As peles da ficção

erotismo, psicanálise e linguagem em A confissão de Lúcio

Visualizações: 184

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v2i35.7317

Palavras-chave:

Literatura portuguesa, Mário de Sá-Carneiro, erotismo, psicanálise, luto

Resumo

Uma narrativa sobre um desejo homossexual interdito, no início do século XX, em um dos países mais católicos da Europa, é um desafio não só moral, mas literário, uma vez que esse desafio exige uma forma tão revolucionária quanto o conteúdo que se lhe apresenta. A estrutura narrativa de A confissão de Lúcio, de Mário de Sá-Carneiro, possibilita o entrecruzamento proposto por este trabalho entre erotismo, psicanálise e linguagem. Propomos a leitura de que a obra cria um relato pessoal narrativo que flutua, assumidamente, entre o inverossímil e o factual, revelando-se um trabalho de elaboração do luto que causou essa confissão. Nesse processo de luto, a literatura se propõe como o ardil erótico que mantém viva a libido que era investida nos objetos no centro da perda, a partir da materialidade corporal da própria linguagem em seu logro magnífico de ser mais sensorial que imitativa, mais teatro que instrumento (BARTHES, 2013, p. 17). Guiados principalmente por Georges Bataille, Octavio Paz, Sigmund Freud e Roland Barthes, buscaremos investigar como a forma e o conteúdo dessa obra dão conta de representar o desejo entre as personagens, seus véus e desvelamentos, seus segredos e confissões.

Biografia do Autor

Thalles Candal, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre em Letras (Letras Vernáculas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – Brasil. Doutorando em Letras (Letras Vernáculas) na Universidade Federal do Rio de Janeiro – Brasil. Bolsista CAPES – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-5735-821X. E-mail: thallescandal@gmail.com

Referências

BARTHES, Roland. Aula. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 2013.

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. Trad. H. dos Santos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2015.

BATAILLE, Georges. As lágrimas de Eros. Trad. Aníbal Fernandes. Lisboa: & Etc, Série K, n° 12, 1984.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Trad. Antônio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CERDEIRA, Teresa Cristina. A Confissão de Lúcio: um ensaio sobre a voluptuosidade. In: A mão que escreve: ensaios de literatura portuguesa. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2014.

CERDEIRA, Teresa Cristina. Mário de Sá-Carneiro: “Elementar, meu caro Lúcio!”. In: Formas de Ler. Belo Horizonte: Moinhos, 2020.

FREUD, Sigmund. O inquietante. In: Obras completas, vol. 14. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. Trad. Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

GOMES, Rafael Santana. Lições do Esfinge Gorda. 2014. 315 f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras da UFRJ. Rio de Janeiro, 2014.

PAZ, Octavio. A dupla chama. Trad. Wladir Dupont. São Paulo: Siciliano, 1994.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. A criação do texto literário. In: Flores da escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SÁ-CARNEIRO, Mário de. Mário de Sá-Carneiro: Antologia. Org. Cleonice Berardinelli. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015.

Downloads

Publicado

2023-11-01

Como Citar

CANDAL, Thalles. As peles da ficção: erotismo, psicanálise e linguagem em A confissão de Lúcio. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 2, n. 35, p. 248–266, 2023. DOI: 10.61389/revell.v2i35.7317. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7317. Acesso em: 20 jun. 2024.