GEOGRAFIA E NATUREZA: O DILEMA DAS PRÁTICAS DO ENSINO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Visualizações: 539

Autores

  • Gisele Ferreira da Silva Oliveira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
  • Walter Guedes da Silva Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul

Palavras-chave:

Geografia, Ensino, Educação Ambiental

Resumo

Essa pesquisa visa fazer uma análise reflexiva sobre a discussão geográfica a partir de sua configuração histórica, buscando explicitar que a Geografia, desde sua origem, esteve intimamente relacionada à temática ambiental, e que ao longo da história registram-se diferentes posicionamentos sobre a relação do homem com o meio ambiente.  Para tanto, a metodologia adotada tem caráter qualitativo, a partir de pesquisa bibliográfia, buscando aporte teórico em livros, teses, artigos e outras fontes secundárias que abordem a temática. A situação global, atual, tem refletido os padrões dominantes de produção e consumo, resultando em grande devastação ambiental, com significativa redução dos recursos e massiva extinção de espécies. A Educação Ambiental assume seu papel basilar no enfrentamento dessa problemática, buscando um compromisso extremo de mudanças de valores, comportamentos, sentimentos e atitudes e a Geografia desenvolve profunda relação com a Educação Ambiental, uma vez que ambas procuram promover a compreensão de como as relações homem/homem e homem/meio interferem no meio ambiente. Compreende-se que a Geografia contribui para a ampliação das possibilidades do desenvolvimento de um conhecimento estruturado, que conduza à autonomia e à emancipação necessária para a formação de cidadãos conscientes e participativos na construção de sociedades sustentáveis.

Biografia do Autor

Gisele Ferreira da Silva Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (PROFEDUC - UEMS). Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (PPGEDU – FAED – UFMS). Professora da Educação Básica, da rede municipal e estadual de ensino de Campo Grande, MS.

Walter Guedes da Silva, Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul

Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Professor dos cursos de Geografia, licenciatura e bacharelado, da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – Unidade Universitária de Campo Grande (UEMS/CG), do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu – Mestrado Profissional em Educação, e Coordenador do Curso de Geografia, Licenciatura, pela mesma Universidade.

 

Referências

BISPO, M. O. A concepção de natureza na Geografia e a relação com a Educação Ambiental. NUPEAT- IESA – UFG, v. 2, n. 1, jan./jun. 2012, p. 41-55.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei n.º 9.795/1999. Política Nacional de Educação Ambiental. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm>. Acesso em: 27/01/2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Manifesto pela Vida. 2002. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/manifestovida.pdf>. Acesso em: 05/02/2017.

BRASIL. Ministério de Meio Ambiente. Carta da Terra. 2000. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/estruturas/agenda21/_arquivos/carta_terra.pdf>. Acesso em: 06/02/2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Agenda 21. 1992. Disponível em: < Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global, elaborado em 1992>. Acesso em: 06/02/2017.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura – MEC. Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/tratado.pdf>. Acesso em: 06/02/2017.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília, DF: MDS, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. SECAD. Educação Ambiental: Aprendizes de sustentabilidade. Brasília: MEC, 2007.

CORRÊA, R. L. Região e organização espacial. 7. Ed. São Paulo: Editora Ática. 2000.

COSTA, F. R.; ROCHA, M. M. Geografia: Conceitos e paradigmas – Apontamentos preliminares. Rev. GEOMAE. Campo Mourão, PR, v.1. n.2. p. 25 – 56, 2º sem, 2010.

FARENZENA, D. Considerações sobre a temática ambiental na Geografia. Geografia: Ensino & Pesquisa, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 1 – 8, 2001.

MENDONÇA, F. Geografia e meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1993.

MORAES, A. C. R. Pequena história crítica. A sistematização da Geografia: Humboldt e Ritter. 20. ed. São Paulo: Annablume, 2005.

OLIVEIRA, W. C. A contribuição geográfica para Educação Ambiental: As relações entre a sociedade e a natureza no Distrito Federal. UNB-GEA. Dissertação de mestrado – Universidade de Brasília. Brasília, 2007.

OLIVEIRA, M. M. Geografia e educação ambiental: Desafios metodológicos para uma didática reflexiva do espaço na escola. GEO UERJ, Ano 11, v. 2, n.19, p. 161 – 178, 2009. Disponível em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/geouerj/article/viewFile/1408/1198>. Acesso em: 15/05/2017.

SANTOS, M. Por uma nova Geografia: Da crítica da Geografia a uma Geografia crítica. 6. ed. São Paulo: Editora da universidade de São Paulo, 2004.

UNESCO. Educação e transdisciplinaridade. Um novo tipo de conhecimento – transdisciplinaridade. CETRANS. USP, 1999. Disponível em: < http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127511por.pdf>. Acesso em: 04/02/2017.

UNESCO. Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente. Departamento de Educação Ambiental. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas de Educação Ambiental. UNESCO, 2007.

Downloads

Publicado

2018-12-21

Como Citar

Oliveira, G. F. da S., & da Silva, W. G. (2018). GEOGRAFIA E NATUREZA: O DILEMA DAS PRÁTICAS DO ENSINO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 3(4). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/2998