Reparando a luta de classes em Reparação, de Ian McEwan.

Edison Gomes Junior

Resumo


A partir dos estudos marxistas e culturais pretende-se analisar o romance Reparação, de Ian McEwan, observando como a luta de classes e os modos de produção capitalistas são seus elementos constitutivos, de modo que seu personagem principal, Briony Tellis, existe como figura problemática e emblemática da relação entre ficção e história, verdade e mentira, e utopia e distopia social, sendo portadora do que Jameson (1988) denomina “esquizofrenia historicista existencial”, revelada também na forma ambígua e irônica do romance.


Palavras-chave


romance inglês do século XXI; Ian McEwan; Reparação; estudos marxistas e culturais.

Texto completo:

PDF

Referências


EAGLETON, Terry. Criticism & Ideology: a study in Marxist Literary Theory. Verso, 1984.

EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. Tradução: Mateus Correa. São Paulo. Editora UNESP. 2011.

ESCOZA, Cássia. O romance como veículo da falta humana: Reparação de Ian McEwan. Tese de doutorado. São Jose do Rio Preto. UNESP. 2013.

FIROIN, José Luiz. Figuras de retórica. São Paulo: Editora Contexto, 2016.

GENETTE, Gérard. Paratextos editoriais. São Paulo. Ateliê Editorial, 2009.

JAMESON, Fredric. Ideologies of Theory 2. Minneapolis: University of Minnesota Press. 1988.

JAMESON, Fredric. O inconsciente político: A narrativa como ato socialmente simbólico. Série Temas. Volume 31. Estudos Literários. Editora Ática. São Paulo. 1992.

McEWAN, Ian. Reparação. Tradução: Paulo Henrique Britto. São Paulo. Companhia das Letras. 2011.




Direitos autorais 2020 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456