Mito e Orixá

uma análise do itãn do amor de Oxum e Oxóssi no videoclipe Onda, de Mc Tha ft. Jaloo e Felipe Cordeiro

Visualizações: 5307

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v1i34.7087

Palavras-chave:

Itan, Oshún y Oshosi, Onda

Resumo

Os Itãns trazem em si as histórias dos Orixás por meio de narrativas simbólico-imagéticas que carregam significados, mensagens e representações. A cultura afro-brasileira possui uma grande quantidade de Deuses mitológicos, os Orixás, conhecidos a partir de contos e histórias, que contêm ensinamentos sobre suas personalidades, regências, fraquezas e domínios. A partir dessa constatação, o presente trabalho analisa a releitura do itãn do amor de Oxum e Oxóssi, no videoclipe Onda, da cantora paulistana Mc Tha. Ao comparar as narrativas mitológicos (itãns) de Oxum e Oxóssi e do videoclipe, verifica-se a presença de símbolos que remetem às histórias dessas divindades e se constata que, ao se utilizar da mitologia afro-brasileira na construção poético-literária, o audiovisual faz uma homenagem à essas divindades. Como suporte para a análise, utilizam-se as seguintes obras: O que é mito, de Everardo Rocha (1996), O poder do Mito, de Joseph Campbell (1988), Mito e Significado, Claude Levi-Strauss (1978), Mitologia dos Orixás, de Reginaldo Prandi (2001) e Orixás Deuses Iorubás na África e no novo mundo, de Pierre Fatumbi Verger (2018).

Biografia do Autor

Renan da Silva Dalago, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Possui bacharelado em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário de Ensino Superior de Maringá - UniCesumar e Licenciatura em Letras Português/Espanhol e suas literaturas pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Especialista em Comunicação, Semiótica e Linguagens Visuais pela Universidade Braz Cubas e Psicologia Analítica Junguiana - Perspectiva Multidisciplinar pelo Centro de Ensino Superior Unyleya (DF). Atualmente é Mestrando em Estudos Literários na linha de pesquisa Poéticas da Modernidade no Mestrado Acadêmico da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Foi professor de Introdução à Semiótica no curso de extensão do Núcleo de Ensino de Línguas - NEL/UEMS (2019.1). Possui dois livros publicados. Atua como assistente de marketing e publicidade para a empresa Solabia Biotecnológica França/Brasil e como Professor de Escrita Criativa - NEL/UEMS (2021.1). Tem experiência na área de comunicação com ênfase em mídias sociais, redação publicitária, marketing, edição de imagens e storytelling. Produz pesquisas nos seguintes temas: semiótica peirciana, mitos e arquétipos junguianos aplicados à construção de marcas, narrativas e personagens em literatura e cinema, adaptação cinematográfica e roteiro de cinema.

Altamir Botoso, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Doutor em Letras pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”/Assis – Brasil. Professor Adjunto da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Brasil. Membro do GT Relações Literárias Interamericanas – ANPOLL – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0003-3231-2351. E-mail: abotoso@uol.com.br.

Referências

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. Tradução Adail Ubirajara Sobral. 10ª edição. São Paulto : Cultrix/Pensamento, 1997.

BARBOSA JUNIOR, Ademir. O Livro essencial de umbanda. São Paulo: Universo dos Livros, 2014.

D’ANGELO, Helô. As origens da violência contra religiões afro-brasileiras. Revista Cult, UOL on-line. 21 de setembro de 2017. Disponível em: < https://revistacult.uol.com.br/home/violencia-religiosa-candomble-umbanda/ Acesso em: 30 jan. 2021.

DOMINGUES, Naíse. Guerreira que canta, encanta e vence a guerra: entrevista com MC Tha. Revista Kobá Exu. On-line. Edição 5 – Mar/Abr, 2021.

MC THA; JALOO, CORDEIRO, Felipe. Onda. Youtube. 2020. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=sjtsxsFsaTg. Acesso em: 30 jan. 2021.

MC THA. Último Recado por Jaloo (Despedida). Yotube. 2020. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=sjtsxsFsaTg. Acesso em: 30 jan. 2021.

OMOLUBÁ. Doutrina e práticas umbandistas: cadernos de umbanda. São Paulo: Ícone, 2014.

PÓVOAS, Ruy do Carmo. Itan dos mais-velhos: contos. Ilhéus: Editus, 2004.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ROCHA, Everaldo. O que é mito? São Paulo: Brasiliense, 1996. (Coleção Primeiros Passos).

SANTAELLA, Lúcia. WINFRIED, Nöth. Estratégias semióticas na publicidade. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

SOUZA, Daniela Barreto de; SOUZA, Adílio Júnior de. Itan: entre o mito e a lenda. Revista Letras Escreve. Macapá, v. 8, n. 3, 2.º sem., 2018.

VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás, deuses iorubas na África e novo mundo. Salvador: Corrupio, 1997.

Publicado

2023-04-12

Como Citar

DALAGO, Renan da Silva; BOTOSO, Altamir. Mito e Orixá: uma análise do itãn do amor de Oxum e Oxóssi no videoclipe Onda, de Mc Tha ft. Jaloo e Felipe Cordeiro. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 1, n. 34, p. 305–324, 2023. DOI: 10.61389/revell.v1i34.7087. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7087. Acesso em: 19 jun. 2024.