Caliban na cultura de nossa América

Homenagem a Roberto Fernandez Retamar

Visualizações: 202

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v2i35.6875

Palavras-chave:

literatura, filosofia, revolução, Hispanidad, nossa América

Resumo

Nesta homenagem ao sempre amado Roberto Fernández Retamar, concentrei-a em Calibán, o selvagem sem inculto, iletrado  como nos chamam nos estudos de nossa América. Os europeus. Para chegar ao canibal circularam pelo Ariel, deus do vento, a quem se atribuía por ter levantado a bandeira da Hispanidade contra o imperialismo do norte e a "nomonologia" dos habitantes de nossa América. Rodó indicou ao inimigo, porém, a cura se limitava a repetir o mesmo lema: somos (sem ser) espanhóis por língua (nos tiraram nossa religião, ethos e outros costumes). A herança não é o ponto a ser discutido, se não, aceitamos retroceder para a colônia, ou não?

Ele não é acompanhado pelo braço de Caliban, o escravo selvagem capaz de fazer emergir uma nova cultura, nossa e revolucionária. Somos Caliban e é preciso admitir-lo. Com este emblema calibanesco, Roberto Fernández Retamar transita pela história do nosso Continente, dividindo as tendências sociais e individuais em revolucionários, ou calibanes, e em anti-calibanes, ou inimigos reacionários de nossa grande contribuição de nós à história mundial, a saber, a Revolução Cubana que, sem dúvida, vibrou e vibra a favor do povo.

Fernández Retamar oferece uma literatura de conteúdo revolucionário e não o ideal da Hispanidad.

Isso aconteceu desde 1971. Hoje, esse projeto foi superado. Shakespeare deu o primeiro passo ao colocar no horizonte ambas as tendências sociais a revolução foi aceita como uma forma inovadora porque por calibanesca.

Biografia do Autor

María Rosa Palazón Mayoral, Universidad Nacional Autónoma de México

Doutorado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade Nacional Autônoma do México – México. Investigador em tempo integral do Instituto de Investigaciones Filológicas da UNAM e membro do Sistema Nacional de Investigadores nível III. E-mail: mpalazoa@yahoo.com.

Referências

FERNÁNDEZ RETAMAR, Roberto, Calibán apuntes sobre la cultura de nuestra América. México, Editorial Diógenes, 1971.

FERNÁNDEZ RETAMAR, Roberto, Pról. y notas Abelardo Villegas. SEP/UNAM, 1982 (Clásicos Americanos, 30).

FERNÁNDEZ RETAMAR, Roberto, Obras, 1957-1967, La Habana, 1970, tomo II,

LA JORNADA, Rayuela , lunes 6 de diciembre de 2021, año 38, núm. 13426, p. 36.

MARIÁTEGUI, José Carlos, Siete ensayos de interpretación de la realidad peruana. La Habana. 1963

MONTAIGNE, Miguel, De los caníbales 1580, Ensayos C. Román y Salamero,t. I, Clásicos Jackson, Buenos Aires. 1948.

RENAN. Ernesto, Calibán, (1878). Caliban [continuación de La Tempête]. Ρaris: Calmann-Lévy, Éditeurs.

SHAKESPEARE, W. , Obras completas. Luis Astrana Marín. Madrid,1961.

RODÓ, José Enrique, Ariel. Estudio crítico y pról. Leopoldo Alas (Clarín). Buenos Aires, Espasa-Calpe Argentina S.A., 1948 (Col. Austral, 866).

Publicado

2023-11-01

Como Citar

PALAZÓN MAYORAL, María Rosa. Caliban na cultura de nossa América: Homenagem a Roberto Fernandez Retamar. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 2, n. 35, p. 06–20, 2023. DOI: 10.61389/revell.v2i35.6875. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/6875. Acesso em: 19 maio. 2024.