Ímpetos de vingança anunciam nova tempestade: Semente de bruxa, de Margaret Atwood

Jéssica Catharine Barbosa de Carvalho, Jivago Araújo Holanda Ribeiro Gonçalves

Resumo


Semente de Bruxa, de Margaret Atwood, é uma releitura construída no âmbito do projeto Hogarth Shakespeare, e retoma a peça A Tempestade. Neste trabalho, pretende-se analisar esta obra de Atwood observando a construção do personagem Félix, marcado por três sentimentos: a perda que leva ao isolamento, a vingança como fio que conduz o desenvolvimento narrativo e a libertação resultante da compreensão de que as perdas jamais serão reparadas. Assim, problematiza-se o aspecto da vingança no enredo apresentado por Atwood, considerando a adaptação do enredo original da obra. Para as análises, utilizam-se como bases teóricas os estudos de Muñoz-Valdivieso (2017),Ghirardi (2015), Sanders (2006), Frye (1999), Bradley (1991), entre outros. Destaca-se que a construção narrativa da escritora une os elementos mágicos da obra que lhe serviu de inspiração ao contexto contemporâneo. Além disso, em Atwood é possível ver uma construção da vingança relacionada às perdas do protagonista e sua necessidade de libertação, afirmando, ainda, a persuasão de Félix sobre os demais personagens.

 


Palavras-chave


Semente de bruxa; A Tempestade; Vingança.

Texto completo:

PDF

Referências


ATWOOD, Margaret. Semente de bruxa. São Paulo: Editora Morro Branco, 2018.

ATWOOD, Margaret. A perfect storm: Margaret Atwood on rewriting Shakespeare’s Tempest. Disponível em: https://www.theguardian.com/books/2016/sep/24/margaret-atwood-rewriting-shakespeare-tempest-hagseed. Acesso em: 21 jun. 2019.

BLOOM, Harold. Hamlet – poema ilimitado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

BOQUET, Guy. Teatro e sociedade: Shakespeare. São Paulo: Editora Perspectiva, 1989.

BRADLEY, Andrew Cecil. Shakesperean tragedy. England: Penguin Books, 1991.

FRYE, Northrop. Sobre Shakespeare. São Paulo: Edusp, 2011.

GHIRARDI, José Garcez. Somos todos rematados canalhas: notas sobre vingança e justiça em Shakespeare. Anamorphosis ‒ Revista Internacional de Direito e Literatura. v. 1, n. 1, janeiro-junho 2015.

HELIODORA, Bárbara. Por que ler Shakespeare? São Paulo: Editora Globo, 2008.

HUTCHEON, Linda. A theory of adaptation. New York: Routledge, 2006.

MUÑOZ-VALDIVIESO, Sofia. Shakespeare our contemporary in 2016: Margaret Atwood’s rewriting of The Tempest in Hag-Seed. Sederi, n. 27 (2017), p. 105–129.

RAFAELLI, Rafael. Introdução. In: SHAKESPEARE, William. A tempestade/ The tempest. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

SANDERS, Julie. Adaptation and appropriation – the new critical idiom. New York: Routledge, 2006.

SHAKESPEARE, William. A tempestade/ The tempest. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

SHAKESPEARE, William. Teatro completo. Comédias e romances. v. 2. Tradução Barbara Heliodora. São Paulo: Editora Nova Aguilar, 2016.




Direitos autorais 2020 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456