A estrangeiridade dos corpos sem órgãos do no conto abreuliano

Autores

Palavras-chave:

Literatura, Filosofia, Caio Fernando Abreu, Deleuze e Guattari, Corpo sem órgãos.

Resumo

Este artigo integra uma proposta de leitura do conto “O afogado” publicado na antologia O Ovo Apunhalado, do escritor Caio Fernando Abreu. Na análise, relacionamos literatura e filosofia para uma investigação da representação dos corpos dos personagens masculinos como meio crítico socioliterário, em que as implicações destas corporalidades na narrativa se vinculam a aspectos sociais. Dialogamos com os construtos teóricos dos filósofos Gilles Deleuze e Félix Guattari, nas obras O Anti-Édipo e Mil Platôs, referentes às subjetivações corporais, em específico destacando a noção de Corpo sem Órgãos (CsO), insubmisso às estratificações, e que aparece problematizada num contraponto com a ideia de Organismo estratificante. As coletividades do enredo, uma dupla masculina e um grupo de moradores, ao se tensionarem, possibilitam a contextualização de termos esquizoanalíticos como Desterritorialização, Máquina Desejante, Poder e Potência. A relação entre dominação e potencialidade estabelece uma abertura a outro diálogo, com Michel Foucault em Vigiar e Punir, livro com o qual abordamos a alegoria do Panóptico, e a contraposição dos Corpos Dóceis ao CsO.

Biografia do Autor

Roniê Rodrigues da Silva, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/UERN

Professor Doutor Adjunto IV do Programa de Pós-graduação em Letras e do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (PPGL/DLV/UERN).

Natã Yanez de Oliveira Rodrigues de Melo, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Cartas. Org. Italo Moriconi. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

ABREU, Caio Fernando. Contos completos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

ABREU, Caio Fernando. O essencial da década de 1970. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2014.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs, vol. 3: capitalismo e esquizofrenia 2. Trad. Aurélio Guerra Neto et al. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012. (Coleção Trans).

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. Luiz Benedicto Lacerda Orlandi. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2011. (Coleção Trans).

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. 42. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

MORICONI, Italo. Introdução. In: ABREU, Caio Fernando. Cartas. Org. Italo Moriconi. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002. p. 10-21.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. Recife: Cepe, 2019.

TELLES, Lygia Fagundes. Prefácio. In: ABREU, Caio Fernando. O ovo apunhalado. Porto Alegre, RS: L&PM, 2016. p. 13-14. (Coleção L&PM Pocket).

Downloads

Publicado

2021-01-21

Como Citar

da Silva, R. R., & Rodrigues de Melo, N. Y. de O. (2021). A estrangeiridade dos corpos sem órgãos do no conto abreuliano. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(25), 65–87. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/4858