêncio, R. R., & Abib, P. R. J. (2020). SANGUE LATINO NO PALCO: NUANCES DE DECOLONIALIDADE NA ARTE DE NEY MATOGROSSO. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(22/2), 297–319. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3803

Edição

Seção

Tema Livre