Da marginalidade ao protagonismo:

representações da mulher na literatura fantástica em uma análise do conto “A nevrose da cor”, de Júlia Lopes de Almeida

Visualizações: 618

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v1i34.7176

Palavras-chave:

Júlia Lopes de Almeida, A nevrose da cor, protagonismo feminino, maravilhoso

Resumo

Este estudo tem por objetivo analisar as representações do feminino no conto “A nevrose da cor”, de Júlia Lopes de Almeida, a partir da perspectiva da crítica feminista e do maravilhoso, na Literatura Fantástica, a fim de destacar os modos de construção da mulher, nesta modalidade literária, sob duas óticas: a do fantástico canônico, de autoria masculina, que coloca o feminino à margem, como objeto; e a do fantástico de autoria feminina, no qual a mulher figura como protagonista. Para chegar ao objetivo pretendido, serão utilizadas, como aporte teórico, as considerações de Tzvetan Todorov (1981), Irène Bessière (2012), Francisco Vicente de Paula Júnior (2011), Elaine Showalter (1994) e Cecil Jeanine Albert Zinani (2010). O discurso androcêntrico, que postula a inferioridade do segundo sexo, ecoa, na literatura canônica, sobretudo na fantástica, representando a mulher como objeto, musa subalterna ou personificação do mal, associando-a a bruxas, demônios e seres malignos. No fantástico de autoria feminina, tal como ocorre no conto de Almeida, que tem como personagem central Issira, a mulher assume o posto de protagonista, dispondo de voz e expressando seus enfrentamentos com o homem e consigo mesma. 

Biografia do Autor

Morgana Carniel, Universidade de Caxias do Sul

Mestranda em Letras e Cultura na Universidade de Caxias do Sul – Brasil. Bolsista CAPES – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0003-4927-8145. E-mail: mcarniel5@ucs.br.

Cristina Loff Knapp, Universidade de Caxias do Sul

Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil. Professora Adjunta da Universidade de Caxias do Sul – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-1593-8734. E-mail: clknapp@ucs.br.

Referências

ALMEIDA, Júlia Lopes de. A nevrose da cor. In: ALMEIDA, Júlia Lopes. Ânsia eterna. Brasília: Senado Federal, 2019. p. 139-145.

ALMEIDA, Margarida Lopes de. Biografia de dona Júlia. In: ALMEIDA, Júlia Lopes de. O funil do diabo. Org. e intr. de Zahidé Lupinacci Muzart. Florianópolis: Mulheres, 2015.

BESSIÈRE, Irène. O relato fantástico: forma mista do caso e da adivinha. Revista FronteiraZ, São Paulo, n. 9, dezembro de 2012. P. 305-319.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANDT, Alan. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da Costa e Silva, Raul de Sá Barbosa, Ângela Melim, Lúcia Melim. 15. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

CHIAMPI, Irlemar. O realismo maravilhoso. São Paulo: Perspectiva, 2012.

DIAS, Ana Paula Pereira. A representação feminina em Ânsia Eterna, de Júlia Lopes de Almeida. 2020. 173f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Tocantins, Programa de Pós-Graduação em Letras, Porto Nacional, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/11612/2056. Acesso em: 14 ago.2022

FURTADO, Filipe. A construção do fantástico na narrativa. Lisboa: Horizonte, 1980.

GARCÍA, Flavio. O “insólito” na narrativa ficcional: a questão e os conceitos na teoria dos gêneros literários. In: GARCÍA, Flavio (Org.). A banalização do insólito: questões de gênero literário. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2007.

HANCIAU, Núbia. Migração da feiticeira para a América: da História à Literatura. In: PORTO, Maria Bernardete (Org.). Identidades em trânsito. Niterói: EdUFF/ABECAN, 2004.

LEMOS, Cleide. Apresentação. In: ALMEIDA, Júlia Lopes de. Ânsia eterna. Brasília: Senado Federal, 2019. (Col. Escritoras do Brasil)

PAULA JÚNIOR, Francisco Vicente de. O fantástico feminino nos contos de três escritoras brasileiras. 2011. 217 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/6188?locale=pt_BR. Acesso em: 10 Jun. 2022.

ROAS, Davi. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Tradução de Julián Fuks. São Paulo: Editora da Universidade Unesp, 2014.

SHARPE, Peggy. Júlia Lopes de Almeida. In: MUZART, Zahidé Lupinacci. Escritoras brasileiras do século XIX. Florianópolis: Mulheres; Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2004. p. 188-238

SCHMIDT, R. T. Repensando a cultura, a literatura e o espaço da autoria eminina. In: NAVARRO, M. H. (org). Rompendo o silêncio: gênero e literatura na América Latina. Porto Alegre: UFRGS, 1995.

SHOWALTER, Elaine. A crítica feminista no território selvagem. Trad. Deise Amaral. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

TELLES, Norma. Escritoras, escritas, escrituras. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à Literatura Fantástica. São Paulo: Perspectiva, 1981.

ZINANI, Cecil Jeanine Albert. História da literatura: questões contemporâneas. Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2010. 199 p.

Downloads

Publicado

2023-04-12

Como Citar

CARNIEL, Morgana; LOFF KNAPP, Cristina. Da marginalidade ao protagonismo: : representações da mulher na literatura fantástica em uma análise do conto “A nevrose da cor”, de Júlia Lopes de Almeida. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 1, n. 34, p. 150–175, 2023. DOI: 10.61389/revell.v1i34.7176. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7176. Acesso em: 19 jun. 2024.