Perspectivas sobre Um defeito de cor

Visualizações: 53

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v3i36.7446

Palavras-chave:

razão negra, racismo, branquitude, literaturas amefricanas

Resumo

Considerando o romance Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves (2009), como parte de um sistema simbólico, este estudo visa promover um debate em torno de possíveis acepções arroladas à expressão apresentada no título da obra, ou seja, defeito de cor, em sua articulação com a ideia de raça. Para tanto, recorre-se ao proposto por Achille Mbembe (2019), Grada Kilomba (2019), Édouard Glissant (2021), Conceição Evaristo (2008), Frantz Fanon (2008), Lourenço Cardoso (2010), entre outras(os). Como ponto de partida às análises empreendidas, considera-se a percepção de um contexto cultural no qual a pele clara, enquanto característica fenotípica relacionada aos seres humanos classificados como caucasianos, constitui-se como padrão normativo. Em outros termos, a discussão parte do princípio da branquitude como norma subjacente ao ideal [Ocidental] de ser humano. Na seção seguinte, aborda-se a disputa semântica configurada em torno do fenótipo pele negra. No bojo deste tópico, são abordados, outrossim, os significantes Negro e raça. Por fim, observa-se que se o título do romance de Ana Maria Gonçalves (2009) faz alusão ao discurso do poder hegemônico que objetiva naturalizar as hierarquias sociais constituídas com base na ideia de raça, a imagem que ilustra a sua capa nos convoca a refletir sobre como o corpo – malgrado as marcas da ferida colonial – não se resume aos discursos, nem aos conceitos e sentidos que lhe são atribuídos. A análise realizada, centrada no título do romace Um defeito de cor, é um indicativo do potencial epistêmico das literaturas amefricanas quanto ao engendramento de reflexões antirracistas e de[s]coloniais.

Biografia do Autor

Ella Ferreira Bispo, UFPI

Mestra e doutoranda em Letras, na área de concentração em Literatura, pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Piauí; bolsista CAPES; integrante do Projeto de Pesquisa e Extensão Teseu, o labirinto e seu nome e do Grupo de Pesquisa CNPq Americanidades: lugar, diferença e violência. Ademais, participa do IFARADÁ (UFPI) – Núcleo de Pesquisa Sobre Africanidades e Afrodescendência. 

Referências

ALVES, Alcione Correa. Mulheres deixam traços nas águas? Organon (UFRGS), Porto Alegre, v. 29, n. 57, p. 77-98, jul./dez. 2014.

ALVES, Míriam Cristiane; ALVES, Alcione Correa (orgs). Epistemologias e metodologias negras, descoloniais e antirracistas. Série Pensamento Negro Descolonial. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2020. (E-book) Disponível em: https://editora.redeunida.org.br/project/epistemologias-e-metodologias-negras-descoloniais-e-antirracistas/. Acesso em: ago. 2021.

BENTO, Cida. O pacto da Branquitude. São Paulo, Companhia das Letras: 2022.

BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução de João Ferreira de Almeida. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1996.

BISPO, Ella Ferreira; ALVES, Alcione Correa. Enunciar desde nossos lugares, “para que nuestra identidad no se vaya al abismo”. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 40, n. 69, p. 88-99, jul./dez. 2015.

BOSI, Alfredo. Sob o signo de Cam. In: BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 246-272.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o poder simbólico. In: BOURDIEU, Pierre. ¬¬¬¬¬O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989. p. 7-16.

CARDOSO, Lourenço. Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, n. 01, v. 08, p. 607-630, jan./jun. 2010.

CARDOSO, Lourenço. O branco ante a rebeldia do desejo. Curitiba: Appris, 2020.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 340 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2005.

CARVALHO, J. C. B. de; ALVES, A. C. O porão do navio negreiro como digênese nos romances Um defeito de cor e O crime do cais do Valongo. Via Atlântica, [S. l.], v. 1, n. 41, p. 345-376, 2022.

CARVALHO, José Jorge de. Racismo fenotípico e estéticas da segunda pele. Cinética: revista eletrônica, Rio de Janeiro, p. 1-14, jan. 2008.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Tradução de Noémia de Sousa. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1978.

CHARAUDEAU, Patrick. Os estereótipos, muito bem. Os imaginários, ainda melhor. Tradução de André Luiz Silva e Rafael Magalhães Angrisano. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 571-591, jan./jun. 2017.

NASCIMENTO DOS SANTOS, Daiana. História e Memória no romance Um defeito de cor, Izquierdas, Santiago, n. 31, p. 162-171, 2016.

DALCOM JÚNIOR, Marcelo Cruz. Nas entrelinhas de um defeito de cor de Ana Maria Gonçalves. 2013. 80 f. Dissertação (Mestrado em Literatura) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2013.

DEFEITO. In: DICIONÁRIO infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. Disponível em: https://www.infopedia.pt/dicionários/lingua-portuguesa/defeito. Acesso em: 17 jun. 2021.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. Belo Horizonte: Nandyala, 2008.

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: MOREIRA, Nadilza; SCHNEIDER, Liane (org.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade, diáspora. João Pessoa: Ideia: Editora Universitária - UFPB, 2005, p. 201-212.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Racismo e cultura. In: FANON, Frantz. Em defesa da revolução africana. Tradução de Isabel Pascoal. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1980. p. 32-48.

FIGUEIREDO, Eurídice. Representações de etnicidade: perspectivas interamericanas de literatura e cultura. Rio de Janeiro: 7Letras, 2010.

GENETTE, Gerard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Tradução de Luciene Guimarães e Maria Antonia Ramos Coutinho. Belo Horizonte: Edufmg, 2006.

GLISSANT, Édouard. Poética da Relação. Tradução de Marcela Vieira e Eduardo Jorge de Oliveira. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

GLISSANT, Édouard. O mesmo e o diverso. In: BERND, Zilá (coord.). Antologia de textos fundadores do comparatismo literário interamericano. Tradução de Normélia Parise. Porto Alegre: UFRGS, 2001. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cdrom/. Acesso em: 28 out. 2020.

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 2009.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural da Amefricanidade. In: GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia González em primeira pessoa… Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018, p. 321-334.

GURAN, Milton. Agudás - de africanos no Brasil a ‘brasileiros’ na África. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, out. 2000, p. 415-424.

KILOMBA, Grada. Dizendo o indizível: definindo o racismo. In: KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MARX, Karl. A assim chamada acumulação primitiva. In: MARX, Karl. O Capital: crítica da Economia Política. Livro I: O processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013. p. 785-833.

MATIJASCIC, Milko; SILVA, Tatiana Dias (EE.). Situação social da população negra por estado. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Brasília: IPEA, 2014.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Tradução de Sebastião Nascimento. São Paulo: N-1 edições, 2019.

MIGNOLO, Walter. La idea de América Latina: La herida colonial y la opción decolonial. Tradução de Silvia Jawerbaum e Julieta Barba. Barcelona: Gedisa, 2007.

MIRANDA, Fernanda Rodrigues de; OLIVEIRA, Maria Aparecida Cruz de (Orgs.). Ana Maria Gonçalves: cartografia crítica. Brasília, Edições Carolina: 2020.

OLIVEIRA, Anderson José Machado de. Padre José Maurício: “dispensa de cor”, mobilidade social e recriação de hierarquias na América portuguesa. In: GUEDES, Roberto (org.). Dinâmica Imperial no Antigo Regime Português: escravidão, governos, fronteiras, poderes, legados – séc. XVII-XIX. Rio de Janeiro: Mauad X, 2011. p. 51-66.

QUIJANO, Aníbal. Cuestiones y Horizontes: de la dependencia histórica-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Bueno Aires: CLACSO, 2014.

SEGATO, Rita Laura. Raça é signo. Série Antropologia. Brasília, n. 373, 2005. Disponível em: www.unb.br/ics/dan/Serie373empdf.pdf. Acesso em: 10 jul. 2022.

SOUZA, Elio Ferreira de. A carta da escrava ‘Esperança Garcia’ de Nazaré do Piauí: uma narrativa de testemunho precursora da literatura afro-brasileira. Literafro: Portal da Literatura Afro-Brasileira, n. 20, jun./jul. 2016.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WALSH, Catherine. “Raza”, mestizaje y poder: horizontes coloniales pasados y presentes. Crítica y Emancipación: Revista latinoamericana de ciencias sociales, Buenos Aires, CLACSO, ano II, n. 3, p. 95-124, 1. sem. 2010.

Downloads

Publicado

2024-07-10

Como Citar

BISPO, Ella Ferreira. Perspectivas sobre Um defeito de cor. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 3, n. 36, p. 394–418, 2024. DOI: 10.61389/revell.v3i36.7446. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7446. Acesso em: 22 jul. 2024.