Formação ambivalente da autonomia do sujeito e sua ruptura trágica em "De mim já nem se lembra"

Autores

Palavras-chave:

"De mim já nem se lembra", ambivalência psicológica, autonomia, romance contemporâneo brasileiro, Luiz Ruffato.

Resumo

Procuramos evidenciar, neste artigo, a construção psicológica ambivalente do protagonista José Célio no romance De mim já nem se lembra, de Luiz Ruffato. A percepção de José Célio, relativa à sua migração para a Grande São Paulo e às suas relações ali, inscreve-se no sentido de uma dualidade pulsional, negando, assim, uma visão maniqueísta do mundo. Nas cartas para a mãe, que são o núcleo da narrativa, manifestam-se as ambiguidades afetivas do protagonista e a associação conflitiva com o que o rodeia: por exemplo, ao mesmo tempo que sente saudade da família, edifica outros vínculos; ao mesmo tempo que o trabalho lhe retira as horas de gozo, o próprio labor dá margem para a sua educação política no meio do regime ditatorial.  O desamparo, a perda do lugar estável, suscita, também, por meio da parcial porosidade de José Célio, a sua autonomia individual. Baseados nas ideias de Sigmund Freud (1986) acerca do desamparo, de Enrico Testa (2019) sobre a permeabilidade da personagem, de Franco Moretti (2020) a respeito do romance de formação e textos da fortuna crítica desse romance, mostramos como coexistem, no registro da psicologia do protagonista, através das cartas à mãe, a nostalgia e a potente vontade de edificar o futuro, rompida por uma morte prematura e também ambígua.

Biografia do Autor

Pedro Barbosa Rudge Furtado, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Mestre em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Brasil. Doutorando em Estudos Literários na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Brasil ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-4786-0716. E-mail: pedro.sonata@gmail.com

Referências

ADORNO, Theodor. O ensaio como forma. In: ADORNO, Theodor. Notas de literatura I. Tradução de Jorge de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2012.

ADORNO, Theodor. Teoria estética. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2008.ALMEIDA, Marcos Vinícius Lima de. O luto e a história em De mim já nem se lembra, de Luiz Ruffato. Remate de males. Campinas, v. 37, n. 1, 2017. p. 429-447.

BERARDI, Franco. Depois do futuro. Tradução de Regina Silva. São Paulo: Ubu Editora, 2019.

DAMATTA, Roberto. Antropologia da saudade. In: DAMATTA, Roberto. Conta de mentiroso: sete ensaios de antropologia brasileira. Rio de Janeiro: Rocco digital, 1993. Formato e-book.

DIAZ, Brigitte. Carta e diário no século XIX: influências e confluências. Tradução de Ligia Fonseca Ferreira. Letras de hoje. Porto Alegre, n. 2, 2014. p. 233-240.

DUARTE, Newton. Formação do indivíduo, consciência e alienação: o ser humana na psicologia de A. N. Leontiev. Cadernos Cedes. Campinas, v. 24, n. 62, 2004. p. 44-63.

EAGLETON, Terry. O sentido da vida: uma brevíssima introdução. Tradução de Pedro Paulo Pimenta. São Paulo: Editora Unesp, 2021.

FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

FREUD, Sigmund. Projeto para uma psicologia científica. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Tradução de James Strachey. Rio de Janeiro: Editora Imago, 1986. p. 303-314.

KEHL, Maria Rita. Ressentimento. 3. ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 10: a angústia. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2005.

LUCCHESE, Maria Cecília. Curam-se cidades: uma proposta urbanística da década de 70. Dissertação de Mestrado. USP, São Paulo, 2004.

MAIA, Andressa Macena; LEHNEN, Leila Maria. Uma cartografia do afeto: a presença da ausência em De mim já nem se lembra. Revista Prâksis. Novo Hamburgo, n. 2, 2018. p. 6-22.

MEDEIROS, Constantino Luz de. As faces de Janus: um olhar sobre a narrativa moldura como procedimento literário. Palimpsesto. Rio de Janeiro, n. 14, 2012. p. 1-15.

MORETTI, Franco. O romance de formação. Tradução de Natasha Belfort Palmeira. São Paulo: Todavia, 2020.

PAES, José Paulo. O pobre-diabo no romance brasileiro. In: PAES, José Paulo. Armazém literário: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. p. 50-75.

RUFFATO, Luiz. De mim já nem se lembra. 2. ed. São Paulo: Companhias das Letras, 2016.=

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SÜSSEKIND, Flora. Tal Brasil, qual romance? uma ideologia estética e sua história: o naturalismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

TESTA, Enrico. Heróis e figurantes: o personagem no romance. Tradução de Patricia Peterle. São Paulo/Florianópolis: Rafael Copetti Editor, 2019.

Downloads

Publicado

30/11/2021

Como Citar

Furtado, P. B. R. (2021). Formação ambivalente da autonomia do sujeito e sua ruptura trágica em "De mim já nem se lembra". REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(29), 77–98. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/6115