Notas sobre os fins do mundo: apocalipse e neoliberalismo

Alysson Tadeu Alves de Oliveira

Resumo


Utopia e distopia são alguns dos principais impulsos que convivem e disputam a primazia das narrativas de um estado de crise. Ao seu modo, cada uma é capaz de dar conta de certas expectativa e frustrações em relação à ascensão do neoliberalismo como modelo econômico hegemônico, que se estabeleceu a partir do começo dos anos de 1970, especialmente diante do fracasso das aspirações utópicas da década anterior. No nosso momento, no entanto, o gênero do apocalipse se tornou ainda mais eficiente em sua capacidade de compreensão da mundo em que vivemos. Esse artigo investiga como alguns romances recentes de autores de língua inglesa, como A estrada, de Cormac McCarthy, figuram a relação entre esses gêneros literários, e como a especificidade de cada um é capaz de uma percepção única do nosso presente histórico.


Palavras-chave


Utopia; Distopia; Apocalipse; Neoliberalismo

Texto completo:

PDF

Referências


BERARDI, Franco ‘Bifo’. “The Joker”. In.______. Heroes . London & New York: Verso, 2015.

CLARKE, Simon. “The neoliberal theory of society”. In. SAAD-FILHO, Alfredo; JOHNSON, Deborah (Eds.). Neoliberalism: A critical reader. London & Ann Arbor: Pluto Press, 2005, p. 50-59.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

FUKUYAMA, Francis. “The end of history?”. The National Interest, No. 16 (Summer 1989), p. 3-18.

HAN, Byung-chul. “Why revolution is no longer possible”. Trad. Erik Butler. Open Democracy, 23 October 2015.

Disponível em https://www.opendemocracy.net/transformation/byung-chul-han/why-revolution-is-no-longer-possible. Acessado em 03 jul. 2018.

HOBEREK, Andrew. “The post-apocalyptic presente”. Public Books, 15/06/2015. Disponível em http://www.publicbooks.org/the-post-apocalyptic-present/ . Acessado em 04 jul. 2018.

HRBEK, Andrew. Not on fire, but burning. New York & London: Melville House, 2015.

HUNTER, Megan. The end we start from. London: Picador, 2017.

JAMESON, Fredric. “Of Island and trenchs: Naturalization and the production of utopia discourse”. In. Diacritics, Vol. 7, No. 2 (Summer, 1977), p. 2-21

_________. “The politics of utopia”. New Left Review 25, Jan-Feb 2004, p. 35-54.

_________. Postmodernism or The Cultural Logic of Late Capitalism. Durham: Duke University Press, 1991.

_________. Seeds of time. New York: Columbia University Press, 1994.

JONES, Daniel Stedman. The Masters of the Universe. Princeton & Oxford: Princeton University Press, 2012.

LEVINE, Caroline. Forms – Whole, rhythm, hierarchy, network. Princeton & Oxford: Princeton University Press, 2017.

MCCARTHY, Cormac. A estrada. Trad. Adriana Lisboa. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2007.

MOYLAN, Tom. Scraps of the untainted sky. Boulder & Oxford: Westview Press, 2000.

NILGES, Mathias. “Neoliberalism and the time of the novel”. In. Textual Practice, 2015, Vol. 29, p. 357-377.

OSNOS, Evan. “Doomsday prep for the super-rich”. New Yorker, January 30, 2017. Disponível em https://www.newyorker.com/magazine/2017/01/30/doomsday-prep-for-the-super-rich . Acessado em 09 jul. de 2018.

SAAD-FILHO, Alfredo; JOHNSON, Deborah. “Introduction”. In. SAAD-FILHO, Alfredo; JOHNSON, Deborah. Neoliberalism: A critical reader. London & Ann Arbor: Pluto Press, 2005, p. 1-6.

_________. Neoliberalism: A critical reader. London & Ann Arbor: Pluto Press, 2005.

WILLIAMS, Evan Calder. Combined and uneven apocalypse. Winchester & Washington: Zero Books, 2011.




Direitos autorais 2020 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456