Farpas de tempos

signos poetizados

Visualizações: 214

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v2i35.7344

Palavras-chave:

corpo, filosofia, natureza, Orides Fontela, Renata Pimentel

Resumo

O trabalho analisa poemas presentes em obras de Orides Fontela e Renata Pimentel. O objetivo central está em verificarmos como determinados signos, a saber, natureza, filosofia, corpo e morte se manifestam nos versos de Fontela e de Pimentel. Os textos foram destacados, respectivamente, das obras Transposição (1967 [2015]) e Denso e leve como o voo das árvores (2015). A leitura dos versos aqui prezados é realizada a partir da materialidade linguística e do discurso poético. Neste sondamos como se dão os tons filosóficos, naturais e corpóreos e de decesso; naquela, levamos em consideração as particularidades da matéria verbal. Os corpos líricos abrigados nos poemas tomam, em especial, o filosófico e o natural, bem como a casualidade e as efemeridades como bússolas de orientação nos esteios do dizer poético. Elencamos como arcabouço teórico estudos de Audre Lorde, (1989), Octavio Paz (1994), María Zambrano (2000), Luiz Rufino (2019), Mikhail Bakhtin (2020), entre outros teóricos e críticos da literatura e filosofia conforme os poemas em perscrutação solicitem.

Biografia do Autor

Eduardo de Lima Beserra, Universidade Federal de Alagoas

Mestre em Linguística e Literatura pela Universidade Federal de Alagoas - Brasil ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-4154-5010.  E-mail:eduardolimasr@gmail.com   

Referências

BBACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Trad. Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 6. ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2020.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. 2. ed. Trad. Antonio Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FONTELA, Orides. Poesia completa. São Paulo: Hedra, 2015.

LORDE, Audre. Usos do erótico: o erótico como poder (1984). Disponível em: https://traduagindo.com/2023/02/19/audre-lorde-os-usos-do-erotico-o-erotico-como-poder/. Acesso em 12 out. 2022.

MARTON, Scarlett Zerbetto. A morte como instante de vida. Curitiba: PUCPRESS, 2018.

NUNES, Benedito. O tempo na narrativa. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

PAZ, Octavio. A dupla chama: amor e erotismo. Trad. Wladir Dupont. São Paulo: Siciliano, 1994.

PIMENTEL, Renata. Denso e leve como o voo das árvores. Rio de Janeiro: Confraria do vento, 2015.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

SERAFIM, Fernando Mendonça. As rosas: fluxo, ciclo e dualidade em Orides Fontela. Em Tese, Belo Horizonte, v. 24, n. 3, p. 161-176, set./dez. 2018.

SIMAS, Luiz Antônio; RUFINO, Luiz. Flecha no tempo. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

VALÉRY, Paul. Variedades. Trad. Maiza Martins de Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 1999.

VILLAÇA, Alcides. Símbolo e acontecimento na poesia de Orides. Estudos Avançados, São Paulo, v. 29, n. 85, p. 295-311, nov./dez. 2015.

ZAMBRANO, María. A metáfora do coração e outros escritos. 2. ed. Trad. José Bento. Lisboa: Assírio & Alvim, 2000.

Downloads

Publicado

2023-11-01

Como Citar

BESERRA, Eduardo de Lima. Farpas de tempos: signos poetizados. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 2, n. 35, p. 227–247, 2023. DOI: 10.61389/revell.v2i35.7344. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7344. Acesso em: 20 jun. 2024.