Por entre as camadas da cebola: uma análise da representação autoficcional das memórias de Günter Grass

Autores

Palavras-chave:

Günter Grass, literatura alemã, autoficção, memória, literatura contemporânea

Resumo

Em Nas peles da cebola (2007), Günter Grass apresenta as memórias de sua juventude e início de sua carreira como escritor, vivências marcadas pela ascensão do regime nazista e pelas consequências da Segunda Guerra Mundial. Nesta obra, aparece a confissão tardia do seu alistamento voluntário ao grupo militar Waffen-SS, informação ocultada pelo autor durante décadas, o que provocou um debate ético em torno da figura de Grass. Podemos observar que o autor vincula o relato de sua experiência pessoal a uma forma de escrita contemporânea ambígua, a autoficção, para representar a lida com memória. Propõe-se, neste artigo, analisar de que forma é construída a representação da memória no texto autoficcional, considerando a articulação de questões históricas, subjetivas e literárias a exemplo da obra Nas Peles da Cebola, de Günter Grass.

Biografia do Autor

Taisy Buzanello Janku, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (UNESP - FCLAr)

Mestranda em Estudos Literários na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Brasil. Bolsista CAPES – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0001-9860-0095. E-mail: tbjanku@gmail.com

Natália Corrêa Porto Fadel Barcellos, Faculdade de Ciências e Letras - Unesp Campus de Araraquara

Doutora em Literatura Alemã pela Freie Universität Berlin – Alemanha. Professora na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0003-3431-2224. E-mail: natalia.barcellos@unesp.br

Referências

FAEDRICH, Anna. O conceito de autoficção: demarcações a partir da literatura brasileira contemporânea. Itinerários: Revista de Literatura, v. 40, p. 45-60. Araraquara: PPGEL, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2015. Disponível: https://periodicos.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/8165 Acessado em 02/07/2021.

GALLE, Helmut Paul Erich. Juventude no estado totalitário: as autobiografias de J. Fest, G. Grass, L. Harig e G. de Bruyn e Chr. Wolf. Memórias da repressão, p. 23–70. Santa Maria: Pós-graduação da Universidade Federal de Santa Maria, 2008.

GASPARINI, Philippe. Autoficção é nome de quê? In: NORONHA, Jovita Maria Gerheim (Org.). Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014, p. 181-221.

GRASS, Günter. Anos de cão. Trad. Lya Luft. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

GRASS, Günter. Katz und Maus. München: Deutscher Taschenbuch Verlag, 1999.

GRASS, Günter. Nas peles da cebola. Rio de Janeiro: Editora Record, 2007.

GRASS, Günter. O Tambor. Trad. Lúcio Alves e Rachel Valença. 23. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

HUYSSEN, Andreas. Memórias do modernismo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

HUYSSEN, Andreas. Passados presentes: mídia, política, amnésia. In: Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. 2a. ed. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Org. Jovita Maria Gerheim Noronha. Trad: Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

NEUHAUS, Völker. Günter Grass. Stuttgart: J. B. Metzler Verlag, 2010

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

STEPHAN, Inge; TACKE, Alexandra (Org.). NachBilder des Holocaust. Köln: Böhlau, 2009

VORMWEG, Heinrich. Günter Grass. 1a. ed. Reinbeck: Rowohlt, 1986.

Downloads

Publicado

30/11/2021

Como Citar

Janku, T. B., & Barcellos, N. C. P. F. (2021). Por entre as camadas da cebola: uma análise da representação autoficcional das memórias de Günter Grass. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(29), 265–286. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/6510