Mil rosas roubadas, de Silviano Santiago: do luto ao nascimento do ficcionista

Autores

  • Leila Aparecida Cardoso de Freitas Lima Universidade Estadual Julio Mesquita Filho - UNESP
  • Susanna Busato Busato UNESP - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho https://orcid.org/0000-0002-1700-0045

Palavras-chave:

Narrador, Luto, Nascimento, Mil rosas roubadas, Silviano Santiago.

Resumo

Este trabalho apresenta como tema o relacionamento do narrador e suas memórias no romance Mil rosas roubadas, de Silviano Santiago. O objetivo concentra-se em averiguar o papel da morte de Zeca, no processo de autodescoberta do narrador-escritor. Para tanto, parte-se da hipótese de que a morte do amigo obriga a personagem-narradora a mergulhar em um processo de escrita que em muito poderá desvendar sentimentos não compreendidos no passado, além de provocar uma redefinição da condição de seu eu no mundo. Neste percurso, o ponto de partida para análise está alicerçado nos estudos narratológicos de Gérard Genette (1979), no entanto, no decorrer deste processo autores como Freud (1930) e (2011), Bakhtin (1997), Gagnebin (2006), entre outros, também serão convidados à discussão. Esta reflexão pretende resultar na compreensão de uma suposta presença paradoxal de morte e vida no romance de Santiago. Neste contexto, é possível que a morte do eu narrado precise ser decretada juntamente a de Zeca, para que o eu da enunciação com sua nova face de ficcionista possa finalmente nascer.

Biografia do Autor

Leila Aparecida Cardoso de Freitas Lima, Universidade Estadual Julio Mesquita Filho - UNESP

Doutora em Letras pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Brasil.  E-mail: leila_freitas011@hotmail.com.

Susanna Busato Busato, UNESP - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutora em Letras pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho” – Brasil. Realizou estágio pós-doutoral em Semiótica na Universidade de São Paulo – Brasil. Professora da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho” – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-1700-0045. E-mail: susanna.busato@unesp.br.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Trad. Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: O Rumor da Língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. Trad. Marilene Carone. São Paulo: Corac Naify, 2011.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. Texto copiado integralmente da edição eletrônica das obras de Freud, versão 2.0 por Tupykurumin. Disponível em: www.projetovemser.com.br. Acesso em: 20 abr. 2019.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Memória, História, Testemunho. In: GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GENETTE, Gérard. O discurso da narrativa. Trad. Fernando Cabral Martins. Lisboa: Arcadia, 1979.

LUKÁCS. Georg. A teoria do romance. Trad. José Marcos de Macedo. São Paulo: Duas Cidades, 2000.

MARCHEZAN, Renata Coelho. PERNAMBUCO, Juscelino. “Mil rosas roubadas, de Silviano Santiago, em perspectiva bakhiniana”. Linha D'Água (Online), São Paulo, v. 30, n. 2, p. 113-128, out. 2017. Disponível em: www.revistas.usp.br/linhadagua/article/download/. Acesso: 20/11/2020

SANTIAGO, Silviano. Mil Rosas Roubadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

Downloads

Publicado

30/11/2021

Como Citar

Cardoso de Freitas Lima, L. A., & Busato, S. B. (2021). Mil rosas roubadas, de Silviano Santiago: do luto ao nascimento do ficcionista. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(29), 462–482. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/6397