Mini(auto)biografias

breves relatos de vidas insurgentes

Visualizações: 15

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v3i36.8249

Palavras-chave:

Autobiografia, escritas do eu, identidade, ativismo, minorias

Resumo

Na contemporaneidade, as fronteiras do espaço biográfico mostram-se cada vez mais expandidas. Dentro desse panorama, as escritas do “eu” assumem um papel de relevância na medida em que a sua exposição não somente abrange a revelação das intimidades e pormenores do cotidiano, mas também remete a temas que acabam por nortear a própria construção identitária dos sujeitos. Assim, falar de si ganha, sobretudo na esfera midiática, contornos de engajamento e resistência por parte de segmentos minoritários, todos eles norteados por pautas que intentam a proteção de direitos e a afirmação de suas existências.  Na tentativa de combater as marcas longevas da invisibilidade, diferentes autores protagonizam o compartilhar de suas histórias pessoais, evocando memórias dolorosas, denunciando violências sofridas, mas sobretudo enaltecendo a potência libertadora e criativa de suas produções literárias e artísticas. Com suas atenções voltadas para as chamadas mini(auto)biografias, que são pequenos textos elaborados pelos autores com o objetivo de apresentarem um resumo sobre suas trajetórias em espaços dedicados à divulgação literária, o presente artigo promove um recorte analítico das narrativas cujos conteúdos se opõem frontalmente aos apagamentos vividos por sujeitos minoritários. Tendo por base relatos publicados na revista digital Ruído Manifesto, os quais acompanham poemas, contos e crônicas desses escritores, procuramos discutir o quanto as expressões ali perfiladas se constituem como instrumentos de sobrevivência de indivíduos e suas respectivas comunidades.   

Biografia do Autor

Fabrício Brandão Amorim Oliveira, Universidade Estadual de Santa Cruz

Mestre Letras: Linguagens e Representações na Universidade Estadual de Santa Cruz – Brasil. Doutorando em Letras: Linguagens e Representações na Universidade Estadual de Santa Cruz - Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-5741-2204. E-mail: diversosafins@gmail.com

Referências

ARFUCH, Leonor. A vida narrada: memória, subjetividade e política. Tradução: Diana Klinger e Paloma Vidal. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ; Villa María: Editorial Universitaria de Villa María, 2023.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução: Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Revista Estudos Históricos. Arquivos Pessoais, v. 11, nº 21, p. 9-34. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1998.

BEIGUI, Alex. Performances da escrita. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, v. 21, n. 1, p. 27–36. Belo Horizonte: POSLIT, Faculdade de Letras da UFMG 2011. Disponível: https://periodicos.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/18421 Acessado em 21/06/2023.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espectáculo. Lisboa: Edições Simpáticas, 2005.

FREITAS, Ricardo. Da margem ao centro: comunicação e arte frente às questões de produção e recepção em produtos audiovisuais periféricos. In: Mídia alter{n}ativa: estratégias e desafios para a comunicação hegemônica. Ilhéus: Editus, 2009.

FREITAS, Ricardo Oliveira de; OLIVEIRA, Fabrício Brandão Amorim. Rasgos na invisibilidade: arte e palavra como potências do eu. REVELL - Revista de Estudos Literários da UEMS, v.2, nº 22, p. 364-385. Campo Grande: UEMS 2019. Disponível: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3747 Acessado em 23/07/2023.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidade e mediações culturais. Liv Sovik (org). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

RAVETTI, Graciela. Narrativas performáticas. In: Performance, exílio, fronteiras: errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: Departamento de Letras Românicas, Faculdade de Letras/UFMG: PosLit, 2002.

ROCHA, Tácia; BARBOSA, Flávia. Mídia Alternativa: um trajeto sobre o conceito e seus deslocamentos. In: Interfaces do Midiativismo: do conceito à prática. Belo Horizonte: CEFET-MG, 2018.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SEIXAS, Rebeca Caroça. A escrita performática como discurso político e a trilogia metadramatúrgica gogoliana. Urdimento: Revista de Estudos em Artes Cênicas, v. 2, n. 29, p. 128-144. Florianópolis: Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – Universidade do Estado de Santa Catarina 2017. Disponível: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573102292017128 Acessado em 20/06/2023.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.

Downloads

Publicado

2024-07-10

Como Citar

OLIVEIRA, Fabrício Brandão Amorim. Mini(auto)biografias: breves relatos de vidas insurgentes. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 3, n. 36, p. 267–290, 2024. DOI: 10.61389/revell.v3i36.8249. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/8249. Acesso em: 22 jul. 2024.