Modernidade e poder em A hora dos ruminantes

Visualizações: 544

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v1i34.7241

Palavras-chave:

José J. Veiga, Modernidade, LIteratura Brasileira

Resumo

Este artigo tem como objetivo a análise do narrador no romance A hora dos ruminantes (1966) de José J. Veiga, e como a instância narrativa aborda os impasses da modernização e do progresso. Apesar do tom alegórico e metafórico da descrição de Manarairema, as ações dos personagens e da voz narrativa abordam o processo de modernização que ocorreu no Brasil a partir da segunda metade do século XX. Sob este aspecto, os personagens e o narrador se cruzam e se separam numa espécie de estrutura contrapontística. Por um lado, há a representação dos nativos de Manarairema através de um ponto de vista tradicional. Por outro lado, há a presença dos intrusos, cujo objetivo é modernizar a região, além da instância do narrador, cujo ponto de vista oscila entre um ponto de vista e outro configurando uma crítica ao progresso da modernização. Portanto, este artigo pretende mapear de que maneira o movimento de afastamento e aproximação do narrador, ao mesmo tempo que funciona como crítica à lógica modernizadora, também se configura como fuga do modelo naturalista latente na literatura brasileira desde o século XIX.

Biografia do Autor

Wagner Monteiro, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Letras pela Universidade Federal do Paraná – Brasil, com período sanduíche em Universidad de Salamanca - Espanha. Realizou estágio pós-doutoral em Letras na Universidade de São Paulo – Brasil. Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-2884-9167. E-mail: wagner.hispanista@gmail.com.

Ana Karla Canarinos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas – Brasil, com período sanduíche em Université Paris-Sorbonne – França. Professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-1999-7213. E-mail: anakarla.canarinos@gmail.com.

Referências

ADORNO, Theodor. Palavras e sinais. Petrópolis: Vozes, 1995.

AGAMBEM, Giorgio. Meios sem fim: notas sobre política. São Paulo: Autêntica, 2015.

BENJAMIN, Walter. ‘Crítica da violência. Crítica do Poder’ in Documentos de cultura, documentos de barbárie. São Paulo: EDUSP, 1986.

CARDOSO, Fernando Henrique. Autoritarismo e democratização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Globo, 2010.

NASCIMENTO, Juliano Carrupt do. A hora dos ruminantes e o insólito como estrutura narrativa. in GARCÍA, Flavio (ed.). III painel reflexões sobre o insólito na narrativa ficcional: o insólito na literatura e no cinema - comunicações. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. ‘O que significam ideais ascéticos’ in Genealogia da moral. São Paulo: Companhia de Bolso, 2015.

RÖHRIG, Adriana. ‘Os dilemas do homem moderno em A hora dos ruminantes de J. J. Veiga’in Literatura e autoritarismo. Santa Maria: UFSM, 2012.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

SOUZA, Agostinho Potenciano de. Um olhar crítico sobre o nosso tempo: uma leitura da obra de José J. Veiga. Campinas: UNICAMP, 1987.

SUSSEKIND, Flora. Tal Brasil, qual romance? Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

VEIGA, José. J. A hora dos ruminantes. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito do capitalismo”. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

Downloads

Publicado

2023-04-12

Como Citar

MONTEIRO, Wagner; CANARINOS, Ana Karla. Modernidade e poder em A hora dos ruminantes. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 1, n. 34, p. 325–345, 2023. DOI: 10.61389/revell.v1i34.7241. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7241. Acesso em: 23 jul. 2024.