EFICIÊNCIA FOTOSSINTÉTICA E PRODUTIVA DE MILHO SAFRINHA EM FUNÇÃO DE ÉPOCAS DE SEMEADURA E POPULAÇÕES DE PLANTAS

Anna Luiza Farias dos Santos, Ivan Arcanjo Mechi, Luan Marlon Ribeiro, Gessí Ceccon

Resumo


A pesquisa foi realizada com o objetivo de avaliar os componentes produtivos e variáveis fotossintéticas de plantas de milho cultivadas em quatro épocas de semeadura e quatro populações de plantas. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com parcelas subdivididas e quatro repetições. Nas parcelas foram alocadas as épocas de semeadura do milho safrinha (01 e 15 de fevereiro e 01 e 15 de março) e, nas subparcelas, as populações de plantas (50, 60, 70 e 80 mil plantas ha-1). As maiores taxas fotossintéticas e eficiência de carboxilação da Rubisco foram observadas nas plantas das semeaduras de 15/02 e 15/03. A semeadura realizada em 15/02 e 01/03 resultou na maior massa de 100 grãos e grãos por espiga. Em relação à produtividade de grãos, a única época que diferiu das demais foi a semeadura em 15/02, apresentando a menor média. As maiores médias de grãos por espiga e massa de 100 grãos foram observadas nas plantas da população de 50 mil plantas ha-1. As semeaduras realizadas em 15/02 e 15/03 favoreceram os processos fotossintéticos das plantas de milho. A maior produtividade ocorreu com a semeadura em 15/02. Menores populações de milho foram suficientes para garantir a satisfatória produtividade do milho safrinha.

Texto completo:

PDF

Referências


(I) Argenta, G.; Silva, P. R. F.; Bortolini, C. G.; Forsthofer, E. L.; Manjabosco, E. A.; Beheregaray Neto, V., 2001. Resposta de híbridos simples à redução do espaçamento entrelinhas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 36, 1, 71-78.

(II) Bergamaschi, H.; Matzenauer, R., 2014. O milho e o clima. Emater-Ascar, Porto Alegre, 84 p.

(III) Brachtvogel, E. L.; Pereira, F. R. S.; Cruz, S. C. S.; Bicudo, S. J., 2009. Densidades populacionais de milho em arranjos espaciais convencional e equidistante entre plantas. Ciência Rural, 39, 8, 2334-2339.

(IV) Costa, G. F.; Marenco, R. A., 2007. Fotossíntese, condutância estomática e potencial hídrico foliar em árvores jovens de andiroba (Carapa guianensis). Acta Amazônica, 37, 2, 229-234.

(V) Cruz, C. D., 2004. Programa Genes - Versão Windows: aplicativo computacional em genética e estatística. Versão 2004.2.1. UFV, Viçosa.

(VI) Dourado Neto, D.; Palhares, M.; Vieira, P. A.; Manfron, P. A.; Medeiros, S. L. P.; Romano, M. R., 2003. Efeito da população de plantas e do espaçamento sobre a produtividade de milho. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 2, 3, 63-77.

(VII) Embrapa. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2016. Guia Clima. Agropecuária Oeste, Dourados. http://clima.cpao.embrapa.br/ (acessado 17 de dezembro de 2016).

(VIII) Ferreira, C. A. G.; Davide, A. C.; Carvalho, L. R., 1999. Relações hídricas em mudas de Eucalyptus citriodora Hook., em tubetes, aclimatadas por tratamentos hídricos. Cerne, 5, 2, 95-104.

(IX) Gross, M. R.; Pinho, R. G.; Brito, A. H., 2006. Adubação nitrogenada, densidade de semeadura e espaçamento entre fileiras na cultura do milho em sistema de plantio direto. Ciência e Agrotecnologia, 30, 3, 387-393.

(X) Kappes, C.; Andrade, J. A. C.; Arf, O.; Oliveira, A. C.; Arf, M. V.; Ferreira, J. P., 2011. Desempenho de híbridos de milho em diferentes arranjos espaciais de plantas. Bragantia, 70, 2, 334-343.

(XI) Magalhães, P. C.; Souza, T. C.; Emílio, P.; Albuquerque, P.; Karam, D.; Magalhães, M. M.; Cantão, F. R. O., 2009. Caracterização ecofisiológica de linhagens de milho submetidas a baixa disponibilidade hídrica durante o florescimento. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 8, 3, 223-232.

(XII) Oliveira, A. D.; Fernandes, E. J.; Rodrigues, T. D. J., 2005. Condutância estomática como indicador de estresse hídrico em feijão. Engenharia Agrícola, 25, 1, 86-95.

(XIII) Penariol, F. G.; Fornasieri Filho, D.; Coicev, L.; Bordin, B.; Farinelli, R., 2003. Comportamento de cultivares de milho semeadas em diferentes espaçamentos entre linhas e densidades populacionais, na safrinha. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 2, 2, 52-60.

(XIV) Sangoi, L.; Almeida, M. L.; Gracietti, M. A.; Bianchet, P.; Horn, D., 2002 Sustentabilidade do colmo em híbridos de milho de diferentes épocas de cultivo em função da densidade de plantas. Revista de Ciências Agroveterinárias, 1, 2, 1.

(XV) Sans, L. M. A.; Assad, E. D.; Guimarães, D. P.; Avellar, G., 2001. Zoneamento de riscos climáticos para a cultura de milho na Região Centro-Oeste do Brasil e para o estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Agrometeorologia, 9, 3, 527-535.

(XVI) Santos, H. G.; Jacomine, P. K. T.; Anjos, L. H. C.; Oliveira, V. A.; Lumbreras, J. F.; Coelho, M. R.; Almeida, J. A.; Cunha, T. J. F.; Oliveira, J. B., 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos, terceira ed. Embrapa Solos, Rio de Janeiro, 353p.




DOI: https://doi.org/10.32404/rean.v5i4.1631

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 JOURNAL OF NEOTROPICAL AGRICULTURE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.