As faces da morte na América Latina na perspectiva do romance Los detectives salvajes do escritor Roberto Bolaño

Visualizações: 538

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v1i34.7101

Palavras-chave:

Roberto Bolaño, Los detectives salvajes, Morte, Vida, Jogo

Resumo

A partir do entendimento de que o texto literário se constrói mediante a circulação de elementos históricos, políticos e culturais produzidos sob a vigência das múltiplas relações desenvolvidas entre os indivíduos, em um determinado tempo e lugar, o presente estudo objetiva analisar o romance Los detectives salvajes (1998) do escritor chileno Roberto Bolaño (1953-2003), tomado como um artista representativo das principais mudanças apresentadas pela narrativa contemporânea de língua espanhola, no espaço ambivalente que compreende a Espanha e a América Latina, sobretudo, no que diz respeito ao prazer da elegia no contexto latino-americano. Assim, com base na problematização de temas ligados à vida, à experiência, ao luto, à melancolia, à morte e ao jogo, este trabalho se apoia no método histórico-comparativo, levando-se em conta a observação de fenômenos, processos e relações que constroem a realidade e o ambiente ficcional da narrativa em destaque. Assim, motivada pela leitura e análise do romance, a pesquisa dialoga com diferentes áreas do conhecimento, como a história, a mitologia, a filosofia e a psicanálise, a fim de compreender as diversas formas de comunicação da literatura com outras linguagens, e assim, discutir de que maneira a escrita literária é capaz de tematizar a condição humana, no caso específico deste autor, que, feito um herói derrotado, alimenta o seu discurso entre os escombros da genealogia latino-americana. 

Biografia do Autor

Edson Oliveira da Silva, Universidade Estadual de Feira de Santana

Doutor em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia - Brasil, com período sanduíche em Universidade Autônoma de Barcelona – Espanha. Professor Adjunto da Universidade Estadual de Feira de Santana – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-3061-6020. E-mail: edsonn.oliveira28@yahoo.com.br.

Referências

AVELAR, Idelber. Alegorias da derrota: A ficção pós-ditatorial e o trabalho de luto na América Latina. Tradução de Saulo Gouveia. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

BAKHTIN, M. M. (Mikhail Mikhailovich). Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BENJAMIN, Walter. A origem do drama trágico alemão. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

BOLAÑO, Roberto. Amberes. Barcelona: Anagrama, 2002.

BOLAÑO, Roberto. Amuleto. Barcelona: Anagrama, 1999.

BOLAÑO, Roberto. Los detectives salvajes. Barcelona: Editorial Anagrama, 1998.

CARRAL, Andrea Cobas; GARIBOTTO, Verónica. Un epitafio en el desierto. Poesía y revolución en Los detectives salvajes. PAZ SOLDÁN, Edmundo; FAVARÓN PATRIAU, Gustavo (Ed.). Bolaño Salvaje. Barcelona: Editorial Candaya, 2008, p.11-30.

GALEANO, Eduardo. De pernas pro ar: a escola do mundo ao avesso. Tradução de Sergio Faraco. 6. ed. Porto Alegre: L&PM, 1999.

MORA, Francisco Javier. El estridentismo mexicano: señales de una revolución estética y política. In: Anales de Literatura Hispanoamericana. Alicante: Universidade de Alicante, p.257-275, 2000.

Downloads

Publicado

2023-04-12

Como Citar

DA SILVA, Edson Oliveira. As faces da morte na América Latina na perspectiva do romance Los detectives salvajes do escritor Roberto Bolaño. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 1, n. 34, p. 84–103, 2023. DOI: 10.61389/revell.v1i34.7101. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7101. Acesso em: 23 jul. 2024.