Memórias, corpos e resistências: perspectivas decoloniais na literatura brasileira contemporânea

Autores

Palavras-chave:

narrativa, memória, violência, decolonialidades

Resumo

A literatura contemporânea tem sido espaço de vozes dissonantes, tanto no que diz respeito ao aspecto revisional do passado, como discurso alternativo ao que se convencionou chamar história, quanto no que se refere ao questionamento dos demais paradigmas engendrados pela modernidade, problematizando, desde as estruturas, as formas impostas pelas epistemes racionalistas e universalizantes. Na literatura brasileira das últimas décadas, é possível observar a incidência temática sobre o passado e suas heranças, cujas formas, confrontadas pela memória, desnudam os efeitos diretos e devastadores das relações de poder e suas políticas, as quais são refratadas em corpos que não habitam, corpos que não ocupam, corpos que não pertencem. Dessa perspectiva, pode-se colocar em diálogo Becos da memória, de Conceição Evaristo, O inventário das coisas ausentes, de Carola Saavedra, e Torto arado, de Itamar Vieira Junior, como poéticas que, inscritas pelo triângulo memória-imagem-relato, tematizam o trânsito da vulnerabilidade à resistência. Observa-se, assim, a partir da análise de algumas das estratégias narrativas que essas obras têm comum, a importância da figuração do corpo na composição da memória, discurso que se constitui como elemento fundamental, à luz dos Estudos Decoloniais, para a re/de/trans/formação do corpo presente e a prospecção de novas realidades.

 

Biografia do Autor

Ilse M. R. Vivian, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – Brasil, com período sanduíche em Universidade de Coimbra – Portugal. Realiza estágio pós-doutoral estágio pós-doutoral na Universidade Federal de Santa Maria – Brasil, com Bolsa CAPES/Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-3788-1572. E-mail: ilsevivian@hotmail.com.

Referências

BALIBAR, Étienne. La violence: idéalité et cruauté. In: La crainte des masses: politique et philosophie avant et après Marx. Paris : Galilée, 1997.

BLANCHOT, Maurice. L’écriture du désastre. Paris: Gallimard, 1980.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. vol. 5. Trad. Ana Lúcia de Oliveira. São Paulo: Editora 34, 1997.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. 3ª ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

FANON, Frantz. Piel negra, máscaras blancas. Madrid: Ediciones Akal, S. A., 2009.

GROSFOGUEL, Ramón; CASTRO-GÓMEZ, Santiago. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

MAAS, Wilma Patrícia Marzari Dinardo. O cânone mínimo: o Bildungsroman na história da literatura. São Paulo: Editora UNESP, 2000. MBEMBE, Achille. Crítica da razão Negra. Lisboa: Antígona, 2017.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Trad. Marco Oliveira. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol. 32, n. 94, RBCS, junho, 2017.

MIGNOLO, Walter; GÓMEZ, Pedro Pablo. Estéticas y opción decolonial. Bogotá: Universidad Distrital Francisco José de Caldas, 2012.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciências sociales. Perspectivas Latinoamericanas; Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. Buenos Aires, Argentina, Julio, 2000. Disponível:

http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/lander/quijano.rtf Acessado em 18/06/2022.

SAAVEDRA, Carola. O inventário das coisas ausentes. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras: 2014.

VÁZQUEZ, Rolando; BARRERA CONTRERAS, Miriam. Aesthesis decolonial y los tiempos relacionales. [Entrevista a Rolando Vázquez]. Calle14, Revista de investigación en el campo del arte. vol. 11, n. 18, Bogotá, Colombia, Universidad Distrital Francisco José de Caldas, enero-abril, 2016.

VIEIRA JUNIOR, Itamar. Torto arado. 1ª ed. São Paulo: Todavia, 2019.

ŽIŽEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. 1ª ed. Trad. Miguel Serras Pereira. São Paulo: Boitempo, 2014.

Downloads

Publicado

2022-12-14

Como Citar

Vivian, I. M. R. (2022). Memórias, corpos e resistências: perspectivas decoloniais na literatura brasileira contemporânea. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(32), 144–163. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7120