O possível futuro impossível: como A nova ordem traz o Bolsonarismo

Autores

Palavras-chave:

A Nova Ordem, Bernardo Kucinski, Bolsonarismo

Resumo

Escritor tardio, Kucinski entrou na literatura apenas na década passada. Como diz, através de uma febre de escrever (SCHARGEL; UCHOA, 2021). Ainda que heterogênea, sua obra é predominantemente política. E não uma política em sentido lato, como secundária ou paralela, mas a política como força motriz do enredo. Aparece como interseção em quase todos os livros a preocupação com a Ditadura Militar, seus efeitos e, no caso específico de A nova ordem, o seu ressurgimento. Igualmente, sempre trafega nos limites tênues entre o nosso real e o real paralelo criado pela arte. Em K., seu primeiro livro, apresenta uma busca desesperada de seu pai por sua irmã, desaparecida na Ditadura. No seguinte, Os visitantes, traz visitantes invadindo sua casa, majoritariamente amigos, familiares e colegas, em busca de justificativas e respostas sobre o que entendem ter sido uma deturpação do real em prol da arte no livro anterior. Ou, como diz uma frase sua em K., que poderia servir para resumir toda a sua obra: “tudo neste livro é invenção, mas quase tudo aconteceu” (KUCINSKI, 2016a, p. 11).

Biografia do Autor

Sergio Schargel, Universidade de São Paulo

Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Brasil. Mestre em Literatura, cultura e contemporaneidade pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – Brasil. Doutorando em Ciência Política na Universidade Federal - Brasil. Doutorando em Comunicação na Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Brasil. Doutorando em Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo – Brasil. Bolsista Capes. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0001-5392-693X. E-mail: sergioschargel_maia@hotmail.com.

Referências

ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo: totalitarismo, o paroxismo do poder. Rio de Janeiro: Editora Documentário, 1978.

BUARQUE, Chico. Essa gente. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

HUXLEY, Aldous. Admirável mundo novo. São Paulo: Globo, 2014.

KUCINSKI, Bernardo. A nova ordem. São Paulo: Alameda, 2019.

KUCINSKI, Bernardo. K. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

KUCINSKI, Bernardo. Os visitantes. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

LEPORE, Jill. A golden age for dystopian fiction. The New Yorker, New York, 05 jun. 2017. Disponível em: https://www.newyorker.com/magazine/2017/06/05/a-golden-age-for-dystopian-fiction. Acesso em: 07 fev. 2022.

MELLO, Dênis. Teocrasília. Rio de Janeiro: CJT Comunicação e Tecnologia, 2018.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SCHARGEL, Sergio; UCHOA, Camila W. Ecos de um totalitarismo brasileiro: entrevista com Bernardo Kucinski. Moara, n. 59, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/11747/8138. Acesso em: 07 fev. 2022.

ZAMIÁTIN, Evgueni. Nós. São Paulo: Aleph, 2017.

Downloads

Publicado

2022-08-23

Como Citar

Schargel, S. (2022). O possível futuro impossível: como A nova ordem traz o Bolsonarismo . REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 1(31), 224–230. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/6874