Os vários cantos das Américas: reivindicação de voz na poesia de Langston Hughes e Lolly Aires

Autores

Palavras-chave:

Comparativismo interamericano, Literaturas das Américas, Literatura Comparada

Resumo

A literatura enquanto um discurso que emerge do tecido social carrega consigo um índice representacional considerável da realidade da qual se erige. Dessa forma, a textualidade literária, como uma (re)construção constante de sentidos, semantiza fraturas históricas que assolam as sociedades. Esta é a ideia central que perseguimos neste artigo ao analisar as relações entre três poemas: “I hear America singing”, de Walt Whitman, “I, too”, de Langston Hughes, e “Eu também canto a América”, de Lolly Aires. Os dois primeiros são produções literárias estadunidenses e o terceiro, brasileiro; assim, no exercício analítico procuramos, na relação intertextual que se estabelece, observar a reivindicação de voz e de participação social na poesia de Langston Hughes e Lolly Aires. Estes acabam por representar as identidades negligenciadas no continente americano ao evidenciar a exclusão motivada por vetores de raça e gênero, principalmente.  Dessa forma, nos aproximamos do comparativismo interamericano (FIGUEIREDO, 2005; BERND, 2011), a fim de aproximar as produções literárias no horizonte da crítica social que concretizam.

Biografia do Autor

Ernani Silverio Hermes, Universidade Federal de Santa Maria

Mestrando em Letras na Universidade Federal de Santa Maria – Brasil. Bolsista CAPES – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-0029-2627. E-mail: ernani.hermes@gmail.com.

Rosani Úrsula Ketzer Umbach, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Neuere Deutsche Literatur pela Freie Universität Berlin - Alemanha. Realizou estágio pós-doutoral em Literatura Alemã Contemporânea na Eberhard-Karls-Universität Tübingen - Alemanha. Professora Titular da Universidade Federal de Santa Maria – Brasil. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1C. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-8221-1869. E-mail: rosani.umbach@gmail.com.

Referências

AIRES, Lolly. Eu também canto a América. Terra Plena: mulheres enraizadas num mar de areia. v. 3, p. 45, 2021.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In. BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 8ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 241-252.

BERND, Zilá. Estudos canadenses: uma perspectiva transamericana. Interfaces Brasil/Canadá: Revista Brasileira de Estudos Canadenses, Pelotas, v. 11, n. 1, p. 29-37, jan. 2011.

BLOOM, Harold. Walt Whitman, America’s great artist. 2005. Disponível em: < https://historynewsnetwork.org/article/13478#:~:text=If%20you%20are%20American%2C%20then,Scripture%20of%20the%20United%20States.>. Acesso em 14/07/2022.

CARVALHAL, Tânia Franco. Intertextualidade: a migração de um conceito. Via atlântica, n. 9, p. 125-136, 2006.

CHAMOISEAU, Patrick. Biblique des derniers gestes. Paris: Gallimard, 2002.

CLARKE, John Henrik. The origin and growth of Afro-American Literature. In. CHAPMAN, Abraham (ed). Black voices: an anthology of African-American Literature. New York: Penguin, 2001. p. 646-661.

DEUTSCH, Babette. Walt Whitman. Trad. Brenno Silveira e Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Martins; Colofão, 1965. p.219-221.

FIGUEIREDO, Eurídice. Afetos e arquivos da escravidão. Alea: Estudos Neolatinos, v. 11, n. 01, p. 35-47, 2009.

FIGUEIREDO, Eurídice. Por um comparativismo interamericano. Revista de Letras, v. 45, n. 2, p. 15-32, 2005.

GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. São Paulo: Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018.

GRAZIADEI, Neiva. Fronteiras da memória, o exílio de cada um: a narrativa dos rastros em Mario Benedetti e Marta Traba. 2015. 1 v. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

GUYARD, Marius François. A literatura comparada. Trad. Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1956.

HIGH, Peter B. An outline of American Literature. New York: Longman, 1986.

HOOKS, bell. Feminist Theory: from the margin to center. 2nd ed. Cambridge: South End Press, 2000. p. xvi – xvii.

HUGHES, Langston. Eu também sou América. Tradução de Sylvio Back, Caderno Mais! Folha de São Paulo, 15 de fevereiro de 1998.

HUGHES, Langston. I, too. 2004. Disponível em: < https://www.poetryfoundation.org/poems/47558/i-too >. Acesso em 19/07/2022.

VANSPANCKEREN, Kathryn. Outline of American literature. The United States Department of State, 1994.

WESTOVER, Jeff. Africa/America fragmentation and diaspora in the work of Langston Hughes. Callaloo, v. 25, n. 04, p. 1206-1223, 2002.

WHITMAN, Walt. I hear America singing. 1991. Disponível em: <https://www.poetryfoundation.org/poems/46480/i-hear-america-singing>. Acesso em 14/07/2022.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis: Editora Vozes, 2014. p. 07-72.

Downloads

Publicado

2022-12-14

Como Citar

Hermes, E. S., & Ketzer Umbach, R. Úrsula. (2022). Os vários cantos das Américas: reivindicação de voz na poesia de Langston Hughes e Lolly Aires. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(32), 241–262. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7102