algo de inteiramente novo: a linguagem deslocada do amor na excedência do corpo finito

Autores

  • Susana Vieira Universidade Nova de Lisboa/Investigadora doutoranda integrada no Instituto de Estudos de Literatura e Tradição; Universidade de Lisboa/Investigadora integrada no Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias http://orcid.org/0000-0002-2445-1215

Palavras-chave:

Corpo-Amor, Morte, Dor, Deslocado, Libertação

Resumo

Problematizaremos, em “A ave rara” e “O furto”, de Maria Velho da Costa, o amor como eixo que movimenta a existência e supera a finitude resistindo à tentativa de controlar a dor e a morte. Insistem os textos na disfuncionalidade e na ideia de corpo deslocado, porquanto sabem que no passo de um amor inumano se pode ser ou iniciar a existir. A linguagem de MVC, sendo “lugar e meio de transformação e não [...] meio transparente a um ‘pensamento’”, formula a estética do amor como um fenómeno de contravenção, que faz explodir e traça “os lineamentos de uma nova ordem”. Se, experimentado no excesso, o amor distorce a realidade, o que se contempla da realidade permite perdoar o amor em excesso. Suportando teoricamente a análise do texto-corpo numa leitura de Deleuze e Guattari, Levinas e Nancy (entre outros), além de na linha antropológica de Rodrigues, tratar-se-á o amor como uma inclinação do corpo interrompido por fraturas: a dor e a morte.

Biografia do Autor

Susana Vieira, Universidade Nova de Lisboa/Investigadora doutoranda integrada no Instituto de Estudos de Literatura e Tradição; Universidade de Lisboa/Investigadora integrada no Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias

Doutoranda de Estudos de Literatura (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa); Investigadora integrada no CLEPUL (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) em projetos de Estudos de Cultura e Literatura Brasileira; Professora no curso de Cultura e Língua Portuguesa (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa); Colaboradora em projetos artísticos (estudos de teatro e dança inclusiva)

Referências

COSTA, Maria Velho da. O lugar comum. Lisboa: Morais Editora, 1966.

COSTA, Maria Velho da. COELHO, Teresa Dias. Dores. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1994.

DELEUZE, Giles. GUATTARI, Félix. Mil planaltos: capitalismo e esquizofrenia 2. Trad. Rafael Godinho. Lisboa: Assírio & Alvim, 2007.

KOSIK, Karel. Dialéctica do concreto. Trad. Célia Neves e Alderico Toríbio. Lisboa: Dinalivro, 1977.

LEVINAS, Emmanuel. Totalidade e infinito. Trad. José Pinto Ribeiro. Lisboa: Edições 70, 1988.

NANCY, Jean-Luc. Corpus. Trad. Tomás Maia. Lisboa: Vega, 2000.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

RODRIGUES, José Carlos. Tabu do corpo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1979.

VERNIER, France. A escrita e os textos: ensaio sobre o fenómeno literário. Trad. Lucília Maria Almeida e Noémia Ariztía. Lisboa: Editorial Estampa, 1977.

Downloads

Publicado

2021-01-21

Como Citar

Vieira, S. (2021). algo de inteiramente novo: a linguagem deslocada do amor na excedência do corpo finito. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(25), 715–733. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/5267