O parque das irmãs magníficas ou sobre uma poética do destrato

Autores

Palavras-chave:

O parque das irmãs magníficas, Camila Sosa Villada, Literatura travesti, Leitura decolonial

Resumo

Nosso objetivo principal é desenvolver uma leitura decolonial de O parque das irmãs magníficas de Camila Sosa Villada a partir das cifras que dão ao conhecimento a periferia des sujeites representades e a marginalização de seus corpos. Dessas cifras, focaremos na violência em suas várias modulações – particularmente, contra travestis, ensejando o que é chamado pela autora de “destrato perpétuo”, mas também contra a mulher, a violência policial, médica etc. –, a mendicidade, o vício, a (não opção senão à) prostituição, o suicídio. Já dentre as esferas em que elas serão averiguadas, enfatizaremos a sociopolítica, a linguística e a estética, não perdendo de vista o regime de indissociabilidade de forma e tema. Quanto a isto, sustentamos a forma rizomática do romance, sua concepção narrativa que quebra com paradigmas estruturais convencionais; quebra essa que reflete em tema o declínio sociopolítico aos processos de hierarquização e outremização pelos quais se urdiu a ficção (ou utopia) da Modernidade. Um basta: sem centro, sem margens.

Biografia do Autor

Amanda Berchez, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Mestra em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas – Brasil. Doutoranda em Estudos Literários na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus de Araraquara – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-2137-8024. E-mail: amandaberchez@gmail.com.

Referências

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, pp. 89-117, 2013. Disponível em: periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/2069. Acessado em 5/3/2022.

BERCHEZ, Amanda. Murilo Rubião, leitor. 2020. Dissertação (Mestrado em Teoria e História Literária) – Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, 2020.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Autêntica, 2018.

DELEUZE, Gilles. Conversações. 3ª ed. São Paulo: Editora 34, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia (I). 2ª edição. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia (II). Volume 3, 2ª edição. São Paulo: editora 34, 2012.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA), 2008.

FEDERICI, Silvia. O calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, pp. 115-147, 2008. Disponível em: journals.openedition.org/rccs/697. Acessado em: 8/3/2022.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemony & socialist strategy: Towards a radical democratic politics. Verso, 2001.

MORAGA, Cherríe; ANZALDÚA, Gloria (Ed.). This bridge called my back: Writings by radical women of color. New York: Kitchen Table (Women of Color Press), 1983.

MORRISON, Toni. A origem dos outros: seis ensaios sobre racismo e literatura. Companhia das letras, 2019.

PINTO, Júlio Roberto de Souza; MIGNOLO, Walter. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalização e opção decolonial. Civitas, v. 15, pp. 381-402, 2015. Disponível em: doi.org/10.15448/1984-7289.2015.3.20580. Acessado em: 7/4/2022.

SCHWARTZ, Jorge. Murilo Rubião: A poética do uroboro. São Paulo: Ática, 1981.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia clínica, v. 20, pp. 65-82, 2008. Disponível em: doi.org/10.1590/S0103-56652008000100005. Acesso em: 1/5/2022.

VILLADA, Camila Sosa. O Parque das Irmãs Magníficas. Tusquets, 2021.

WALLERSTEIN, Immanuel. The Modern World-System I. University of California Press, 2011.

Downloads

Publicado

2022-12-14

Como Citar

Berchez, A. (2022). O parque das irmãs magníficas ou sobre uma poética do destrato. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(32), 32–52. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7022