A experiência no chão da escola: mobgrafia, uma narrativa digital política

Autores

Palavras-chave:

Ensino, Narrativas digitais, Educação Básica, Arte-educação

Resumo

Este artigo foi gestado a partir de experiências como professora/artista/pesquisadora de Arte na Educação Básica, inicialmente, em uma escola pública de tempo integral em Campo Grande (MS) e, depois, junto ao Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), no Campus de Jardim (MS). O objetivo central de minhas indagações foi problematizar os discursos imagéticos produzidos, editados e compartilhados, com ênfase na mobgrafia, através de dispositivos móveis como o celular. Baseada em estudiosos como Berger (2017), Borriaud (2009) e Slovenski (2022), entre outros, minha hipótese de trabalho é que a mobgrafia é uma narrativa digital política e inclusiva.

Biografia do Autor

Rafaela Chivalski de Oliveria, Instituto Federal de Educação de Mato Grosso do Sul

Mestranda em Estudos de Linguagens na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Brasil. Professora do Instituto Federal de Educação de Mato Grosso do Sul – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-8694-8032. E-mail: rafaela.oliveira@ifms.edu.br.

Referências

BERGER, John. Para entender uma fotografia. Tradução Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

BORRIAUD, Nicolas. Pós-produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

FONTCURBETA, Joan. La fúria de las imágenes: notas sobre la postfotografía. Barcelona: Galaxia Gutenberg, 2016.

RUFINO, Luiz. Vence-demanda: educação e descolonização. Rio de Janeiro: Mórula, 2021.

SLOVENSKI, Roberto. Da fotografia vernacular à mobgrafia: investigações de um fotógrafo. 2022. 142p. Tese (Doutorado em Ciências da Linguagem) – Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-14

Como Citar

Oliveria, R. C. de. (2022). A experiência no chão da escola: mobgrafia, uma narrativa digital política. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(32), 429–438. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7308