Violência, corrupção e poder: performance política em Berna Reale

Joseane Maytê Sousa Santos Sousa

Resumo


Este artigo objetiva analisar cinco performances corporais da artista paraense Berna Reale, cujos temas constituem a tríade violência, corrupção e poder. A análise realizada atravessa a discussão acerca da necropolítica, da negligência governamental e da violência contra o corpo da mulher, a partir de obras como Palomo, Ordinário e Rosa púrpura. O diálogo realizado com autores que referenciam este trabalho aprofunda a temática da performance e as suas nuances na obra de Berna Reale, bem como sua relação com a necropolítica e a subalternidade. Este trabalho foi desenvolvido durante as exibições de diversas obras de Berna Reale, ao logo do curso de Cultura e Experiência Estética, do Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade, mediado pela professora Dra. Marinyze Prates, cuja finalidade era a construção de um arquivo de textos sobre Reale. Conclui-se com a análise proposta que Berna Reale perfura a tradição com sua obra, dessacraliza a Arte, agenciando, para tanto, o próprio corpo, protagonista de sua obra, e a rua, território de potência, que opera, assim, contra a invisibilidade social.


Palavras-chave


Violência; Corpo; Necropolítica; Performance; Berna Reale

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Lima. Diário do hospício; O cemitério dos vivos. Rio de janeiro: Secretaria municipal de cultura, 1993, 224 p.

CARRION, Caroline. Irrupção pela disrupção: sobre o modo de trabalho de Berna Reale.

Disponível em https://bernareale.wordpress.com/2015/05/03/irrupcao-pela-disrupcao-sobre-o-modo-de-trabalho-de-berna-reale-caroline-carrion/. Acessado em 15/03/2020.

COHEN, Renato. Performance como linguagem: criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: Perspectiva, 2002. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/82649/mod_resource/content/1/COHEN%20Renato%20-%20Performance%20como%20linguagem.pdf. Acessado em 07/03/2020.

LUEDJI LUNA. Um corpo no mundo. Produtor: Sebastian Notini. São Paulo: Editora YB Music, 2017. Disponível em: https://luedjiluna.bandcamp.com/album/um-corpo-no-mundo. Acesso em: 12. Nov. 2020

FOUCAULT, Michel. Aula de 17 de março de 1976. In: Em defesa da sociedade: curso no Collège de France. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p. 285-315.

HERKENHOFF, Paulo. Berna Reale: cavalos e urubus. In: Mulheres do Presente, a clareza entre sombras. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2016.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Trad. Renata Santini. Arte & Ensaios, [S.l.], n. 32, mar. 2017. ISSN 2448-3338. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169. Acessado em: 22/03/2020.

REALE, Berna. ECCOCI! Berna Reale. Curadoria Caroline Carrion e Rudolf Schmitz. Trad. Julia Felmanas, Letizia Zini, Michel Amegger. Veneza: RM Graph e Editora, 2015, n.p.

SCHMITZ, Rudolf. Lógica política de sonho – os vídeos de performance de Berna Reale. Trad. Michel Amegger. In: ECCOCI! Berna Reale. Veneza, 2015, n.p.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1. ed. Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010, prefácio.




Direitos autorais 2021 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Editor-chefe: Professor Doutor Andre Rezende Benatti

ISSN: 2179-4456