Os desabrigados da História: para uma casa em Torto Arado

Autores

Palavras-chave:

Torto Arado, casa, quilombola, História, conhecimento

Resumo

A partir de vozes que a História silenciou ao longo dos séculos, Torto Arado aborda a luta da comunidade quilombola de Água Negra em prol do seu registro no tempo e no espaço, pressupondo, então, o desejo de pertencer à História. Com efeito, neste trabalho, buscamos apresentar como essa saga em busca do registro no tempo é metaforizada pelo sonho coletivo de construir casas de alvenaria ao invés das casas de barro. Com isso, esta leitura também destaca a importância da escola e da educação no trajeto que é feito até a construção de alvenaria, a ver que o conhecimento é uma forma de libertação. Pretendemos ouvir, por fim, as vozes silenciadas que, em Torto arado, mobilizam-se para edificar uma casa como forma de resistência à opressão vivida, erguendo, assim, a sua própria História.

Biografia do Autor

Lucas Pessin, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestrando em Letras (Letras Vernáculas) na Universidade Federal do Rio de Janeiro – Brasil. Bolsista CAPES – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-6789-7292. E-mail: lucaspereirapessin1@gmail.com.

Marlon Augusto Barbosa, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Letras (Ciência da Literatura) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – Brasil.  Realiza estágio pós-doutoral em Literatura Portuguesa na Universidade Federal do Rio de Janeiro – Brasil, com bolsa FAPERJ – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0003-2312-3110.  E-mail: marl.augustbarbos@gmail.com.

Referências

CERDEIRA, Teresa. “Ficção e história: limites e utopias”. In: Formas de ler. Belo Horizonte: Moinhos, 2019.

DAMATTA, Roberto. “O Brasil como morada” [2003]. In: FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos.1ª ed. digital. São Paulo: Global, 2013.

FIGUEIREDO, Monica. No corpo, na casa e na cidade: as moradas da ficção. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2011.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

LIMA, Mirella Márcia Longo Vieira. “Algumas palavras sobre Torto arado”. Afro-Ásia, v. 64, 2021, pp. 734-739. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/46522. Acesso em 12/09/2022.

MARROZZINI, Giovanni. Nuovelle semence. 2010. Portfólio disponível em: http://www.marrozzini.com/photo-portfolio/nouvelle-semence. Acesso em 14/08/2022.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. “Os anos JK: industrialização e modelo oligárquico de desenvolvimento rural”. In: FERREIRA, Jorge & DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. O Brasil republicano volume 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006, pp. 157-193.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

VIEIRA JUNIOR, Itamar. Torto arado. São Paulo: Todavia, 2019.

VIEIRA JUNIOR, Itamar. “Leituras conversa com Itamar Vieira Junior, vencedor do Prêmio LeYa”. Entrevista concedida para a TV Senado em 24/10/2020. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/tv/programas/leituras/2020/10/leituras-conversa-com-itamar-vieira-junior-vencedor-do-premio-leya. Acesso em 10/09/2022.

Downloads

Publicado

2022-12-14

Como Citar

Pessin, L., & Barbosa, M. A. (2022). Os desabrigados da História: para uma casa em Torto Arado. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(32), 263–288. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7180