"Daquele filho vinha-lhe todo o bem e todo o mal": o ideal de abnegação materna em A Caolha

Érica Schlude Wels

Resumo


O presente artigo parte da leitura do conto A Caolha (1903), de autoria de Júlia Lopes de Almeida. Instituímos o corpo como ferramenta de análise, uma vez que este marca a narrativa, tanto na condição física da protagonista, nomeando-a, quanto na exigência do labor extenuante. Esse mesmo corpo liga-se à maternidade, já que o conto versa sobre a relação dessa mulher com seu único filho, Antonico. A Caolha traça uma espécie de protótipo da abnegação materna. Uma vez que o imaginário sobre a mulher corre em descompasso com a existência de mulheres reais, tal construção idealizada nos leva a conceber um dado realçado pelo discurso histórico da própria maternidade. Tendo isso em mente, destacamos a vinculação do ideário materno desenvolvido no conto com o período de influência do Positivismo no Brasil. Assim, ressalta-se ainda mais a existência de um modelo feminino, baseado no cerceamento da sexualidade, construído ao longo da história e enraizado na cultura; o centro sensível desse ideário é a mãe perfeita, educadora dos filhos, “anjo do lar”, defensora dos desvalidos, domesticada pelas exigências familiares.


Palavras-chave


A Caolha; Corpo Objetificado; Maternidade; Abnegação

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Júlia Lopes de. A Caolha. In: MORICONI, Italo. (Org.). Os cem melhores contos brasileiros do século. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2000.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. de Roberto Raposo. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais. Coord. Djamila Ribeiro).

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Trad. de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BARBOSA, Almiro Rolmes; CAVALHEIRO, Edgard. Obras-primas do conto brasileiro. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1962.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. Trad. Sérgio Milliet. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019.

CORNELL; Drucilla. O que é feminismo ético? In: BENHABIB, Seyla. Debates feministas: um intercâmbio filosófico. Trad. Fernanda Veríssimo. São Paulo: Edit. Unesp, 2018.

COURTINE, Jean-Jacques. Decifrar o corpo: Pensar com Foucault. Trad. Francisco Morás. Petrópolis, Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 2013.

D´INCAO, Maria Ângela. Mulher e Família Burguesa. In: DEL PRIORE, Mary. (Org.). História das Mulheres de Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.

FERREIRA. O corpo sígnico. In: ALVES, PC.; MINAYO, MCS. (Orgs). Saúde e doença: um olhar antropológico [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1994. Disponível: http://books.scielo.org. Acessado em 22/06/2020.

GROSZ, Elizabeth. Corpos reconfigurados. Cadernos Pagu (14), p. 45, 2000. Disponível: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635340 Acessado em 23/06/2020.

MESQUITA, Lucimara Grando; SACRAMENTO, Ozana Aparecida do; MAIA, Janaína Faria Cardoso. O amor incondicional no conto “A Caolha”, de Júlia Lopes de Almeida. Miguilim. Revista Eletrônica do Netlli, v. 7, n. 1, p. 181. Crato: Universidade Regional do Cariri, 2018.Disponível: http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/MigREN/article/view/1530. Acessado em 19/06/2020.

PEREIRA, Lúcia Miguel. História da Literatura Brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1957, v. 12.

RIO, João do. Um lar de artistas. In: O momento literário. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Dep. Nacional do Livro, 1994.

SODRÉ, Muniz; PAIVA, Raquel. O império do grotesco. 2. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

SOUZA, Raquel Teixeira de. O grotesco feminino em “A Caolha”, de Júlia Lopes de Almeida, e A menor mulher do mundo, de Clarice Lispector. Revista Brasil, 2016. Disponível: http://revistabrasil.org/revista/artigos/grotesco.html. Acessado em 22/06/2020.

TOURINHO, Julia Gama. A mãe perfeita: idealização e realidade - Algumas reflexões sobre a maternidade. IGT (Instituto de Gestalt-terapia e atendimento familiar) na Rede, v. 3, n. 5, 2006. Disponível em: https://www.igt.psc.br/ojs2/index.php/igtnarede/article/view/1710/2342. Acessado em 22/06/2020.

WOOLF, Virginia. Um Teto todo seu. Trad. Bia Nunes de Sousa, Glauco Mattoso. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

XAVIER, Elódia. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2007.




Direitos autorais 2021 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456