O narrador errante e paródico em Caim, de José Saramago

Autores

  • Paula Karina Verago Petersen Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP

Palavras-chave:

José Saramago, Caim, narrador, paródia.

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar a presença do narrador no romance Caim, de José Saramago, a partir do diálogo que estabelece com o narrador do episódio bíblico de Caim. A análise comparativa demonstrou que o elo comum entre ambas as narrativas é o sinal de errância que, imposto por Deus e assumido por Caim, dissemina-se por todos os planos do romance de Saramago, atingindo o narrador, os personagens e os planos discursivos de narrativas dentro de outras, numa estrutura em abismo. É a paródia o outro elemento que irá desconstruir o relato bíblico por meio da inversão, na medida em que, além de trazer para o texto um Caim questionador dos imperativos divinos, rebaixa Deus à posição de ser humano. O romance, a partir do discurso de um narrador errante, convida o leitor a realizar um exercício de crítica e autocrítica.

Biografia do Autor

Paula Karina Verago Petersen, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP

Mestranda em Literatura e Crítica Literária, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP.

Downloads

Publicado

29/04/2016

Como Citar

Petersen, P. K. V. (2016). O narrador errante e paródico em Caim, de José Saramago. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(11), 72–88. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/878