O cordel brasileiro como alteridade: da marginalização a uma poética universal

Autores

Palavras-chave:

Poesia, Cordel, Povo

Resumo

Censurado como literatura periférica e popular, o cordel brasileiro sofre marcas de marginalização e exclusão que evidencia o típico processo ininterrupto de segregação, marcado política, social e geograficamente. Neste estudo, pretende-se discutir elementos que apontam o lugar subjugado sofrido pelo cordel no mundo literário, abordando a ligação íntima que esta poesia estabelece com o povo. Aspiramos demonstrar problemáticas em torno de sua origem e consolidação no Nordeste brasileiro. É possível identificar que a poesia de cordel imprime uma memória coletiva e sertaneja, consistindo, muitas vezes, em um recurso de elaboração crítica política e social de um povo. Apostamos que é o elo indivisível com o povo que eleva o cordel a uma categoria poética universal.

Biografia do Autor

Edcarla Melissa Barboza, Universidade Federal de Alagoas

Mestra em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas – Brasil. Doutoranda em Letras e Linguística na Universidade Federal de Alagoas – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-9621-8906. E-mail: edcarlamelissa@hotmail.com.

Cleyton Andrade, Universidade Federal de Alagoas

Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais – Brasil. Professor Adjunto da Universidade Federal de Alagoas – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0003-1515-6959.  E-mail: cleyton.andrade@ip.ufal.br.

Referências

ABREU, Márcia Azevedo de. Cordel Português / Folhetos Nordestinos: confrontos - um estudo histórico comparativo. Tese. UNICAMP, 1993.

BÁEZ, Fernando. A história da destruição cultura da América Latina: da conquista à globalização. Trad. Léo Schlafman. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de françois Rebelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira - São Paulo: HUCITEC; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1987.

BARROS, Lenadro Gomes. O boi misterioso. In: Literatura Popular em Verso - antologia. Tomo I. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1964.

BARROS, Leandro Gomes. Estória da Donzela Teodora. Ceará: Catavento, 1981.

CARVALHO, Gilmar de. Patativa poeta pássaro do Assaré. Fortaleza: Omni, 2002, p. 46.

CAVALCANTE, Rodrigo. Como fazer versos. Correio popular: Campinas, 1982.

CLAUDE ROY. Trésor de la poésie populaire, 1975.

CURRAN, Mark. História do Brasil em Cordel. São Paulo: Edusp, 2001. (Coleção primeiros passos-317).

FALCÃO. Os cinco mitos do Nordeste. 2022

FONSECA, Maria. Gislene. Novelo de verso: fios de memória, tradição e performance tecendo a poesia de cordel. Tese. Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: 2019.

GONÇALVES, Marco. Cordel Híbrido, Contemporâneo e cosmopolita. In: Textos escolhidos de cultura e arte populares. Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, 2007, p. 34.

LEMAIRE, Ria. Gravador?... Que estás gravando? In: CARVALHO, Gilmar de. Patativa poeta passado do Assaré. 2ª. Ed. Fortaleza: Omni, 2002.

LEMAIRE, Ria. Pensar o suporte – Resgatar o patrimônio. In: MENDES, Simone (Org). Cordel nas Gerais: oralidade, mídia e produção de sentido. Fortaleza: Gráfica Expressão, 2010.

LUCENA, Bruna Paiva. “É fácil ver a chuva quando você não se molha”: os gabinetes da historiografia literária e do cordel e as poéticas a céu aberto. Tese. Programa de Pós-graduação em Literatura do Departamento de Teoria Literária e Literaturas da Universidade de Brasília. Brasília, 2016.

LUCIANO, Aderaldo. Apontamentos para uma história crítica do cordel brasileiro. Rio de Janeiro: Edições. Adaga - São Paulo: Editora Luzeiro, 2012.

MATOS, Edilene. Literatura de cordel: a escuta de uma voz poética. Habitus. Goiania, v , pp. 149-167. Disponível: (96) LITERATURA DE CORDEL: A ESCUTA DE UMA VOZ POÉTICA - por EDILENE MATOS | Helena Borges - Academia.edu

MAYA, Ivone da Silva Ramos. O povo de papel: A sátira política na literatura de cordel. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

MENDES, Simone de Paula Santos. Um estudo da argumentação em cordéis midiatizados: da enunciação performática à construção discursiva da opinião. Tese. Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, da Faculdade de Letras, da Universidade Federal de Minas Gerais. 277f. 2011.

TERRA, Ruth. Memórias de lutas: literatura de folhetos no Nordeste. São Paulo: Global Editora, 1983.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: A ‘literatura’ medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

Downloads

Publicado

2022-12-14

Como Citar

Barboza, E. M., & de Andrade, C. S. (2022). O cordel brasileiro como alteridade: da marginalização a uma poética universal. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(32), 360–381. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7130